"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

segunda-feira, fevereiro 08, 2016

Conferência: A Unidade Essencial entre Deus e o Homem

NÚCLEO
TEMPLO DOS ILUMINADOS 
CONVIDAM VOCÊ PARA:


CONFERÊNCIA: A UNIDADE ESSENCIAL ENTRE DEUS E O HOMEM

Existem características da divindade em nós, que nos proporcionam conexão com o Sagrado, Paz, Alegria, Bem-Aventurança e Realização plena. E o que é que nos conduz à conscientização dessas características no homem? As características do divino estão na Consciência humana. E as características do homem estão na mente humana. Venha descobrir até que ponto o conhecimento humano atual revela a unidade existente entre Deus e o homem.

Programação:

- Palestra: "Por que o homem honesto mendiga o pão?", com Flávio José;
- Palestra: "Virtudes Humanas e Virtudes Divinas - Como Alcançar" com Dr. Luiz Alberto Mortari;
- Palestra: "A Realidade Suprema e a Representação Divina", com Silvano Benedito;
- Palestra: "Percepção mental vs. Percepção consciencial", com Gustavo Rocha.

* Participação especial do músico Caê Oliveira.

Local: Brasília/DF - Centro de Convenções Ulysses Guimarães - auditório Águas Claras
Data: 20/02/2016
Convite: R$ 25,00 
Informações: (61) 9981-0170 / (61) 9914-9686

*Vagas limitadas





Do que fugimos mais do que o silêncio?


- Adyashanti -
- Núcleo - 


Do que fugimos mais do que do silêncio? Muitos de nós preferiríamos nos agarrar a nossas ideias, nossas crenças e nossas opiniões - as próprias coisas que nos afastam da verdade, da realidade e da vida - do que enfrentar este silêncio.

Nós gastamos tanta energia fugindo do silêncio, mas o silêncio é o solo a partir do qual o despertar nasce. É o solo a partir do qual nós saímos deste estado egoico de consciência, desta crença na separação. Afinal de contas, a separação é, em última análise, apenas uma crença. É uma história criada em nossas mentes.

Na vida da maioria dos seres humanos, tudo é sobre uma fuga da verdade. A verdade que nós estamos evitando é a verdade do vazio. Nós não queremos ver que nós somos nada.  Nós não queremos ver que tudo o que acreditamos é errado.  Nós não queremos ver que tudo o que todos acreditam é errado.  Nós não queremos ver que o nosso ponto de vista é errado e que não existe nenhum ponto de vista certo.  Nós não queremos ver que tudo o que pensamos sobre Deus é o que Deus não é.  Nós não queremos ver o que o Buda quis dizer quando disse que não existe eu.

Nós preferimos inserir rapidamente uma declaração positiva. Então, ao invés de ver que não existe "eu" e que tudo o que a mente considera verdadeiro é fundamentalmente vazio, as nossas mentes rapidamente inserem algo positivo como: "Eu sou consciência" ou "Tudo é felicidade" ou "Deus é amor." Nós não queremos ver que há um vazio aberto no centro da nossa existência. (Adyashanti)


*Comentário (Núcleo):

Personificações da Bem Aventurança!

Que esplêndido compartilhar! Permitam-me comentar algo. Aquele que na Representação Divina aparece como o divino personagem Adyashanti revelou que tudo o que nossa mente considera verdadeiro é fundamentalmente vazio. 

De fato, o pensamento: Eu Sou "..." (Eu sou alguma coisa), é um pensamento, não uma percepção. O pensamento nos faz imergir na Representação Divina! E ela assumirá a feição do que acreditarmos que ela é... E nós mesmos assumirem os como verdadeiro o que pensarmos que somos... O "realismo" do que pensamos sobre a Representação e possa crença sobre nós mesmos "está em nós". 

