"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sexta-feira, agosto 02, 2013

Elevando-se acima do Parêntesis

 
 Joel S. Goldsmith


Em minha meditação eu estava viajando ao redor do mundo em memória. E não apenas ao redor do mundo, mas ao redor do calendário também. E eu estava vendo as duas salas onde as atividades do Caminho Infinito começaram em Hollywood – primeiramente na sala de minha casa, e depois num escritório. Eu viajei para São Francisco, onde nossa primeira reunião consistiu de um grupo de 12 pessoas, e depois tudo o que aconteceu desde então em Portland, Seattle, Victoria, Vancouver, Chicago, New York, Europa, África, Down Under – sentados no gramado na Índia, falando a um grupo de 40 ou 50 estudantes num dia, e a um grupo de 200 estudantes, não do Caminho Infinito, mas de ensinamentos Orientais – de volta aqui ao Hawaí, onde sentamos no gramado do Hotel Halekulani, ou do outro lado da rua num pequeno apartamento do Nedra na Rua Kalia, ou em Kahala, onde falamos para sete estudantes a fita "O Trovejar do Silêncio". Eu via todos esses grupos pequenos que ouviram essa mensagem e os grandes grupos - as classes. E finalmente, até os halls com 1.000 a 1.500 pessoas. E assim continuando por 15 anos com crescente sucesso, crescente atividade e ainda assim retornando aos grupos como esse, com um trabalho do tipo que tivemos nesses últimos seis meses.

E eu pude ver que todos os frutos do trabalho, o sucesso da mensagem, sua expansão, se deve primariamente ao trabalho feito em pequenos grupos como esse, onde vocês dedicaram consciência. Dedicaram-se não a um homem ou a um movimento, mas a atingir a realização de Deus.

É uma coisa difícil explicar aos grandes grupos o significado dessas pequenas reuniões, o que nelas transpira, e o efeito que têm em todo o mundo – ou melhor, em toda a consciência humana –, porque essas pessoas estão interessadas numa mensagem primariamente porque ela vai afetar sua saúde ou o seu suprimento ou suas relações familiares; vocês têm uma história completamente diferente daquela que se tem quando as pessoas se reúnem sem propósitos pessoais. Esta tem sido a função desses pequenos grupos em cada local do mundo onde temos tido pequenos grupos – onde temos tido grupos como esse. E, certamente, em toda a história do nosso trabalho nas ilhas do Hawaí, onde sempre tivemos esses pequenos grupos, a diferença é que a dedicação não tem o propósito de obter alguma coisa para nós mesmos, mas ao contrário, contribuir de alguma forma para a consciência humana. Não sem negligenciar o fato de que eu mesmo devo ser elevado a fim de trazer o mundo até mim, mas lembrando que o propósito de ser elevado é trazer o mundo até mim. Não é ser elevado para que eu possa fazer uma melhor demonstração da vida ou de vocês, mas que em nossa elevação o mundo também possa ser elevado na mesma medida.

A consciência de um grupo de pessoas dedicadas, o que o Mestre chamou de "dois ou mais estiverem juntos em meu nome", deve ser uma experiência de elevação de toda a consciência humana. Isto só se torna claro para vocês, quando percebem que no universo espiritual, não existem coisas como tempo e espaço. As pessoas na África do Sul não estão separadas de nós pelo tempo ou pelo espaço, nem as que estão na Austrália, Nova Zelândia ou Londres. No momento em que nos unimos em consciência, estamos todos em um único espaço de uma única mente, e o que o mapa parece testemunhar como tempo e espaço não tem qualquer sentido. Vocês têm a prova disso na cura espiritual, onde já vimos que não há necessidade da presença física do curador. Isso, indiferentemente de onde vocês possam estar no tempo e no espaço, no momento que se unem com a consciência do Cristo, vocês são um com ela, e nem tempo nem espaço entram na demonstração. Entretanto, há uma coisa que de fato entra nela, e isso é realmente ao que eu os estou conduzindo.

