"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

terça-feira, março 29, 2016

DEUS - 2/2


Joel S. Goldsmith


A ONIPRESENÇA, A ONIPOTÊNCIA E A DISPONIBILIDADE ETERNA DE DEUS

O segredo deste princípio com o qual estamos trabalhando - chamado de Princípio de Cristo - é a onipresença, a onipotência e a disponibilidade eterna de Deus. Toda a mensagem do "Caminho Infinito" pode ser resumida nas palavras: a onipresença, a onipotência e a disponibilidade eterna de Deus. Isso é tudo. Uma vez que você atingiu a consciência da presença de Deus, você pode pegar todos os escritos do "Caminho Infinito" e jogá-los fora ou desfazer-se deles. Você não precisará mais deles, porque terá a essência do seu ensinamento: o entendimento da natureza infinita de Deus, Sua onipotência e Sua disponibilidade eterna.

Este sentido da Presença e do poder de Deus é o princípio que você vai querer dar aos seus filhos, que seus pacientes ou alunos vão querer dar aos filhos deles. Deve ser construído dentro da consciência da criança desde a manhã até a noite e desde a noite até a manhã. Nunca se deveria permitir que uma criança fosse dormir sem a lembrança consciente de Deus como onipresente. Aqueles que querem que seus filhos cresçam com um sentido maior de masculinidade e de feminilidade do que as últimas gerações, terão que fazer isto por meios diferentes ao do ensinamento humano ou através de um código de conduta puramente humano. Mas a pessoa que, por uma vez, tenha consciência da presença de Deus, nunca mais terá desculpa para violar qualquer princípio de vida, moral ou ético.

O verdadeiro princípio da vida é este: o que é seu, virá até você. Seu próprio estado de consciência se manifestará como a sua experiência e nenhum homem poderá tirar isso de você. Nenhum homem poderá tomar a sua consciência, da mesma forma que não poderá tomar o seu conhecimento de matemática ou de música.

Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior. Essas coisas e pessoas serão a sua própria consciência aparecendo a você. Ao olhar para a atual situação de seus afazeres, você pode dizer: "Então, eu tenho um estado de consciência muito pobre". Pode ser que seja assim. Neste caso, cabe a você reconhecer isso e mudar. Cabe a você mudar. "Buscai, pois, em primeiro lugar o reino de Deus" (Mateus 6:33) - a percepção consciente de Deus. Busque esta consciência de Deus e faça dela uma percepção sempre crescente. Deus está aqui em Sua infinitude, mas atingimos essa consciência só até certo ponto. Que ponto é este, cabe a nós buscar.

Todo mundo na Terra tem, potencialmente, a mesma consciência que Jesus Cristo. Ela é infinita, está aqui e está nos esperando. A pergunta é: queremos passar horas de devoção, queremos fazer o esforço exigido para nos treinarmos a fim de sermos conscientes da presença de Deus, em vez de buscarmos alguma forma, na qual Deus esteja para aparecer? Aqui está todo o segredo. Cabe a nós! Se pudermos contar totalmente com o Princípio, a Consciência, podemos atingir a consciência do Cristo.

Um homem nunca poderia roubar depois de apreender a consciência de Deus como a sua provisão. Um homem nunca mataria, se apreendesse, uma vez, a consciência de Deus como a vida eterna, como a vida do ser individual. É somente a crença de que alguém tem vida própria que faz com que a pessoa mate, mesmo em legítima defesa. Mesmo o matar em legítima defesa é um reconhecimento de que temos uma vida própria, que está em perigo. Isso não seria possível se a verdade de que Deus é a vida eterna fosse percebida. Você não pode destruir a vida eterna; nenhuma bala ou bomba pode destruí-la. A consciência de que Deus é a realidade do nosso ser dissipa toda condição que leva ao pecado, à doença e à morte. A causa dos problemas do mundo é o sentido de separação de Deus. O antídoto para os problemas do mundo é a percepção consciente de Deus como onipresente, onipotente, onisciente - a realidade do ser.

Quando idolatramos pessoas e personalidades - quer o façamos de um caráter religioso, de um caráter nacional ou internacional - estamos contribuindo com o alicerce de nossa destruição. Só no grau que percebemos Deus como uma presença universal, como uma presença impessoal e imparcial, como a vida de todos, como a mente e a Alma de todos, como a consciência de todo o ser, podemos vencer as condições deste mundo.

