"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sexta-feira, abril 29, 2016

A Elevação da Consciência


- Joel S. Goldsmith -


Somente um conhecimento das palavras desta mensagem, não terá valor. O real valor está na realização espiritual, acompanhada de cura. "Pelos frutos os conhecereis". Ser capaz de decorar e falar sobre O Caminho Infinito, sem que se consiga realizar um razoável grau de trabalho de cura, atende a um objetivo muito pequeno. Já há muitos livros escritos e impressos, e, conforme as Escrituras, existe muita conversa sobre a verdade. Os que permanecem neste trabalho devem ser quem tenha demonstrado alguma medida de realização, que não tenha receio, quando solicitados a prestar auxílio, e que possa fazer manifestar as curas.

O mundo não precisa de mais ensinamentos: precisa de mais curas. O nosso ministério continuará sendo um ministério de cura, desde que os seus integrantes assimilem o suficiente da verdade que promove a cura. Algum dia, as pessoas poderão ler livros de O Caminho Infinito, fazer pregações ou falar deles, e, ao serem interrogadas sobre a cura, responder: "Ah, aquilo ocorria quando o Joel Goldsmith estava aqui!" Isto é o que quero evitar. Desejo que cada um desenvolva uma visão espiritual que lhe permita prosseguir e fazer o mesmo.

Já há tanta leitura espiritual em sua Bíblia, que nenhuma palavra minha seria necessária. O Evangelho de João é o bastante. Nenhum outro livro é necessário. Se puder assimilar a visão espiritual ali contida, não irá precisar de nenhum livro de metafísica. É o texto mais espiritual do conhecimento humano. A verdade nele revelada é o suficiente para todos os ministérios de cura que possam surgir frente às necessidades humanas. Porém, os artigos modernos, por virem numa linguagem de nossos dias, ajudam a esclarecer aqueles textos antigos. Por esse motivo, nosso estudo e prática são facilitados pela utilização de interpretações mais recentes.

Quando cito somente aqueles que se tornam ativos neste trabalho, aqueles desejosos de serem chamados para curar, estou querendo dizer que nossa intenção é sermos realizadores, e não simplesmente uma geração de pregadores a mais. Ninguém deve empurrar o trabalho de cura para outro colega. Cada um precisa aceitar a responsabilidade pela cura. O trabalho de cura não é reservado a praticistas. A cura é para toda e qualquer pessoa realizar: "Fareis as obras que faço, e as fareis maiores do que estas". Todo aquele que se devotar a este ensinamento, receberá uma resposta espiritual de seu interior. E logo descobrirá que o desenvolvimento do trabalho de cura se dará em escala maior quando ele, ao ser chamado, rapidamente disser: "Sim!", sem que pare a fim de pensar. Por quê? É que isto será um indicativo de sua compreensão de que não é o ser humano, ou o entendimento humano, quem cura, e sim o "Eu", a identidade espiritual, que pode curar e irá fazê-lo.

No instante em que você disser não ter lido ou estudado o bastante para curar, estará assumindo ou alegando que a cura é feita por um ser humano. Naturalmente, como ser humano, você é incapaz de curar, mesmo que, de memória, soubesse recitar todos os livros de cura já escritos. Mas, se a sua ajuda for solicitada, e você rapidamente responder com: "Certamente!", esta atitude já será o seu reconhecimento de que a ilusão é nada, e que você não tem de curá-la.

Qual é todo o segredo do trabalho de cura? Possuir um poder sobre a ilusão? Ou seria saber que a doença não é um poder? Este não é um ensinamento que nos diz sermos capazes de dominar o pecado, a doença e a morte por meio de algum milagre que nos é concedido. É um ensinamento que não reconhece realidade alguma em pecado, doença e morte. Estes são ilusões que nos vêm enganando por termos acreditado serem reais.

Permitimo-nos ficar atemorizados frente à morte causada por micróbios, infecção e contágio, apesar de nossos mais de setenta anos de metafísica, que nos provaram não haver nenhuma verdade ou poder em tais coisas. Nossos praticistas vão a casas em que estes males estão presentes, e raramente, muito raramente, eles são curados.