Da visão do personagem não vemos que o que nossa mente considera verdadeiro é fundamentalmente vazio. Por isso Quem Somos surge na Representação Divina como alguém que nos revela Quem Somos... Então surge um Jesus e diz: "Vós sois a Luz do mundo". Surge um Masaharu Taniguchi e diz: "O Homem é Filho de Deus". Surge um Joel Goldsmith e diz: "Aprenda a ouvir o que diz a "pequena voz silenciosa"... 

Isso tudo tem sido compartilhado pra que percebamos que o que pensamos não é uma percepção! O que nossa mente pensa cria um mundo. Esse mundo é semelhante a um filme. É realístico para quem se vê dentro do filme. Mas não estamos no filme. É o que revela a voz da  Consciência em nós. 

Por isso disse Jesus: "Eu não sou deste mundo, vós também não sois". Assim podemos estar no mundo com a Consciência de que não somos do mundo! Somos seres Divinos vivendo na Realidade Divina! Estamos representando papéis de seres humanos numa Representação Divina! E com essa percepção podemos tornar essa Representação Divina uma perfeita expressão da Realidade Divina. 

Esse é o trabalho do Portador da Luz, ou como disse Aquele que aparece na Representação Divina como o Dr. Luiz Mortari, esse é o trabalho do Embaixador de Cristo, ou ainda como disse Aquele que na Representação Divina aparece como Masaharu Taniguchi: essa é a missão do Filho de Deus! 

E com essa percepção essa missão é fantástica, porque em nosso caminho começam a se multiplicar os seres Divinos e conscientes de Quem todos somos! Olhe para cada um e desfrute a percepção de que você está diante do Filho de Deus! 

Finalizo esse comentário compartilhando aqui a percepção de Simão Pedro que disse: "Vós sois o Cristo, o Filho de Deus vivo!"

Namastê!


sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Percepções conscienciais essenciais

- Núcleo -


Jesus compartilhou duas “percepções conscienciais” essenciais: A primeira: “O reino de Deus está dentro de vós”; e a segunda: “Eu Sou a porta”. É preciso notar que estando o “reino de Deus” dentro de nós, a “porta” que dá acesso a este reino também está!

Ao compartilhar estas percepções, Jesus não estava fazendo uma apologia de si mesmo, mas sim, revelando a realidade de que há em nós tanto o “reino” quanto a “porta”; assim sendo, há em nós tanto a “realidade divina” quanto a “percepção” desta realidade.

Esta percepção compartilhada por Jesus, esta percepção crística é a percepção consciencial, que é uma percepção unitária, pela qual tudo se revela como sendo o Ser Único. Enquanto a mente cinde a realidade e concebe a realidade aparente, a Consciência concebe a realidade única, na qual apenas o próprio Ser é Real.

Para expressar a realidade unitária, fruto da percepção unitária, Jesus usa expressões como: “Eu e o Pai somos Um” e ora assim: “Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam Um, como nós o somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na Unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, com também amaste a mim.”

Com esta percepção unitária ele revela que é o Ser Real dizendo: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”, e revela que este “Eu” é também a Porta, e diz: “Ninguém vai ao Pai senão por Mim”, “Eu sou a Porta”.

É preciso notar que ao compartilhar as percepções conscienciais sobre sua real identidade, Jesus não se refere ao “personagem” o qual “está sendo”, mas está se referindo ao Ser, a Quem É. Assim, quando Jesus revela: “Eu sou o pão que desce do céu”, é mal interpretado pela percepção das mentes daqueles que dizem: “Não é este Jesus, o filho de José? Acaso, não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: 'Desci do céu?'" [Jo 6. 41-42]

Outra revelação de Jesus causa ainda maior mal interpretação e confusão às mentes dos personagens e evidencia que percepções conscienciais só podem ser discernidas pela própria consciência, ou seja, só podem ser discernidas consciencialmente. [Na Bíblia é dito que as coisas espirituais só se discernem espiritualmente.]