Não é o ensinamento de um Deus, e de um Deus onipotente e onipresente, o único ensinamento religioso que pode acabar com as discussões entre igrejas, acabar não só com as guerras religiosas, mas com todas as outras guerras? O antídoto para a guerra é a percepção de Deus como presença e poder individuais, de Deus como nossa experiência individual. Essa percepção traz uma consciência do poder espiritual. Uma vez que, como indivíduos, provarmos que há um poder espiritual que cura nossas doenças, falhas e limitações pessoais, começaremos a ver que há um poder espiritual que pode vencer qualquer mal na sociedade humana.



DEUS SE MANIFESTA ENSINANDO, CURANDO E SALVANDO

A consciência é infinita. A consciência se manifesta como um ser individual (o seu ser o meu ser). Se eu disser a você que a consciência se manifestou como o meu ser individual e como o meu estado de consciência individual, e que esta consciência, através de mim ou como eu, está transmitindo a você esta verdade, você provavelmente concordará. Se você se sentar no seu escritório, ou em casa, e ajudar alguém, você concordará que essa consciência que ocorre como verdade, como poder espiritual, foi aquela que possibilitou a você ajudar o seu paciente, o seu vizinho, o seu amigo ou parente.

Agora, deixe-me avançar um passo e mostrar a você que a Consciência está Se manifestando como um ser individual dentro da minha consciência e da sua. Portanto, a todo instante do dia e da noite, Deus está Se revelando a você, dentro de você, de uma forma individual, em algum sentido individual de pessoa ou poder, como orientação, direção e como um instrumento de cura, assim como um instrumento de amparo e provisão. Em nenhuma hora você está sem aquele que ensina e cura você. Deus está Se manifestando em sua consciência como aquele que ensina e cura. Aonde quer que você vá, com ou sem a companhia de um ser humano, com ou sem um livro, você está levando em sua consciência a manifestação de Deus, de Seu próprio ser como quem ensina, cura, supre, protege e salva.

Quer Ele apareça dentro de você como a ideia de alguma personalidade do passado, do presente ou do futuro; quer Ele apareça a você como um professor ou um ensinamento exteriorizado; quer Ele apareça a você como uma posição ou um investimento, por favor, lembre-se disso: Deus é onipresente em sua consciência como forma individual, como individualidade individual. Em todas as horas e em todos os lugares, Deus está presente dentro de você como o seu professor, como o seu ensinamento, como o seu companheiro, como todas as suas coisas desta existência.

Neste momento, estou pensando mais particularmente em termos de quem ensina e cura, já que o que aparece exteriormente para você como professor ou ensinamento não é isso, de forma alguma. O "professor" ou o "ensinamento" que aparecem para você não são aparições em si mesmos, pois nada são em si mesmos. O "professor" e o "ensinamento" são Deus se manifestando em sua própria consciência como uma ideia divina. Ele sempre está presente em sua consciência esperando o reconhecimento, e Ele sempre estará lá manifestando qualquer forma que seja necessária, até o ponto em que você queira reconhecer a manifestação de Deus como uma ideia divina dentro de você e não tenha medo de que a Ideia divina apareça para você de alguma forma que você não tenha vivenciado até agora.

A consciência nunca morre. A consciência de todo e qualquer indivíduo nunca morre. A consciência individual nunca desaparece da face da Terra. Portanto, essa consciência, que é conhecida como Jesus Cristo, Krishna ou Buda (essa consciência que é conhecida como alguma grande luz ou personalidade religiosa e espiritual), está onipresente dentro de você e pode aparecer a qualquer momento em que você abra a sua consciência. Pode tomar a forma de palavras ou pensamentos. Mas não fique surpreso se ela aparecer como uma pessoa, como a verdadeira imagem e semelhança de algum ser espiritual.

A consciência pode aparecer para você como a forma do que você imagina ser Jesus Cristo ou qualquer grande líder espiritual, mas não será a forma, como era conhecida na Terra. Será a forma deles como Deus fez e será visível na proporção da interpretação que você der a ela. Se você é cristão desde o nascimento, ela pode bem aparecer a você como a forma que você já viu nas imagens ou pinturas do Mestre, Jesus Cristo. Mas se você foi educado com o ensinamento hindu, ela pode se tornar visível a você como Krishna ou Buda. Se você é seguidor do judaísmo, pode aparecer como o que o mundo chama de Moisés.