Na semana passada, ao abrir a minha Bíblia eu tive um daqueles acidentes que vocês todos conhecem tão bem, de abri-la numa página que por acaso estava iluminada como que com lâmpadas elétricas. Era o 16º capítulo de Marcos – o último capítulo e o último verso. O Mestre acaba de ascender e deixar os seus discípulos. Mais uma vez ele tinha estado sozinho com seu pequeno grupo, mas ascendeu e foi embora. Isso é o que se lê: "Eles, pois, saindo, pregaram por toda parte, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam".

Pensem o que isso faz a você quando percebe que eles foram em frente e pregaram em toda parte, mas o quanto teria sido inútil exceto por, cooperando com eles o Senhor, proporcionava a confirmação da palavra com os sinais que as acompanhavam. Que bem há em pregar sem os sinais que se seguem? Que bem há em ensinamentos sem sinais que se seguem? Que bem há em dizer a verdade a quem quer que seja, sem os sinais se seguirem? Qual o sentido de se publicar uma Bíblia ou um livro metafísico sem os sinais se seguirem? E como poderiam haver sinais se o Senhor não estivesse trabalhando com eles? Se o Senhor não está na revelação das escrituras que se tornam a Bíblia, se o Senhor não está trabalhando na consciência de um indivíduo que escreve um livro sobre metafísica ou misticismo, se o Senhor não está trabalhando com a pessoa que está ensinando ou revelando ou pregando, como vocês recebem os sinais que se seguem uma vez que "Eu de mim mesmo não posso fazer nada. Se falo de mim mesmo, eu testemunho uma mentira"? Se não há uma presença transcendental agindo comigo – isso nos leva de volta à nossa última palestra da manhã de Domingo, quando falamos a respeito de 1º Coríntios, primeiro e segundo capítulos, nos quais Paulo deixa claro que Cristo não o enviara para batizar, mas para pregar, e não para pregar em palavras de homens sábios, mas para pregar o Espírito Santo. E isso deve sempre acontecer com sinais se seguindo.

Temos muita pregação no mundo – tanta pregação no mundo – e tão poucos sinais se seguindo. A razão é que nós tentamos pregar, ou tentamos ensinar sem estar certos de que o Senhor está trabalhando conosco. Para um de nós se levantar para falar sobre o Caminho Infinito, ou ensiná-lo, ou pregá-lo sem sinais se seguirem, seria uma evidência definitiva de que não temos o Senhor conosco. Em outras palavras, que nós não meditamos até o ponto da realização. Isto por si deveria ser um guia para cada estudante do Caminho Infinito – agora e pelas próximas 1000 gerações – que antes de pregar a palavra do Caminho Infinito ou ensiná-la, estejam certos de que houve suficiente meditação para atingir o ponto de realização, para que saibam que o Senhor está trabalhando comigo e que sinais se seguirão.

Para algumas pessoas que têm uma facilidade natural para a leitura e a memorização, sendo capazes de repetir, não é muito difícil ensinar e pregar uma mensagem metafísica ou espiritual. Mas a dificuldade está em se ter os sinais se seguindo. Pode ser um mistério para o resto do mundo como vocês conseguem ter o Senhor trabalhando com vocês. E, de fato, esse é o mistério. Há muito poucos ensinamentos na face do globo que lhes diz como um ser humano não iluminado se torna um ser humano iluminado. Ou como o "Eu de mim mesmo não posso fazer nada" pode se tornar o pregador com sinais se seguindo.

Está claro desde o início desta mensagem do Caminho Infinito que nós resolvemos esse enigma do universo – e a resposta é, meditem até o Espírito do Senhor Deus vir sobre vocês – meditem até que realmente sintam esta presença divina e possam testemunhar pelos seus frutos que o Senhor está trabalhando com vocês. Em outras palavras, não é verdade, como muitos ensinamentos clamam, que um longo período de tempo é necessário, ou que sacrifício e ascetismo são necessários, ou que se sente numa determinada posição, ou se jejue, ou que se frequente escolas. Esta não é a resposta. A resposta é muito simples – meditem até saberem que a sua meditação resultou num contato com a presença e o poder transcendental, que já existe dentro de vocês.