A revelação de Jesus que causou escândalo entre os discípulos foi esta: “Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a Vida em vós mesmos. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a Vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia. Pois, a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele. Assim como o Pai, que Vive, me enviou, e igualmente Eu vivo pelo Pai, também quem de mim se alimenta por mim viverá. Este é o pão que desceu do céu, em nada semelhante àquele que vossos pais comeram e, contudo, morreram; quem comer este pão viverá eternamente.” [Jo 6:53-58] Estas coisas disse Jesus quando estava na sinagoga da Cafarnaum. [Jo 6:59]

A fim de evitar a mal interpretação às mentes dos personagens é que está sendo compartilhada uma percepção atemporal, de que há algo em nós capaz de discernir a realidade de Quem Somos. Esta percepção atemporal está sendo compartilhada pelo Núcleo através de muitos personagens que estão se despertando para o fato de que Deus é realmente onipresente e que Vive EM nós!

Na “superfície do Oceano” ele Se manifesta como incontáveis ondas, porém, permanece sendo Oceano. Da mesma forma, na “visão superficial” [que corresponde à visão mental] o Ser Real se manifesta como “personas” [máscaras que velam o divino]. Contudo, nas profundezas de Si mesmo o Oceano Se contempla como o infinito. Essa percepção aprofundada de Quem Somos é a percepção da Consciência, chamada “percepção consciencial”.

A palavra Núcleo é uma referência direta à palavra “âmago”, "fonte", "essência". Assim, se quer entender profundamente a sua própria religião é preciso “ir ao núcleo”, ir ao "âmago" ou "essência" de sua própria religião e transcender a visão superficial e conceitos mentais a fim de poder e perceber a profundidade da “mensagem divina” revelada por Deus, que aparece como o Mestre de sua religião.



quarta-feira, fevereiro 03, 2016

"HOMEM – DESEJOS = DEUS"

- Núcleo - 


Divinos personagens! 

Atribuem a Jesus a seguinte frase: "Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida...". Sob o enfoque da mente essa é uma declaração de Jesus a seu próprio respeito. Mas, sob o enfoque da Consciência essa é uma "percepção" compartilhada por Aquele que apareceu como Jesus sobre o Eu Sou, ou seja, sobre a Sua real identidade, que é a real identidade humana. Assim, o sentido consciencial, ou unitário, desta percepção compartilhada por Jesus é este: Quem Eu Sou é a própria Verdade, a própria Vida e o próprio Caminho!

Sai Baba revelou a seguinte fórmula: Homem – desejos = Deus.

Aplicando a fórmula na frase: Eu quero Paz, temos a seguinte revelação: Eu – desejos (quero) = Paz.

Eu quero Amor. Temos: Eu – desejos (quero)  = Amor.

Eu quero a Verdade. Temos: Eu – desejos (quero) = Verdade.

E assim por diante...

A mente ignora que já tem, que já é..., e então deseja. Quando a mente é aquietada naturalmente surge a percepção. Por isso na Bíblia foi compartilhada a percepção: "Aquieta-te e saiba (perceba): Eu Sou."

Quando os desejos humanos são suprimidos desvela-se o Ser.

Mas há um supremo e único desejo manifestado por todos os avatares, profetas e Iluminados, por todos os personagens despertos... Esse é o desejo de tornar a todos seres livres de desejos humanos...

Esse desejo supremo e sagrado é a Vontade Divina. É o que Deus quer para nós. Por isso Jesus orou assim: "Pai, a minha vontade é que estejam comigo todos os que me deste..."

Na Bíblia essa deve ser a única vontade declarada de Jesus. Em todas as outras ocasiões ele declarou: "Seja feita a tua Vontade."

Ao orar "Estejam comigo" Jesus quer significar estar Em mim, estar em unidade Comigo. Por isso ele mesmo completa sua oração assim: "Eu neles e Tu em Mim para que sejam perfeitos em Unidade".

Assim seja!