Qualquer que seja a forma, ela será simplesmente a sua interpretação do Cristo - a consciência do Cristo. Ela pode vir a você como alguém que você nunca conheceu ou sobre quem nunca ouviu falar - algum mestre antigo ou moderno. Por outro lado, pode não vir na forma de uma pessoa; pode vir como idéias, palavras ou frases. Mas, em seu pensamento, não limite as formas de expressão, nem considere qualquer coisa impossível, porque Deus é infinito e Deus tem uma infinita maneira de aparecer. A Bíblia está cheia de referências a Deus como luz, mas também enfatiza o fato de que Deus é a verdade. Portanto, Deus pode aparecer muito bem como uma sensação ou uma frase da verdade, ou como uma sensação de luz. Mas não esqueça que Deus, ou a Verdade, sempre apareceu na Terra como um indivíduo. Deus pode aparecer para nós sob qualquer forma.

Deus é o ser individual infinito: Deus é onipresente como a sua consciência individual. Esta onipresença pode aparecer a você sob qualquer forma que sua consciência possa aceitar. Não limite a forma na qual a verdade, a orientação, a saúde, a cura possam vir a você, porque Deus é infinito em Sua atividade, Deus é infinito na forma e na aparência.

Aceite a verdade que Deus pode aparecer a você individualmente: Deus pode aparecer a você dentro de sua própria consciência; Deus pode aparecer como aquele que ensina, cura, salva; Deus pode aparecer como direção, sabedoria, orientação. Aceite Deus sob qualquer forma na qual Ele possa aparecer em sua consciência quando você está em silêncio. Não tenha medo de qualquer visitação interior. Quanto maior o grau de desenvolvimento que você atingir neste trabalho, maior será a revelação interior de uma natureza individual vinda a você. Você receberá a sua manifestação individual de Deus e Deus aparecerá a você de forma individualizada.

No que me diz respeito, a cura da doença, a cura do pecado e a cura da pobreza são apenas prova de que a mensagem da Onipresença é verdadeira. A cura do corpo não é a principal função deste ensinamento; o propósito deste ensinamento é tornar Deus visível e real para você, individualmente, como uma experiência viva. Deus é uma pessoa e um poder vivos - não "pessoa" em nosso sentido de pessoa -, mas Deus é uma individualidade infinita a ser percebida por cada um de nós.

Podemos viver, mover-nos e ter o nosso ser na consciência de Deus vinte e quatro horas por dia. Este é o propósito deste trabalho. A saúde, a riqueza, a harmonia, a paz e a felicidade sempre acompanham a consciência da presença de Deus.

Abraão chamava Deus de "Amigo". Jesus chamava Deus de "Pai". Ramakrishna chamava Deus de "Mãe Kali"; os quakers chamam Deus de "Pai-Mãe". Em qualquer forma que essas pessoas tenham percebido Deus, elas o sentiram não como um nome, mas como uma experiência real, a que deram o nome de "Pai", de "Amigo", de "Pai-Mãe", ou de "Mãe". Foi uma experiência real que ocorreu na consciência deles, como a descida do Espírito Santo em Pentecostes - uma experiência a que eles deram o nome de "Deus" ou de "Pai-Mãe".

O que fizemos em nossa vida religiosa foi simplesmente dizer os nomes "Pai", "Mãe", "Deus" e "Cristo" - sem ter tido realmente a experiência de Deus em nosso ser interior - o que não tem significado. O propósito e a mensagem do "Caminho Infinito" é fazer de Deus uma realidade viva, a fim de que você, ao fechar seus olhos ou abri-los, tenha sempre a sensação e o sentimento dessa Presença divina orientando, conduzindo, dirigindo e instruindo você.


3 comentários:

Silvano disse...

