"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

segunda-feira, setembro 14, 2015

A prisão chamada "mente"

 .
Por que há essa falsa identificação (com a mente)? Por causa de uma falha de inteligência, você está tendo a identificação errada que leva a uma sensação de separação. O sentimento de separação é a causa de todos os problemas dentro de ti, tudo é causado pelo sentido de separação que há em você.

Todos os problemas com a família são causados por causa deste sentimento de separação. Todos os problemas do seu país são causados por causa deste sentimento de separação. Todos os problemas surgem no mundo por causa deste sentimento de separação. Se você remover a sensação de separação, então não há problemas no indivíduo, não há problemas na família, não há problemas no país, não há problemas no mundo. Essa é a causa, a raiz de todos os problemas. Assim, para ser livre é preciso ocorrer uma revolução em si mesmo. A única solução para todos os nossos problemas é, em última instância, despertar, pois aí perdemos esse sentimento de separação. Esse é o problema real.

Então você vai se concentrar no fato de que seus pensamentos não são seus pensamentos, sua mente não é sua mente, seu corpo não é seu corpo. Você mesmo é apenas um conceito. Todas as coisas estão acontecendo automaticamente. Elas acontecem automaticamente. O pensar acontece automaticamente. Não é você que está pensando. Não há corpo ali. Não! Simplesmente o pensamento acontece, isso é tudo. Você não tem nada a ver com isso. O pensamento simplesmente acontece. É função do cérebro.

Quando você se torna desperto você vê que o pensamento está apenas acontecendo. Não há pensador. Suponha que você desenhe um círculo, o centro vem automaticamente. O pensamento está acontecendo. Está criando automaticamente uma ilusão de pensador. Não há pensador. Só o pensamento está acontecendo. É tudo automático. 

Ao fazer um discurso... você acha que você está falando. Não! O discurso está acontecendo automaticamente. A ação acontece automaticamente. Assim, todas as coisas estão acontecendo automaticamente. Então é nisso que você tem que se concentrar, em que todas as coisas estão acontecendo automaticamente.

É somente sua a ilusão de que existe um controlador, de que há um pensador. Há um controlador que está controlando todas as ações, que não é um pensador. Não é assim. Está tudo acontecendo automaticamente. Então você vai tentar entender isso intelectualmente.

Você vai refletir sobre isso e você vai meditar sobre isso. Esta é a programação. Isso vai entrar na sua mente. E vai ficar lá como uma compreensão ou como um insight. E então, quando vamos para o processo, em seguida, nós ativamos a Kundalini e nós fazemos os chakras girarem mais rápido. Todos esses ensinamentos se integram e se tornam reais. Quando isso acontece, você vai ser empurrado para fora de sua mente. Você vai ser retirado de sua mente. A mente será desengatada de você, e você vai estar assistindo a sua própria mente, e a mente vai estar funcionando automaticamente.

Neste momento você está vivendo dentro da mente. Todos vocês estão lá. Você está somente existindo, você não está vivendo, porque você está vivendo a vida da mente. Você está na prisão, a prisão chamada mente. Vocês estão todos presos dentro da prisão chamada mente.

E você nem sabe que está em uma prisão porque você é muito inteligente, você é muito bem organizado, todos os equipamentos estão dentro da prisão. Ela é tão bem organizada que nem sequer se sente mal de estar na prisão, a não ser de vez em quando. Todos os equipamentos estão organizados. O que são estes equipamentos? Seu apego a sua esposa, marido ou filhos. O seu apego ao dinheiro, o seu apego à propriedade, o seu apego ao nome e fama, o seu apego à excitação, mais isso e aquilo. Estes são os equipamentos da mente. Tudo isso foi arranjado, é bom. Você deve ser organizado, isso também irá ajudá-lo. Mas, isso é apenas para sua sobrevivência.

Por isso digo que você não está vivendo, você está meramente existindo. Você pode começar a viver, uma vez que você consiga sair da prisão. Agora, esta prisão está trancada por dentro e por fora. O bloqueio que há dentro de você deve ser rompido. Como você vai abrir? Você deve perceber que você está vivendo em uma prisão. Quando você perceber que você está vivendo em uma prisão, você irá gostar de sair dela. Então você vai abrir a fechadura por dentro. O bloqueio do lado de fora você não pode abrir.