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

A Renúncia


  - Ramana Maharshi - 


Quando perguntado sobre como um chefe de família se encaixa no esquema da Libertação, Bhagavan disse: 

Por que você pensa que é um chefe de família? Se você se tornar um asceta (sannyãsi), um pensamento similar de que você é um asceta vai assombrá-lo. Quer você continue como chefe de família ou renuncie a tal condição e vá para a floresta, sua mente vai junto com você. O ego é a fonte de todo o pensamento. Ele cria o corpo, o mundo e faz você pensar que é um homem do mundo. Se você renunciar ao mundo, o pensamento de que você é um asceta substituirá o de que você é um chefe de família, e o ambiente da floresta substituirá o de casa. Mas os obstáculos mentais ainda estarão lá. Eles inclusive aumentam em novos ambientes. Mudar de ambiente não ajuda em nada. O obstáculo é a mente. Ela deve ser superada, seja em casa ou na floresta. Se você pode fazê-lo na floresta, por que não em casa? Então para que mudar de ambiente? Seus esforços podem ser feitos agora mesmo, qualquer que seja o ambiente em que se encontre. O ambiente jamais muda conforme o seu desejo.

Se objetos tivessem uma existência independente, isto é, se existissem em algum lugar qualquer separado de você, então seria possível afastar-se deles. Mas eles não existem separados de você; eles devem sua existência a você, a seus pensamentos. Portanto, onde você poderia ir para escapar deles?

Para onde você pode ir para fugir do mundo e de seus objetos? Eles são como a sombra de um homem, da qual ele não pode fugir. Há uma história engraçada de um homem que queria enterrar a própria sombra. Ele cavou um buraco fundo e, vendo sua sombra lá embaixo, alegrou-se de poder enterrá-la nas profundezas. Começou a encher o buraco, e quando estava completamente cheio, ficou surpreso e desapontado ao ver a sombra em cima novamente. Da mesma forma, os objetos e os pensamentos sobre eles estarão sempre com você, até que você realize o Ser. (...)

(...) Por que os seus deveres ou ocupações na vida deveriam atrapalhar o seu esforço espiritual? Por exemplo, há uma diferença entre suas atividades em casa e no trabalho. No trabalho você está desapegado: você apenas cumpre o seu dever e não se importa com o que vai acontecer, não está preocupado com o ganho ou a perda do seu chefe ou empregador. Os seus deveres com a família, por outro lado, são desempenhados com apego: você está sempre preocupado se as suas ações vão trazer benefício a você e sua família. Mas é possível desempenhar todas as atividades da vida com desapego e ver apenas o Ser como real. É errado pensar que se você permanecer fixado interiormente no Eu Real as obrigações da vida não serão bem desempenhadas. 

É como um ator no palco: vestido do personagem, ele age como tal e até sente que é parte da peça, mas na verdade sabe que na vida real não é o personagem, mas outra pessoa. Da mesma maneira, por que deveria a consciência do corpo ou o sentimento 'eu-sou-o-corpo' lhe perturbar, uma vez que você saiba que na verdade você não é o corpo mas sim o Eu Real? Nada que o corpo faça deve afastá-lo da permanência como Eu Real. Permanecer fixado no Eu Real não irá interferir com o desempenho adequado e efetivo de quaisquer deveres que o corpo tenha, assim como o fato de o ator saber a sua verdadeira identidade não interfere no personagem que ele representa no palco.

A renúncia está sempre na mente, não em ir para a floresta ou locais solitários, ou em desistir de nossas obrigações. O importante é que a mente não se volte para fora, mas para dentro. Não compete ao homem decidir ir para este ou aquele lugar, abandonar ou não as suas obrigações. Tudo isso acontece de acordo com o destino. 

Todas as atividades que o corpo deve vivenciar foram determinadas no momento em que ele veio à existência. Não cabe a você aceitá-las ou rejeitá-las. A única liberdade que você tem é voltar-se para dentro e aí renunciar às atividades. Ninguém pode dizer por que essa é a única liberdade deixada ao homem. Assim é o plano Divino. (...)"