Na verdade, mesmo a meditação não é tão difícil como parece a muitas pessoas. Se, quando vocês se sentam para meditar, vocês percebem que não estão indo a Deus por alguma coisa, ou seja, não estão esperando influenciar Deus a fazer alguma coisa – vocês não estarão esperando Deus descer do céu e escolher vocês para lhes fazer algum favor, é então que a meditação acontece. Em outras palavras, quando vocês aprenderem a libertar Deus, na realização de que "Deus É". Vocês não podem questionar isso. Vocês não estariam nesse estudo se questionassem isso, porque vocês precisam, antes de tudo, ter um sentimento interior de que "Deus É" – uma convicção que não precisa de provas. Se vocês precisam de provas ou de algum poder racional, vocês podem desistir da busca e levar uma boa vida humana da forma que forem capazes, porque vocês não alcançarão sua visão espiritual.

Não há meios de provar a ninguém que Deus existe. E não há indícios de que conseguirão provar isso. As Escrituras são claras ao dizer que se vocês ressuscitarem alguém dentre os mortos, isso não os convencerá, e temos testemunhado isso. Temos testemunhado isso muitas vezes, não importa quantas provas se forneça para alguém, cure alguém ou isso ou aquilo – traga-lhes um maior suprimento, felicidade no lar – isso não os convence porque no nível espiritual de vida não há nada que possa acontecer humanamente a vocês que os convença de uma causa espiritual.

Tudo o que possa acontecer a vocês como resultado de seus estudos espirituais, aconteceu a algumas pessoas sem esses estudos. Pessoas se tornaram milionárias sem se tornarem espirituais. Pessoas tiveram boa saúde sem se tornarem espirituais. Pessoas tiveram relações humanas felizes sem se tornarem espirituais. Portanto, apenas porque uma boa circunstância humana acontece a vocês, isso não deverá servir de prova de que Deus existe.

Deus não pode ser provado. Deus pode ser experienciado. E então pode acontecer uma convicção interior de que "Deus É". Mas isso não é baseado num processo racional, num processo mental ou em nenhuma prova que possa ser oferecida. A pessoa que acredita em Deus por causa de alguma prova, tem um fraco alicerce para sua fé. Ela sustenta a terra sobre nada. E se vocês realmente acreditam em Deus, tem que ser sem ser por razão alguma. Nenhuma razão para o universo externo. Deve ser uma convicção interior, sem nenhuma necessidade de prova exterior. Mesmo o fato que apenas Deus pode fazer uma árvore deve ser necessário. Na verdade, isso não é uma prova para todas as pessoas. Muitas pessoas testemunham todas as árvores que nós fazemos, e ainda assim continuam ateias. Por outro lado, os assim chamados cientistas ateus da Rússia estão se convencendo de que existe uma causa espiritual por trás de toda fundação material. Em outras palavras, isso não é baseado em nenhuma prova que tenham tido, mas uma convicção que veio do coração – uma convicção que veio da alma. Assim é.

Se houver alguém que queira uma prova do Caminho Infinito, poderá tê-la. Mas isso não provará nada a ninguém e será um fraco alicerce para a sua fé. Porque da próxima vez que queiram alguma prova e ela não vier, essas pessoas não terão nada em que se apoiar. No reino espiritual nós operamos numa base inteiramente diferente da do mundo material. O espírito é uma dimensão da vida ou da consciência. Seus valores são diferentes – suas maneiras, seus significados – suas atividades diferem das dos planos material ou mental. E, de uma coisa vocês podem ter certeza, no nível espiritual de consciência não existe tal coisa como uma prova. Existe apenas uma convicção interior. Enquanto antes eu estava cego, agora eu vejo. Eu não sei se esse homem me curou ou se essa cura me curou – a única coisa que eu sei é que, enquanto antes eu estava cego, agora eu vejo. Portanto, eu sei que existe alguma coisa – não por causa das evidências, mas apenas porque eu estava cego e agora vejo. Porque minhas faculdades espirituais interiores estavam obscurecidas e agora estão abertas, e eu vejo, eu sinto e eu tenho convicção.