Nosso ensinamento não possui um método secreto de combate ao "grande poder" chamado "ilusão". Antes, possui uma compreensão de que aquilo é puro nada! O grau dessa nossa compreensão é que irá determinar o grau de nosso temor à doença. Quando alguém solicitar a sua ajuda, não tema em dizer: "Certamente! Irei ajudá-lo!". A única compreensão requerida para tal resposta é a compreensão da irrealidade daquilo que se mostra como pecado, doença, morte, escassez ou limitação.


CONVERTA-SE, E VIVA

Estamos modificando todo o nosso conceito sobre o objetivo de nosso estudo e de nossa vida na verdade. Não estamos empregando nossa compreensão da verdade para mudar o quadro humano à nossa ideia de como achamos que ele deveria ser. Não estamos olhando para alguém para decidir se ele deveria ser mais saudável, mais rico, ou se deveria estar ou não empregado. Quando um problema nos é trazido, nosso método ou forma de trabalhar não é tentar demonstrar algo segundo aquilo que o paciente julga que devêssemos fazer, o que, aliás, aconteceria, às vezes, de somente lhe acarretar sofrimentos e arrependimento.

Nós não julgamos pelas aparências. "Julgamos segundo a reta justiça". Assim, se olhamos o mundo humano e vemos nele preparativos para a guerra, não faz parte de nosso trabalho ficar orando para que guerra alguma aconteça. "Aquilo que o homem semear, isto também colherá". As escrituras orientais dão a isto o nome de lei do carma. Significa que as suas ações de hoje, isto é, sua conduta e seu modo de pensar de hoje, resultarão em certo estado de fatos do amanhã. Em filosofia, isso é chamado de causa e efeito. Nas antigas escrituras hebraicas, era dito do seguinte modo: "Antes tenho visto que os que praticam a iniqüidade, e semeiam dores, estas é que segam".

Pense agora num local repleto de pessoas, que se reunem e se consagram à verdade, ao amor e à paz. E então, se puder, tente imaginar um conflito -- uma guerra -- entre elas. Seria possível ao ódio, à inveja, ao medo, progredir onde as pessoas estivessem reunidas em "Meu nome"? Não, não seria. Existiria muito mais amor, muito mais do Cristo, muito mais paz no coração, Alma e consciência de tais pessoas, o que tornaria o conflito algo impossível e inimaginável.

Invertamos o quadro: suponhamos que a discussão prosseguisse, e uma pessoa quisesse o trabalho da outra, alguém mais desejasse o dinheiro do outro, e uma terceira pretendesse ocupar a posição social de alguém. Se eu fosse uma testemunha daquilo, diga-me: que tipo de prece deveria fazer para livrá-los de tal insensatez? Haveria alguma prece que pudesse ser feita? É isto o que vem ocorrendo nos assuntos do mundo. "Aquilo que o homem semear, isso também colherá".

Mas existe um modo de escaparmos desta lei "como você semear", e este modo é o seguinte: "Convertei-vos a mim de todo o vosso coração". Esta maneira está em reedificar; prevê uma mudança de consciência. Não faz diferença alguma que tipo de pecador você esteve sendo há um mês, ou de quais tipos de pecados de omissão ou de comissão você seja culpado, desde que você tenha abandonado tudo aquilo e esteja, agora, deixando que somente a paz, o amor e a divina Consciência permaneçam ativos. Seu passado foi abandonado, e não há nenhuma conseqüência dele. "Converta-se, e viva" (Ezequiel 33; 11).

Analogamente, se todas as nações dissessem: "Temos feito as coisas erradamente; devemos parar com toda trapaça e passar às ações justas, decentes e honestas"; assim, todos os pecados do passado se dissipariam. As pessoas venceriam todos os pecados de que fossem culpadas. Derrotariam o antigo padrão, e suas vidas seriam vividas em conformidade com as mudanças do coração. Iriam, então, receber o efeito de uma nova causa que estariam pondo em ação, a qual estaria reformulada, enquanto a antiga ficaria verdadeiramente eliminada.

