"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sexta-feira, abril 01, 2016

O "Filho do Homem" já está no "Céu"!

- Núcleo - 


Este texto dAquele que “aparece como” Joel Goldsmith é absolutamente “nuclear” e contém a essência da revelação espiritual!

No ensinamento compartilhado no Núcleo esta mesma essência está contida na revelação: “Eu apareço como”.

Aquele que “aparece como” é nosso Verdadeiro “Eu”, nossa real identidade divina.

Podemos perceber este Eu.

Goldsmith revela que: “Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior.” 

A sutileza está no fato de percebermos que é o próprio Eu Quem Se percebe!

O que acaba de ser revelado é a contribuição do ensinamento compartilhado no Núcleo sobre os ensinamentos espirituais! 

O homem quer perceber Deus mas ele não pode fazê-lo! Só Deus Se percebe!

Na linguagem bíblica isso está escrito assim: "Se, falando de assuntos da terra, não me credes, como crereis, se vos falar dos celestiais? Ninguém jamais subiu ao céu, a não ser Aquele que veio do céu, a saber: o Filho do homem que está no céu." [João 3: 12, 13]

“Céu” é a Realidade Suprema.
“Terra” é a Representação Divina, e por isso é bastante realística.  

A real identidade do “Filho do Homem” é que ele é em verdade “Filho de Deus”. 

Essa é a essencial revelação de Masaharu Taniguchi, fundador da Seicho-No-Ie. Como ensina Masaharu Taniguchi, a Terra é uma projeção do Mundo Verdadeiro [Jissô]. Essa projeção ocorre através de uma lente, que é a mente humana. Assim, dependendo da condição da mente, a projeção será distorcida e não refletirá o real!  

Para que a mente esteja limpa temos que perceber que o “Filho do Homem” já está no “Céu”. 

Para exemplificar: Masaharu Taniguchi usa a expressão “Buda fenomênico” e “Buda eterno”. “Buda fenomênico” corresponde a “Filho do Homem” e “Buda eterno” corresponde a “Filho de Deus”. O “Buda fenomênico” aparece na Terra [na Representação] como projeção do “Buda eterno”.

Não é possível ao “Buda fenomênico”, que é uma projeção, saber qual sua real identidade a partir de sua própria percepção. Esse é o ponto! 

Então surge a necessidade de o “Buda eterno” compartilhar Sua percepção de onde está [está no “Céu”].

Assim surgem na Representação os avatares, aqueles que percebem que o “Filho do Homem” é uma projeção do “Filho de Deus”, e que, portanto, o verdadeiro “Filho do Homem” está no Céu.

Na linguagem do Núcleo, que para fins didáticos usa a metáfora de Ator e personagem, é dito que a real identidade do personagem é o Ator. Assim, fica evidente que apenas o Ator percebe Quem ele É. O personagem não percebe que em verdade ele é o próprio Ator representando. 

Assim, ao revelar que: “Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior”, Goldsmith está revelando o mundo exterior é uma Representação Divina que se torna mais agradável à medida em que atingimos a percepção de Deus. O ápice dessa percepção se dá com a percepção de que é Deus Quem Se percebe! Ele Se percebe em tudo. Por isso a essência dos ensinamentos espirituais da humanidade está contida na revelação: “Eu apareço como”.

Por isso a mente [do personagem], a mente do Filho do Homem [mente do Buda Fenomênico], que é a lente através da qual a projeção se dá, deve ser uma transparência para a Consciência [do Ser Real], para a Consciência do Filho de Deus [Consciência do Buda Eterno]. 

A mente do personagem [Filho do Homem] não perceberá que o Filho do Homem está no Céu! Apenas o “Filho de Deus” [a Consciência do Ser] percebe que o “Filho do Homem” está no Céu! 

Então, é preciso tirar o foco da percepção do personagem [tirar o foco da percepção da mente] e focar na percepção do Ator [focar na percepção da Consciência; “a percepção de Deus”].  

Goldsmith está revelando que isto é possível e que: “Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior”

Essa revelação confirma esse ensinamento compartilhado no Núcleo:


“Eu apareço como; às vezes nem eu mesmo percebo, mas se você perceber já é o suficiente.”


Traduzindo:

“Eu [o Ser Real] apareço como [apareço na Representação Divina como alguém ou como algo]; às vezes nem eu mesmo percebo [nem “eu mesmo” referindo-se aqui ao eu do personagem], mas se você perceber [se você mesmo como um personagem perceber que sou Eu aparecendo como tudo] já é o suficiente [é o suficiente porque neste caso já não é o eu do personagem quem está percebendo, mas sim o Eu do Ser Real, que Se percebe como o Todo, como Onipresença]."

Namastê!


Um comentário:

Gustavo disse...

Paramahansa Yogananda disse:

"No estado inicial de samadhi, o yogue [isto é, o que une sua alma ao Espírito mediante a meditação correta] permanece tão absorto no Espírito que esquece o universo material e o criado. No estado inicial de samadhi, o devoto se encontra retraído e absorto no Espírito, mas nos estados superiores e grandiosos, não só percebe o Espírito sem a criação, como também o Espírito manifestado em toda a criação."

Segundo Yogananda, o Espírito está presente e pode ser percebido no âmbito de Sua própria Realidade (Céu). Mas também pode ser percebido no âmbito da criação (Terra).

Isso significa que a Presença Eu "aparece como" no âmbito da Realidade Suprema, mas também "aparece como" no âmbito da Representação. É por isso que é possível à Representação tornar-se uma Representação Divina, isto é, a Representação Divina (Terra) pode refletir o Céu, apesar de ela não ser o Céu. Daí porque é possível a vida aqui na Representação ser vivida como se estivéssemos no paraíso. Enquanto houver a Representação Divina, podemos desfrutá-la como se estivéssemos no Céu. E o que possibilita essa vivência perfeita aqui na Terra é a mente limpa e transparente para a percepção de que "o Filho do Homem já está no Céu". Percepção que já está em nós!

Namastê!