(Do livro "Vida e Ensinamentos de Sri Ramana Maharshi" pp. 72/73)


sábado, janeiro 30, 2016

Nossa vida neste mundo é um espelho!

- Osho -


Tudo o que você conhece no mundo exterior é apenas um reflexo ou uma projeção. Se você está repleto de amor, a vida toda parece estar repleta de amor. Se você está sentado ao lado da pessoa que ama, então toda a existência está em ordem. Nada está errado, não há aflição alguma. Toda a existência é preenchida por uma profunda música porque você está preenchido por uma profunda música. Não há em você nenhuma desarmonia; seu coração sente uma profunda harmonia. Você está de tal modo unido à pessoa amada, que essa unicidade se espalha por tudo.

Se você está em profunda agonia – sofrendo, triste, deprimido – a existência inteira parece estar deprimida. É você, não a existência. A existência permanece a mesma, mas os estados de sua mente mudam. Num determinado estado, a existência parece estar em festa; em outro, ela parece estar triste. Ela não está; a existência é sempre a mesma. Mas você está sempre mudando e sua mente sempre sendo projetada. A existência atua como um espelho. Você se reflete nele.

Se você pensar que tudo aquilo que interpretou é o fato e não apenas uma projeção, mergulhará em ilusões cada vez mais profundas. Mas se puder entender que não se trata de um fato mas de uma ficção da mente – que tudo depende de você e não da própria existência – então você pode mudar. Pode passar por uma mutação, uma revolução interior por acontecer, porque agora depende de você.

O mundo pode ser um caos se você for um caos. O mundo pode ser um cosmo se você for um cosmo. O mundo pode estar morto se você estiver morto interiormente; o mundo pode estar vivo, abundantemente vivo, se você estiver vivo interiormente. Depende de você. Você é o mundo. Apenas você existe realmente, nada mais. Tudo o mais é apenas um espelho.

Você vive numa casa de espelhos. Quando olha para o rosto da sua esposa, não é o verdadeiro rosto dela que você vê. É uma projeção. É o seu próprio rosto refletido no rosto da sua esposa. Quando você olha para uma flor, não é para essa flor que está olhando. Você está olhando para a sua própria flor mental projetada sobre a flor real.

Por toda a parte, você se move com seus próprios espelhos, suas próprias imagens. E então, naturalmente, você fica entediado, farto de tudo isso, e diz: “A vida é uma miséria.” Você diz: “Parece que a vida não tem nenhum sentido.” Você diz: “seria melhor me suicidar. Parece que a vida não tem nenhum propósito. Não estou indo a lugar algum, fico apenas dando voltas num círculo. Isso não leva a nada. Todo dia é a mesma coisa, a mesma repetição.”

Mas não é por causa da existência; é por causa de você. Jogue fora esses espelhos, quebre esses espelhos. Saia do seu palácio, saia da sua prisão e olhe para o mundo, não através de pensamentos, não através de seus estados de espírito. Olhe para o mundo com o olho nu, ouça-o com o ouvido nu. Não permita que nenhum estado mental se coloque entre você e o mundo.

É a isso que eu chamo de meditação: olhar para o mundo sem a mente. Então tudo é novo, fresco. Tudo está vivo, eternamente vivo; tudo é divino. Mas, para chegar a esse ponto, você precisará realizar um profundo contato, uma profunda penetração em seu próprio coração; porque ali o sumo da vida espera por você. Pode chamá-lo de “elixir”. Ele espera por você.

Na base de sua natureza você encontrará fé, esperança e amor. Aquele que escolhe o mal recusa-se a olhar para dentro de si próprio, tapa seus ouvidos à melodia do coração, como se vendasse os olhos à luz de sua alma. Assim age, porque acha mais fácil viver nos desejos. Mas, debaixo de toda a vida, está a fonte corrente que não pode ser detida; as poderosas águas, na realidade, estão ali. Encontre-as…

Se você puder sentir sua música interior; sua verdade interior, sua fé interior, seu amor inteiro, sua esperança interior, começará a reconhecê-los ao seu redor. Todo o universo mudará a seus olhos porque você mudou. E tudo o que sentir em seu interior, será agora sentido ao seu redor.