Assim, o nosso trabalho não consiste em permanecermos sentados, em prece, desejando a não vinda da guerra. Em primeiro lugar, preces desse tipo se baseiam na crença de que os acontecimentos do universo humano são reais, o que não é verdade. Tanto faz a aparência ser de guerra ou de paz, ela é uma ilusão. O mesmo ocorre ao vermos um ser humano com o corpo saudável, enquanto um outro se apresenta com o corpo doentio. Em ambos os casos, trata-se de uma ilusão.


O TRATAMENTO É UM AUTOTRATAMENTO

Nosso objetivo é nos tornarmos um com a lei de Deus, não reconhecendo nem mesmo um corpo físico saudável, mas somente um corpo puramente espiritual. Anteriormente, se uma pessoa nos ligasse, dizendo: "Eu estou com dor de cabeça", ou "Eu estou doente", nós nos sentávamos imediatamente para realizar algum trabalho para corrigir aquilo; mas agora, nesta nova consciência que estamos operando, em absoluto agimos daquela forma. Simplesmente permanecemos sentados, sentindo conscientemente a presença de Deus, comungando com o Infinito, e deixando a harmonia espiritual se manifestar.

Como se pode observar, neste novo e moderno método de tratamento, o curador resolve o caso de seu paciente dando a si mesmo o tratamento.

O curador diz: "Espere um pouco! Que tipo de sugestão é esta que me chega, de uma egoidade apartada de Deus, de um ser humano com dor, em pecado ou com doença? Não posso aceitar isso! Não permitirei que minha mente seja manipulada por tal crença! Conheço a verdade de que Deus é a realidade, a substância e a lei de todo o ser". O curador dá a si mesmo esse tratamento, até que se sinta capaz de dizer: "Estou convencido!" Ele não toca nem atinge o pensamento do paciente. Mas, graças à unidade, o paciente sente o tratamento. Ele sente a verdade fluindo por ele, a mesma verdade presente na consciência do curador. Ele sente a Verdade em Si, tocando a sua consciência, e responde a ela.

Quando eu o vejo com meus olhos, não estarei, de fato, vendo você; estarei vendo o meu conceito sobre você, e o conceito universal sobre você; estou vendo um conceito sobre você, ou um senso finito. Tentar consertar o que vejo, seria como tirar uma foto sua e esparramar um pouco de tinta aqui e ali. Aquilo somente poderia melhorar a foto, mas nunca iria tocá-lo nem modificá-lo.

De nada adiantaria ficarmos falando a respeito deste conceito referente a você, pois, ele nada tem a ver com você, que é invisível à mente humana. Você está oculto atrás de seus olhos, e ninguém consegue vê-lo. A única coisa sobre você, e que pode ser vista, é o conceito construído pelo mundo a seu respeito, e este não é você. Você é consciência espiritual e jamais foi visto. Você não pode ser visto nem tocado. Você é pura consciência.

Entretanto, você pode ser discernido em momentos de iluminação espiritual, naquele santuário que é o "templo de Deus", que Eu Sou. Nele, fico face a face com Deus, e posso conhecê-lo como você é. E disto resulta a cura, uma cura através do discernimento espiritual, mas nunca através dos cinco sentidos físicos.

Não há função em declararmos: "Não existe guerra, depressão ou acidente", numa tentativa de afastar estes males, ou ficar na vã esperança de eliminá-los. Nosso esforço está no sentido de atingir uma unidade consciente com Deus, e deixar que esta realização nos conduza através de toda guerra, depressão ou acidente que possam aparecer no mundo da ilusão. No ponto em que nos tornamos "um com Deus", em que ficamos em sintonia com este Poder infinito, torna-se possível, à totalidade dessa presença e poder de Deus, Se estender sobre uma comunidade ou nação, e eliminar algumas das condições errôneas.


