"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

domingo, agosto 11, 2013

Vivifique o presente!

 
 - Núcleo -

 
Vivifique o presente!

Isto significa: vivifique o agora, conscientize-se do presente!
 
No âmago do ser humano vive o Ser Real, o “Eu Verdadeiro”, que está encoberto pela visão da mente de nossos personagens, ou seja, está encoberto por nossas “personas”, que são “máscaras” que velam o Ser, que encobrem o Ser Real.
 
Já foi dito que a palavra “presente” tem um duplo significado: O de momento presente e o de aquilo ou aquele que é presente. Aquele que é presente é o Ser Real, o Eu Verdadeiro.
 
O que cria, o que gera a persona [a máscara que encobre o Eu Verdadeiro] são os pensamentos. Através dos pensamentos nos identificamos apenas como sendo seres individuais, separados de Deus. Mesmo o pensamento de que “somos um com Deus” não nos leva a percepção de Quem Somos. O “acreditar” [que é forma de perceber mentalmente] que somos um com Deus não nos conscientiza de nossa natureza divina. Por isso Jesus disse enfaticamente que: “Quem não comer da minha carne e quem não beber do meu sangue não terá a Vida eterna.” O que Jesus revelou ao dizer “comer a Minha carne e beber o Meu sangue” foi que devemos nos conscientizar da Sua natureza divina e nos fundirmos nela, tornando-se também a nossa. Em outras palavras, que devemos nos elevar da crença [percepção mental] da natureza divina de Jesus para a percepção [percepção consciencial] de Sua essência [Sua carne e Seu sangue] em nós. Fazemos isso vivificando “o presente”, ou seja, vivificando “Aquele que é presente”, o Cristo Eterno. Assim, “vivificar o Presente” significa que devemos vivificar a Vida de Deus EM nós.
 
Como fazer isso, como “vivificar o presente”? Comece onde você está! Perceba que o seu personagem está num certo contexto [é isto o que ele "pensa"; e não apenas pensa, mas também analisa e julga o contexto onde está. E dependendo do julgamento mental você se sentirá feliz ou infeliz]. Seu personagem está num certo contexto mas você vive no Reino de Deus! A percepção de que você vive agora no reino de Deus não é mental; ela não é fruto de “pensamento, análise e julgamento”; e se continuar “pensando”, apenas “terá razão”; você continuará no nível da percepção mental, que se auto-alimenta de conceitos e percepções mentais, de raciocínio, de lógica, enfim, de razões…

Contudo, num nível que transcende os conceitos e o raciocínio está a Vida! A Vida verdadeira não é a vida mental. A Vida verdadeira é a Vida de Deus, é a Verdade que pode e deve ser conhecida, mas não pode ser “pensada”, porque os pensamentos a expressam em conceitos, e a Vida verdadeira é algo real, algo não conceitual.
 
Existe em nós algo que nos possibilita perceber essa “Vida verdadeira” que é a própria Vida! Parece ser paradoxal para a mente que pensa, mas é real. Quando Jesus Cristo revelou que: “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai Pai senão por Mim”, quis dizer que “o Pai” é Deus e que Deus é Vida; e que a Vida de Deus é Quem Sou porque “Eu e o Pai somos Um”.

Ao revelar isso ele estava se referindo ao Cristo eterno que Vive EM nós. Este é nosso "Eu Verdadeiro", Aquele que é “presente” no “reino de Deus”, que está “dentro de nós”.

Portanto, devemos “comer e beber  dessa carne e desse sangue”, ou seja, devemos perceber [nos conscientizar] e desfrutar essa essência divina, que é a Vida de Deus, o Cristo que vive EM nós.

Por fim, aquilo que “aciona essa “conscientização” é o ato de compartilhar. “Não há percepção sem ação”!
 
Enfim, para ativar a percepção que transcende o nível dos pensamentos, comece onde está, pois, a Vida de Deus já está presente em você. Deixe os conceitos mentais de lado e desfrute dessa percepção, ou seja, coma, beba e sacie-se dela. E por fim a compartilhe; compartilhe generosamente.

O ato de compartilhar é que sedimenta em você a percepção do Presente.

Por isso compartilho a percepção; por isso esta mensagem está chegando  a você; por isso Buda compartilhou a iluminação que percebeu e desfrutou; por isso Jesus compartilhou o que “ouviu do Pai”.

Ao compartilhar o que perceberam e desfrutaram, eles “vivificaram Aquele que é Presente” neles, vivificaram Quem São e em o fazendo vivificaram Quem Somos, vivificaram a Vida de Deus, o Cristo que Vive EM nós.

Sim! Vivifique o presente!
 
Namastê.


4 comentários:

SERgio disse...

Que joia !..."comece onde está ,pois a Vida de Deus já está presente em você".
Somente a Vida pode (re)conhecer a Si mesma.
Somente Deus pode dar-se conta de Si mesmo!
Não há caminho para Aquele que Eh, "partindo do personagem". O ponto de partida eh a própria Verdade(dEUs) que Eh a Vida presente em nós, ou como nós!
Ah,Isto!
Sou grato a Eu que aparece como tudo .Claro que inclusive a este personagem ,através do qual fluiu este texto;como ao outro que postou.

Reverências!
Namaste!


Gugu disse...

Sou grato Aquele que aparece como SERgio, e nos proporciona belas reflexões e contemplações diretas da Verdade de Quem sou.

Reverências,
Namastê!

Anônimo disse...

Mas se o que aciona essa conscientização é o ato de compartilhar , como compartilhar aquilo que penso não possuir???

Gugu disse...

Não, não...

O que aciona a conscientização é o ato de perceber. Para acionar a conscientização você precisa aprender a, desde o próprio início, partir da percepção. O que ocorre é que as pessoas partem do pensamento e esperam chegar/elevar ao nível da percepção. Mas o pensamento nunca poderá se transformar em percepção. Quem partir do pensamento, ficará pra sempre no pensamento, até que mude (crie uma interrupção, uma desconexão/descontinuidade) e recomece tudo do zero, já partindo da percepção.

O compartilhar é o que sustenta a percepção, não deixando ela "cair", ou seja, evitando que p personagem retorne aos pensamentos mentais. O compartilhar serve para manter a continuidade (e aprofundamento) da percepção consciencial. Para compartilhar, de fato você precisa primeiro possuí-la.

Grato pelo comentário,

Grande Abraço!