O mundo permanece o mesmo; mas quando você muda, tudo muda. De acordo com você, seu universo torna-se diferente. Se você está enraizado no divino, toda a existência está enraizada no divino. Se você está enraizado na maldade, toda a existência é um inferno. Depende de você. Ela é você, ampliado.


sexta-feira, janeiro 22, 2016

Como orar efetivamente

- Sri AmmaBhagavan -


1 - Chame a Presença
Invoque a Presença do Divino antes de iniciar a oração. Uma forte conexão acontece quando você invoca a Presença cantando o Moola Mantra.Você pode cantar o Moola Mantra 3, 21, 49, 108 ou 51 vezes para a cura física e convidar a Presença para enchê-lo ou assumi-lo completamente. E solicitar ao Divino para cumprir sua oração, mesmo se houver falhas em sua oração ou possíveis erros em seu sistema de crenças.

2 - Ligação Emocional
A primeira e mais importante coisa em uma oração é o vínculo pessoal ou relação que você estabelece com Deus. Considere o Divino como o seu filho, seu pai, sua mãe, seu amigo, ou seu mestre. Bhagavan normalmente diz que ele e Amma são mais felizes se a relação que você escolhe é a de um amigo. Mas, em seguida, olhe para si mesmo e saiba que você, também, é um verdadeiro amigo que responde ao pedido de seus amigos. A resposta da vontade divina é semelhante à sua resposta ao pedido de seus amigos.

3 - Renúncia e Desamparo
A oração deve ser sempre motivada por um sentimento de entrega e desamparo. Se você sentir que você pode gerenciar até mesmo sem a Graça Divina, que você está apenas tentando mais uma forma, então, esta não é a forma de uma oração genuína. Renda-se à Vontade Divina se mostrando preparado para aceitar qualquer que seja o resultado. Se coloque, absolutamente impotente. Seja qual for o esforço que você coloque, se coloque apenas como um instrumento do Divino e não por sua própria vontade.

4 - Ore a partir do coração, não à partir da cabeça
A oração deve vir do coração, não da cabeça. É o sentimento que é importante, não o pensamento. Quando o sentimento é intenso ele cria ondas de uma freqüência mais alta que se conectam com a Energia Cósmica facilmente e fazem com que a realização seja possível facilmente. A paixão que você sente, pois Deus é mais e mais significativo pelo aumento da intensidade emocional.

5 - Clareza e Integralidade
Seu pedido deve ser claro e completo em todos os aspectos. É como uma espécie de comunicação com a Energia Cósmica, e a maneira como você se comunica é muito importante. Se você se comunicar diferente ou de forma incompleta, a resposta também pode ser o que você não espera. Assim, antes de você orar, considere todos os aspectos de sua solicitação e a torne perfeita.

6 - Fale internamente
Como já mencionado, a oração é uma comunicação. Você tem que falar internamente com Deus. Você pode dizer em voz alta também. Mas é melhor falar internamente, sem se distrair com os outros. O envolvimento aumenta à medida que você vai falando com Deus, e chegará um momento em que você deve sentir que Deus está em toda parte, como uma Presença inseparável.

7 - Faça um pedido de cada vez
Você deve ver que deve pedir apenas uma coisa de cada vez. É muito semelhante a cozinhar um prato delicioso. Você não deve misturar duas receitas ao mesmo tempo. Porque onde nós pretendemos chegar não vai ser a um dos dois ou mais pedidos, mas a uma terceira opção distorcida de ambos. Daí termos este princípio de: "um de cada vez".