"CONCILIA-TE COM TEU ADVERSÁRIO"

Não permita, contudo, que seu pensamento saia numa tentativa de curar o mundo. Isto seria apenas tentar mudar o quadro de um sonho, pois, a guerra, a depressão e os acidentes não são realidades. Não empregue sua mente, seu pensamento ou seus poderes espirituais para tentar corrigir uma ilusão. Torne-se um com Deus; e então, permaneça neste patamar da consciência. Faça isso quantas vezes puder, durante o dia, e quantas vezes puder, durante a noite. Consiga a percepção da presença de Deus. Logo a ilusão se dissipará. Deixe esta compreensão revelar a natureza ilusória daquilo que aparece como guerra, depressão ou acidente. Pare de olhar a ilusão para tentar acabar mentalmente com a sua "existência"! Absorva o significado de "Concilia-te com teu adversário"(Mateus;5; 25)Conciliar-se com seu adversário significa não lutar nem tentar mudar o quadro mortal. Significa assimilar, imediatamente, que ele não é realidade. Isto é a sua conciliação.

Jesus não negou a crucificação e nem afirmou audivelmente: "Eu não temo Pilatos". Ele não reteve a ilusão da crucificação nem tampouco "afirmou a liberdade". Deixou de lado a crucificação e a liberdade, e declarou ser Deus o único poder atuante na consciência do homem, até mesmo na de Pilatos. "Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado" (João 19; 11).

Jesus não pediu a Deus para "protegê-lo" do poder de Pilatos. Concordou que Pilatos tinha poder, mas, que era o poder de Deus dado a ele. Você pode ver a diferença? Temos, aqui, um novo e mais elevado conceito de tratamento e de vida. Jesus não negou que Judas fosse traí-lo. Ele provou, na verdade, que a traição não era um poder ou uma realidade. Ele não negou falta e limitação quando, para alimentar cinco mil pessoas, dispunha somente de alguns pães e peixes. Ergueu sua consciência acima daquele cenário e reconheceu a presença de Deus, a presença da Totalidade, e Ela alimentou a multidão. Jesus olhou para o alto e agradeceu ao Pai, pois, aquilo significava a presença de Deus. Como Deus é ser infinito, ele agradecia a Deus pela infinidade de pães e de peixes.

Nunca use a sua compreensão voltada para mudar, alterar, corrigir, melhorar ou curar o cenário humano. Conscientize a totalidade de Deus e dê testemunho desta Totalidade Se manifestando como plenitude. Como conscientizar esta Totalidade? No momento em que você elevar o seu pensamento a Deus, você o terá elevado à Infinidade. Não existe tal coisa como limitação, uma vez que tenha erguido o seu pensamento à Consciência que é Deus. Tampouco existirá a matéria, o pecado, a doença ou a discórdia. Somente à medida de sua capacidade de olhar e contemplar a face de Deus, é que você verá que é tudo emanado de Deus é bem: vida eterna, Espírito imortal, realidade divina, paz, alegria, poder e domínio.


A MENSAGEM DA VERDADE

Embora as declarações da verdade não sejam de tão grande valia, torna-se importante, porém, que haja um correto conhecimento da letra da verdade. Tudo que é preciso ser sabido, em termos da mensagem da verdade, e que é também necessário, para que você utilize no tratamento, pode se resumir nos parágrafos seguintes:

1. DEUS: Nós sempre iniciamos com Deus. Qual é a natureza e a característica de Deus? Deus é infinita inteligência. Deus é vida, e a vida é imortal e eterna. Deus é Espírito, incorpóreo, e portanto o universo todo é incorpóreo e espiritual, formado da divina substância do ser. Deus é princípio ou lei; portanto, tudo que existe no mundo está sujeito à lei divina e sob o governo da lei divina. Deus é a vida do indivíduo, a mente e a Alma do indivíduo, o princípio ou lei do indivíduo, e Deus é a substância do indivíduo. Deus é inclusive a substância do corpo do indivíduo, uma vez que "o corpo é o templo do Deus Vivo" (I Cor. 3;16).

2. A NATUREZA DO SER INDIVIDUAL: Tudo que Deus é, o ser individual é, seja eu, você, ou qualquer outro indivíduo. Tudo que Deus possui, eu possuo. "Filho, todas as minhas coisas são tuas" (Lucas 15; 31). Você não é um pedacinho de Deus: toda a inteligência de Deus é a sua inteligência individual; toda a vida eterna e imortal de Deus é seu ser e vida eterna e imortal. Todo o Espírito e substância de Deus é a substância espiritual de seu corpo, seu negócio e seu lar. Tudo que Deus é, você é. Tudo que Deus tem, você tem. Como "eu e o Pai somos um", e não dois, este "um" inclui Deus e eu -- Deus e você. Tudo se acha incluso neste "um". E, nessa "unidade", tudo que Deus é -- tudo que Deus tem -- está manifestado neste "um", que eu sou e que você é.