Este texto dAquele que “aparece como” Joel Goldsmith é absolutamente “nuclear” e contém a essência da revelação espiritual!
No ensinamento compartilhado no Núcleo esta mesma essência está contida na revelação:
“Eu apareço como”.
Aquele que “aparece como” é nosso Verdadeiro “Eu”, nossa real identidade divina.
Podemos perceber este Eu
Goldsmith revela que:
“Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior.”
A sutileza está no fato de percebermos que é o próprio Eu Quem Se percebe!
O que acaba de ser revelado é a contribuição do ensinamento compartilhado no Núcleo sobre os ensinamentos espirituais!
O homem quer perceber Deus mas ele não pode fazê-lo!
Só Deus Se percebe!
Na linguagem bíblica isso está escrito assim:
João 3
12 Se, falando de assuntos da terra, não me credes, como crereis, se vos falar dos celestiais?
13 Ninguém jamais subiu ao céu, a não ser Aquele que veio do céu: o Filho do homem que está no céu.
“Céu” é a Realidade Suprema; “Terra” é a Representação Divina, por isso bastante realística.
A real identidade do “Filho do Homem” é que ele é em verdade “Filho de Deus”.
Essa é a essencial revelação de Masaharu Taniguchi, fundador da Seicho-No-Ie.
Como ensina Masaharu Taniguchi a “Terra” é uma projeção do “Mundo Verdadeiro” [Jissô]. Essa projeção ocorre através de uma lente, que é a mente humana.
Assim, dependendo da condição da mente a “projeção” será distorcida e não refletirá o real!
Para que a mente esteja limpa temos que perceber que o “Filho do Homem” já está no “Céu”.
Para exemplificar Masaharu Taniguchi usa a expressão “Buda fenomênico” e “Buda eterno”.
“Buda fenomênico” corresponde a “Filho do Homem” e “Buda eterno” corresponde a “Filho de Deus”.
O “Buda fenomênico” aparece na Terra [na Representação] como projeção do “Buda eterno”.

Silvano disse...

Não é possível ao “Buda fenomênico”, que é uma projeção, saber qual sua real identidade a partir de sua própria percepção. Esse é o ponto! Então surge a necessidade de o “Buda eterno” compartilhar Sua percepção de onde está [está no “Céu”]. Assim surgem na Representação os avatares, aqueles que percebem que o “Filho do Homem” é uma projeção do “Filho de Deus”, e que, portanto, o verdadeiro “Filho do Homem” está no Céu.
Na linguagem do Núcleo, que para fins didáticos usa a metáfora de Ator e personagem, é dito que a real identidade do personagem é o Ator. Assim, fica evidente que apenas o Ator percebe Quem ele É. O personagem não percebe que em verdade ele é o próprio Ator representando...
Assim, ao revelar que: “Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior” Goldsmith está revelando o mundo exterior é uma Representação Divina que se torna mais agradável à medida em que atingimos a percepção de Deus. O ápice dessa percepção se dá com a percepção de que é Deus Quem Se percebe! Ele Se percebe em tudo. Por isso a essência dos ensinamentos espirituais da humanidade está contida na revelação: “Eu apareço como”.
Por isso a mente [do personagem], a mente do Filho do Homem [mente do Buda Fenomênico], que é a lente através da qual a projeção se dá, deve ser uma transparência para a Consciência [do Ser Real], para a Consciência do Filho de Deus [Consciência do Buda Eterno].
A mente do personagem [Filho do Homem] não perceberá que o Filho do Homem está no Céu!
Apenas o “Filho de Deus” [a Consciência do Ser] percebe que o “Filho do Homem” está no Céu!
Então, é preciso tirar o foco da percepção do personagem [tirar o foco da percepção da mente] e focar na percepção do Ator [focar na percepção da Consciência; “a percepção de Deus”].
Goldsmith está revelando que isto é possível e que: “Quanto maior a percepção de Deus que você atingir, maior o grau de coisas e pessoas agradáveis que aparecerão no seu mundo exterior”.
Essa revelação confirma esse ensinamento compartilhado no Núcleo:
“Eu apareço como; às vezes nem eu mesmo percebo, mas se você perceber é o suficiente.”
Traduzindo...
“Eu [o Ser Real] apareço como [apareço na Representação Divina como alguém ou como algo]; às vezes nem eu mesmo percebo [nem “eu mesmo” referindo-se aqui ao eu do personagem], mas se você perceber {se você mesmo como um personagem perceber que sou Eu aparecendo como tudo} é o suficiente {é o suficiente porque neste caso já não é o eu do personagem quem está percebendo, mas sim o Eu do Ser Real, que Se percebe como o Todo, como Onipresença}.
Namastê

Gustavo disse...

Gratidão, Silvano.

Texto maravilhoso, verdadeiro e profundo!
Muito obrigado por mais este valioso comentário!

Namastê!