A todo momento – e eu dou a vocês o Capítulo 16 de Marcos, verso 20 – faça dele uma espécie de senha: "Eles, pois, saindo, pregaram por toda parte, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam".

Então vocês percebem que não têm o direito de viver nenhum dia sem que o Senhor viva com vocês. Porque o dia não será tão bem sucedido de vocês o fizerem. Não devemos tomar para nós nenhuma tarefa, a não ser que tenhamos a convicção de que o Senhor está trabalhando comigo, porque do contrário nós podemos apenas esperar pelo sucesso, e então, se o tivermos, ele não será realmente nada de que possamos nos gabar, porque será algo que poderá ser revertido.

Façam disso uma parte de nossa experiência, que uma das funções de toda a mensagem do Caminho Infinito, é nos levar a um estado de consciência onde nós não tomamos para nós qualquer tarefa – onde nós não vivemos, e certamente não pregamos ou ensinamos antes que em nossa meditação tenhamos recebido o sinal interior "vá em frente", que diz que o Senhor está trabalhando conosco.

E então nós teremos certeza de que o Senhor está trabalhando conosco apenas pelos sinais que se seguirem. Porque o Senhor está trabalhando conosco, vocês podem estar seguros que enquanto antes eles estavam cegos, agora verão. Enquanto antes estavam doentes, agora estarão bem. Enquanto antes eram pobres, agora serão ricos. E onde antes estavam infelizes, agora serão felizes. Onde antes não estavam confortados, agora serão confortados. Em outras palavras, em cada avenida da vida, haverão sinais que se seguirão

Isso nos traz a um outro marco do Caminho Infinito. E um que, como o primeiro, esse também vai permitir que avaliem a si mesmos para ver se estão falhando ou se continuam no eixo. Esse ponto requer uma prática ativa de sua parte, enquanto eu lhes falo. Vocês terão que me seguir não apenas me ouvindo, mas realmente me seguindo num ato de consciência. Colocarei da seguinte forma:

A graça de Deus funciona apenas no agora imediato. Eu quero que vocês agora me sigam com sua própria consciência: "A graça de Deus funciona apenas no agora imediato. A graça de Deus funciona apenas no agora imediato."

Agora, enquanto pondero essa declaração. Agora enquanto estou sentado aqui escutando. Agora, enquanto estou num estado de receptividade, a graça de Deus está funcionando através de mim – nesse universo e através desse universo. A graça de Deus está funcionando na consciência da humanidade em todos os lugares da Terra, mas apenas agora.

Agora, enquanto eu estou nesse estado de receptividade, estou consciente que agora, agora existe uma força-vital permeando essas árvores e flores. Exatamente agora, existe uma força-vital permeando cada árvore e cada planta lá fora. Exatamente agora, existe uma força-vital permeando o oceano e os peixes sob as ondas.

Exatamente agora, neste exato agora em que vocês estão conscientemente receptivos – exatamente agora a graça de Deus está desenvolvendo uma seiva nas raízes no que aparecerá como amanhã ou na próxima semana ou no próximo mês, aparecerá externamente como botões e brotos e depois, finalmente como flores e frutos.

Entretanto, nada vai acontecer na próxima semana, ou no próximo mês, exceto pela graça de Deus que está funcionando neste universo nesse segundo. Portanto, lembrem-se de que os côcos que aparecerão na próxima semana estarão aparecendo por causa da graça que está funcionando no coqueiro neste momento. Se não há qualquer graça funcionando neste momento, então não haverá côcos na próxima semana. Se não houvesse a graça funcionando lá fora no mar, não haveria o movimento das marés ao longo dos dias, semanas, meses e anos.