3. A NATUREZA DA ILUSÃO: A ilusão não passa de uma sugestão universal vinda ao seu pensamento. É a crença do mundo numa egoidade apartada de Deus. É uma sugestão mesmérica, uma sugestão tão freqüentemente repetida, que age hipnoticamente em sua consciência, fazendo com que creia existir alguém ou alguma condição apartada de Deus. Isso é tudo sobre a ilusão, mesmo que apareça na forma de pecado, doença, morte, ou de pessoa. Tudo que constitui a ilusão é uma crença mesmérica, poderosa, universal, impelindo a si mesma -- impondo a si mesma -- sobre a sua consciência. Se ela conseguir que sua consciência diga: "Estou passando mal", ela ganha o dia e você se mostrará doente. Se, em vez disso, você instantaneamente reconhecer: "Nenhuma destas sugestões pode atingir-me. Não aceito nenhuma delas em minha consciência como poder; portanto, eu não tenho de expulsá-las", você terá dado um "tratamento".

Se você incluir estes três fatores em seu tratamento -- a) a natureza de Deus, b) a natureza do ser individual como Deus manifestado , e c) a natureza da ilusão como sugestão -- isto será tudo a fazer com qualquer discórdia que lhe possa aparecer. Estes três pontos constituem o todo da mensagem da verdade, embora ela possa ser estabelecida de várias maneiras diferentes. Mas, é tudo que você tem a incluir em seu tratamento.

Se apenas a mensagem correta da verdade fosse todo o necessário para curar o mundo, poderíamos dispensar todos os livros e escritos de natureza metafísica, pois, nos poucos parágrafos anteriores, estabelecemos breve e completamente toda a verdade do ser, não sendo necessário mais nada a esse respeito. Porém, uma coisa mais é necessária! E esta coisa a mais é a sua convicção da verdade -- não a sua declaração, mas a sua convicção dela, sua resposta interior a ela, sua consciência real dela.


VIVER A VERDADE

Como você poderá ter a consciência de que Deus é amor, estando em dissenção ou com ódio de alguém? Você não poderá ter desarmonias familiares e, ao mesmo tempo, ter uma consciência de cura, pois isso seria demonstrar na própria vida que você não acredita que Deus é amor ou que você é o amor expresso. Do mesmo modo, você não poderá crer que Deus é o suprimento infinito, enquanto permanecer desonesto em seus negócios. Se sua vida não estiver em harmonia com as declarações que você faz, não espere delas qualquer resultado espiritual. Você não poderá dizer: "Deus é verdade, e toda a verdade que Deus é, eu sou", e viver uma vida de desonestidade. O seu pensamento de que Deus é a verdade não fará com que se torne assim. Somente quando você estiver convencido de que Deus é seu suprimento, é que Deus realmente se tornará a atividade onipotente de sua renda e de sua segurança. Não mais agiremos na maldade nem na desonestidade a partir do momento em que assimilarmos a idéia de que Deus é amor e que "tudo que Deus é, eu sou".

Precisamos obter a consciência destas declarações. Lembre-se do que lhe tenho dito: "Não empregue em demasia a palavra Deus, até que saiba realmente do que está falando". Às vezes, a maneira com que as palavras Deus e Cristo são empregadas, é profana. Uma delas seria quando ouvimos certas pessoas blasfemarem, pois, de uma consciência como a delas, poderíamos talvez esperar um pouco mais. Muitos que saem falando sobre Deus, ou Cristo, nunca O viram ou sentiram, e não sabem do que estão falando. Certamente, eles não O vivem. É um pecado apresentar a sua consciência como a veste do Cristo, e não vivê-la. De fato, tal pecado destrói o seu poder de cura.

Certifiquemo-nos de que não estamos usando a Verdade, mas que estamos vivendo a Verdade. Jesus não tinha que dar um tratamento. As pessoas vinham à sua consciência, tocavam sua Veste, e eram curadas. Por quê? Não havia hostilidade no estado de consciência que Jesus possuía, embora houvesse, algumas vezes, indignação com relação às pessoas que se diziam espirituais, mas que viviam uma mentira.