A Deeksha vai explodir abrindo a fechadura exterior e, em seguida, você vai sair da prisão. Quando você sair da prisão você vai ver que sua mente está lá, intacta. Todo seu conhecimento está lá, intacto, mas você está fora dela. Ela vai trabalhar automaticamente, e ela vai continuar sendo uma ferramenta muito efetiva em sua vida. O problema é quando você se envolve. Quando você simplesmente tornar-se uma testemunha consciente, a mente estará automaticamente em funcionamento.



4 comentários:

Silvano disse...

Personificações da divindade!
Permitam-me compartilhar algo sobre este texto.
A princípio este parecer ser um texto singelo e despretensioso. Apenas parece! Trata-se em verdade de um texto profundo porque contém em si a mais profunda verdade já revelada ao ser humano. Esta revelação está exatamente no ponto em que diz: “você é um conceito”. Este conceito que é feito de quem estamos sendo é o que no Núcleo chamamos de “personagem”. A principal característica de um “personagem” é o fato de não ser real! E o que dá realismo à visão do personagem sobre si mesmo é a percepção mental, ou seja, é a percepção da mente do próprio personagem quem atesta o “realismo” do mundo do personagem. O fato é que a mente tem a mesma natureza do personagem... Ou seja, a mente também não é real. E muito poucos “personagens” se dão conta disto! Os que se dão conta disto são os que no Núcleo são chamados de “personagens despertos”. Embora em número reduzido no contexto do mundo dos personagens a principal característica destes “personagens despertos” é a total identidade com o Ser Real, que todos somos. Esta identificação com Quem somos não é feita pela “mente do personagem” mas pela “Consciência do Ser”. A principal diferença entre elas é que uma, a mente, é um conceito, um auto-conceito, e a outra, a Consciência, é real. A característica que as diferencia é que a mente percebe de forma dual e a Consciência percebe de forma unitária. É neste ponto em que nem todos os ensinamentos espirituais deixam claro que é impossível à mente do personagem perceber a Unidade. Os personagens que percebem consciencialmente a Unidade sabem que sua real identidade não é a de “quem estão sendo”, ou seja, sabem que não são seres finitos, temporais, sujeitos a nascimentos e mortes, e a um contínuo processo de evolução dos seres. Eles sabem que tudo isso é a própria “Representação”, o próprio “universo dos personagens”, e que isto não é a Realidade de Quem somos ! Aqui está o “núcleo” do texto! Este personagem desperto, que aparece na representação como Sri Bhagavan, está revelando uma vez mais e abertamente a todos que: a mente é uma prisão. Contudo, não se trata de uma prisão real, pois, no momento em que se retira o foco da percepção da mente do personagem que está sendo representado (automaticamente, enfatiza o autor do texto, com o processo também automático de pensar e de acreditar como sendo real aquilo que é pensado) e se foca na percepção da Consciência ocorre a liberação da “prisão mental” e se passa daquilo que o autor do texto chama de mera condição de estar “existindo” para o real “viver”. Este é o momento em que se percebe a Unidade (percepção conciencial) que subjaz à multiplicidade (percepção mental).
Vale lembrar o que disse Aquele que na Representação apareceu como o divino personagem Jesus: “Eu vim para que tenham Vida, e vida em abundância.”
Assim seja (percebido por todos em Unidade), pois, assim já é.
Namastê

Gustavo disse...

Gratidão pelo comentário, Divino Amigo!

Suas palavras foram muito precisas e elucidativas!

Também percebi a frase que você destacou ("você é um conceito") como o ponto-chave, mais essencial e profundo, desta mensagem. Aliás, eu diria que é justamente porque os personagens são "conceitos" que tudo na representação ocorre automaticamente. É por isso que se diz que nada está acontecendo de verdade, as coisas apenas aparentam acontecer. Um conceito não existe de verdade, portanto não há nada para acontecer e ninguém para fazer. Tudo ocorre automaticamente. Mas quando estamos na "prisão" (mente do personagem que percebe a representação como se fosse realidade), aí temos a sensação de que há um fazedor... e nada parece ser automático.

Grato por seu comentário!
Grande Abraço!

SERgio disse...

Belos comentários!
Isso lembra-me Papaji : " Nada nunca existiu".
"Só há a Verdade é Você é Ela"

Gustavo disse...

Grato por esta frase de Papaji, SERgio!
De fato, ela sintetiza tudo o que foi falado.
Grande Abraço!
Namastê!