Na medida em vocês estão conscientemente atentos, na medida em que seguem as minhas palavras, que uma graça – a Presença de Deus, um poder de Deus funcionando em toda a natureza, em toda a consciência humana – vocês percebem que não podem fazer Deus operar ontem? Perceberam o quão impossível seria voltar no tempo e fazer Deus operar ontem? Poderiam vocês impedir Deus de operar nesse instante? Poderiam vocês retornar a ontem e fazer alguma coisa? Poderia Deus retornar a ontem e começar a se manifestar? Claro que não.

Existe apenas o agora no reino espiritual. Existe apenas o momento presente. E existe apenas esse momento contínuo. É por causa deste momento contínuo que tudo o que acontece no futuro irá acontecer – por causa desse momento contínuo.

Poderiam vocês – observem isso atentamente – poderiam vocês ter Deus operando amanhã, agora, hoje? Poderiam vocês nesse momento ter Deus fazendo alguma coisa amanhã? Claro que não. Vocês não podem ter Deus fora deste rasgo de segundo. Vocês não podem mover Deus para frente e para trás. O que quer que seja para ser feito, Deus o está fazendo agora.

Vocês percebem, então, que cada momento em que vivem no passado vocês estão vivendo sem Deus? Vocês estão vivendo uma vida sem Deus cada momento que desperdiçam vivendo no passado, porque não há nada que Deus possa fazer a respeito dele, porque Deus não está lá. Deus está aqui e agora. O lugar onde estou é solo sagrado, agora.

Se houver alguma coisa para acontecer em minha vida no que chamamos futuro, isso tem que ser como uma continuidade da presença do agora – Deus – o Deus do agora. Eu não posso ter Deus operando amanhã. A manifestação de Deus amanhã é dependente da operação de Deus agora, porque Deus está operando apenas nesse rasgo de segundo e em cada rasgo de segundo em continuidade, Deus está operando. É por isso que nem mesmo Deus não toma um botão de rosa e uma hora depois o transforma numa rosa, porque Deus opera agora – e portanto, estarmos na manifestação do agora se desdobra de acordo com a natureza de nosso ser.

Mas, nós não poderíamos fazer isso sem Deus e não podemos ter Deus fazendo isso ontem, e não podemos ter Deus fazendo isso amanhã. O amanhã de Deus é apenas a continuidade do agora de Deus. Agora, nesse rasgo de segundo Deus é Deus, e Deus é um Deus eterno, porque Deus opera eternamente no agora, mas não no passado nem no futuro. Portanto, se vocês estão vivendo no futuro, vocês estão vivendo uma vida sem Deus, como se estivessem vivendo no passado. Tudo deve ser baseado no agora.

 

4 comentários:

Anônimo disse...

Eu estou falhando!!!!!

Anônimo disse...

E se eu não sou uma pessoa caridosa mas entendo a importância de se doar, se eu abro espaço na minha vida para fazer algo pelo próximo mas tendo como objetivo atingir o crescimento espiritual??Ou seja , não é uma atitude natural, mas uma consciência da obrigação!!!!!

Gugu disse...

Isso é muito relativo.

Não é certo nem errado agir com o objetivo de atingir o crescimento espiritual. Algumas pessoas começam assim, elas apresentam a boa intenção de conseguirem agir desinteressadamente e, com o tempo, ela vai se aprofundando no exercício da doação e se desprendendo de interesses egoístas - arte mesmo o de conseguir crescimento espiritual.

Há também aquelas pessoas que não precisam passar por isso, elas já começam a partir de um nível maior de desprendimento do ego.

Se a pessoa não consegue agir honesta e sinceramente, ela pode começar um treino para um dia suas ações se tornarem espontâneas e naturais.

Grato pelo comentário.

Namastê!

Anônimo disse...

Então serei a do primeiro exemplo, pois tinha dúvida se seria uma atitude exclusivamente egoísta!! Obrigada mais uma vez! Namastê!!