Sua consciência será uma consciência curadora quando houver concordância entre o fato de que Deus é amor, que o amor é seu próprio ser, e que Deus é a verdade, e a verdade da natureza de vida que você está vivendo.

Convença-se de sua identidade como vida eterna, e a doença e morte desaparecerão em seu próprio nada. Evite os esforços para modificar o quadro exterior. Faça melhor, dirigindo seus esforços no sentido de realizar a verdade, o amor e a vida como sendo a natureza própria do seu ser.


4 comentários:

Lilian disse...

Gratidão 💙!!

Gustavo disse...

Gratidão pela presença, Lilian! _/\_

Anônimo disse...

VIVER A VERDADE
Concordo com tudo que foi dito anteriormente a este subtítulo. A partir daí, acho
que o texto foge do aspecto Conscencial e entra na esfera de normas e condutas, regras humanas, pois Cristo diz: não julgarás, pois com a mesma medida serás "julgado". Honesto ou não honesto, harmônico ou não, são aspectos vistos pelo olho humano. Em Deus somos e nos movemos, O Espirito Divino anima tudo, inclusive os ditos "não bons". Obrigado, por poder externar minha opinião.

Gustavo disse...

Olá Anônimo,

Obrigado pelo seu comentário. Opiniões aqui são sempre bem-vindas, por favor sinta-se a vontade para escrever sempre que quiser.

E, com todo respeito a sua opinião, permita-me deixar registrado aqui o meu entendimento acerca das palavras que Goldsmith diz no título VIVER A VERDADE.

Quando estamos firmados na Verdade, nossos pensamentos, palavras e ações ficam completamente alinhados. No tópico VIVER A VERDADE Goldsmith diz: "Não mais agiremos na maldade nem na desonestidade a partir do momento em que assimilarmos a idéia de que Deus é amor e que "tudo que Deus é, eu sou".

Sempre que o homem se torna realizado em Deus, ele vive o amor e o bem. A Verdade dissipa ilusões como "raiva, inveja, ciúme, egoísmo". Essas qualidades negativas existem no campo da dualidade, mas são transcendidas quando se adentra na unicidade de Deus. Por isso, entendo que a "ação reta e justa" (que se originam do Eu verdadeiro) são muito mais condizentes com a Verdade do que aquelas que se originam do "falso eu" (Ego).

Goldsmith diz que a verdade ensinada no Caminho Infinito não pode ser vivenciada pelo homem possuidor de intenções mesquinhas ou egoístas, pois tais características o distanciam da Realidade/Verdade que Deus é. Goldsmith diz:

"Acima de tudo é preciso lembrar-se de que o mínimo desejo de receber benefício pessoal, a presença do menor traço de egoísmo, são fatores que anulam o processo todo. Não há nada que deva ser obtido, e não podemos trabalhar do ponto de vista que admitisse haver. Deus é o infinito ser que revela, desenvolve, manifesta e expressa a Si próprio infinitamente como sendo eu e você. O único objetivo do tratamento e da prece é dar a conscientização da perfeição que já existe. Na Cristo-consciência não pode haver lugar que abrigue qualquer ódio, inveja, ciúme ou malícia. A consciência que retém algum desses traços não é uma consciência curadora. A consciência de um curador deve ser a consciência de um indivíduo que não acolhe nenhum sentimento de ódio, inveja, ciúme ou malícia. A consciência deve ser uma transparência para Deus, e como Deus opera na consciência do amor, quando qualidades opostas são acolhidas não há uma consciência curadora. Não é fácil perceber que seria pura perda de tempo haver tratamento ou prece sem esta qualidade de perdão? A consciência precisa ser uma transparência para Deus."

O Espírito Divino anima todos, inclusive aqueles que não são bons. Mas eles estão distanciados da verdade. Claro que, a qualquer momento, eles podem voltar-se para ela a fim de poder vivenciá-la. Pois a Verdade inclui a todos, e recebe a todos indistintamente.

Namastê! _/\_