8 - Visualização
Como você ora a Deus. Visualize o resultado esperado de sua oração, isto é, o que você deseja alcançar com grandes detalhes. Isso significa que você deve se visualizar em um estado de ter a sua oração realizada, e depois desfrutar disto com felicidade e alegria. Aceite que a situação mudou porque você tem sido abençoado.

9 - Ore com fé, completamente
Tal aceitação vem da fé plena em Deus. Você sabe que é muito importante ter fé, sem a qual nada pode acontecer. Tenha a plena confiança na eficácia da oração e da benevolência do Divino.

10 - Desfrute da sensação da Graça
Aprecie a bênção e o fluxo da Graça em você. E solicite o Divino para cumprir sua oração, mesmo se houver falhas em sua oração ou possíveis erros em seu sistema de crenças.

11 - Dê Graças ao Divino pela bênção recebida
Naturalmente, você deve ser preenchido com imensa gratidão pelo Divino. Expresse-se livremente e sinceramente ao Divino a partir da profundidade de seu coração. Prostre-se aos pés do Divino em profunda gratidão e entrega.


quarta-feira, janeiro 20, 2016

De onde vêm os pensamentos?

- Sri Bhagavan -


QUESTÃO: Bhagavan, o tipo de pensamentos que eu tenho, o tipo de sentimento que eu sinto, todos eles são projetados por Deus? Deus está colocando esses pensamentos dentro de mim? Deus está colocando o desejo em mim? Deus está colocando a violência dentro de mim?

SRI BHAGAVAN: "Todos os pensamentos em tese vem da esfera do pensamento, que eu chamo de "pensamentosfera". A esfera do pensamento é tão antiga quanto o homem e cada pensamento tem estado aí sendo recordado alguma vez neste planeta, e eles ainda estão aí. Esses pensamentos estão fluindo dentro e fora da você. Estes pensamentos estão fluindo dentro de você, e há pensamentos que estão fluindo para fora de você dependendo do seu estado de saúde, ou do lugar que você estiver hospedado, as pessoas ao seu redor e muitos outros fatores.

É como sintonizar um canal de televisão. Há tantos canais que você poderia ir lá e sintonizar qualquer canal. Se você sintonizar um canal chamado "obtendo pensamentos negativos", você estará recebendo estes pensamentos negativos. Se você sintonizar um canal chamado "obtendo pensamentos violentos", você vai ter esses pensamentos. 

Depois de conseguir este insight de que "vocês não são os seus pensamentos, e os pensamentos não são seus", então você vai achar estranho conseguir sintonizar um canal de radiodifusão que é silencioso e você irá receber este silêncio. Caso contrário você ficará com a origem destes pensamentos e eles são tão antigos quanto o homem. Eles não são os vossos pensamentos. 

Algumas pessoas poderiam ter sentido medo a 10.000 anos atrás como se estivessem sido perseguidos por um tigre. É esse pensamento agora que você irá sentir. Não seria o medo do tigre, mas seria o medo da cotação do mercado de ações. Este mesmo medo entra em você assim. Quando você perceber que seus pensamentos não são os seus pensamentos, você poderá realmente ver como eles estão vindo, como eles estão fluindo através de você e então você se torna muito desindentificado. E, dessa maneira, você poderia crescer e ficar livre dessas coisas.

E como você pode aprender a crescer? Quando falamos de aprendizagem e crescimento na Oneness, estamos nos referindo ao mundo interior. Quando você fica olhando para o que está acontecendo dentro, você se torna livre de condicionamento e você se torna livre de pontos de vista. Este "tornar-se livre de condicionamentos e pontos de vista" é o que chamamos de aprendizagem e quando este tipo de aprendizado acontece, há um enorme crescimento.

Quando você continuar a testemunhar, lentamente você começa a se desidentificar de seus pensamentos, de sua mente, de seu corpo, e até de você mesmo. Quando você começar a crescer mais em desidentificação, você também crescerá em ser uma testemunha. Em última análise, você se torna pura testemunha. Nesse ponto você estará completamente cheio de amor incondicional e alegria."