"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

terça-feira, janeiro 07, 2014

"Assim é o verdadeiro Mestre"

- Núcleo -

Comentário ao vídeo:

Mooji, referindo-se a uma imagem do Mestre do seu Mestre disse: “é a mesma coisa; Jesus Cristo é a mesma coisa; Buda é a mesma coisa; Krishna é a mesma coisa; Vocês são a mesma coisa; Eu também sou a mesma coisa. Mas no mundo da multiplicidade e da diversidade a imagem do meu mestre está acima de tudo para mim. Eu não sei quem é que pode compreender isso. Ele parece estar separado, mas é Um. Ele está dentro do meu coração e eu estou dentro do coração do meu mestre. Do mesmo modo, vocês estão no meu coração. É a mesma coisa. Eu não sei se a lógica é suficiente para compreender estas coisas. Você tem que entendê-las com algo mais profundo que isso…”

Este vídeo é “nuclear” e algumas ponderações do Mooji dão ensejo para discernir percepção mental e percepção consciencial. Ele está expondo o que percebe consciencialmente quando diz: “Jesus Cristo é a mesma coisa; Buda é a mesma coisa; Krishna é a mesma coisa; Vocês são a mesma coisa; Eu também sou a mesma coisa.” Porém, essa “Unidade” não é compreendida mentalmente, porque a mente só percebe de foma dual; essa é uma das características da percepção mental: perceber de forma dual. A mente fragmenta a realidade que percebe em “eu”, como sendo um personagem, e “você”, como sendo outro personagem; e, de forma geral, em “eu”, como sendo um personagem, e “tudo mais”, como sendo tudo mais que está no cenário dos personagens. Ela também fragmenta a realidade em “passado, presente, e futuro”. Por isso, Mooji diz: “Eu não sei quem é que pode compreender isso.” De fato, nenhum personagem pode, pois, a mente percebe de forma dual; a “mente dos personagens” percebe a diversidade e a multiplicidade do universo dos personagens, mas não percebe a “Unidade” do universo do Ser. 

Quando Mooji diz que todos aqueles divinos personagens são a mesma coisa, que “Jesus Cristo é a mesma coisa; Buda é a mesma coisa; Krishna é a mesma coisa; Vocês são a mesma coisa; Eu sou a mesma coisa”, ele está percebendo a “Unidade”, a real identidade de todos aqueles “seres conscienciais”, que são imagens do Ser, do mesmo Ser, do único Ser. Ele está percebendo todos “consciencialmente”. Só assim é possível perceber a “Unidade”. Ao expressar esta percepção unitária ele diz que: “Ele está dentro do meu coração e eu estou dentro do coração do meu mestre. Do mesmo modo, vocês estão no meu coração. É a mesma coisa. Eu não sei se a lógica é suficiente para compreender estas coisas. Você tem que entendê-las com algo mais profundo que isso…”. Sendo a lógica um processo de percepção mental, não é suficiente para compreender a “Unidade do Ser”, que só pode ser percebida, realmente, com “algo mais profundo”. Apenas consciencialmente é possível perceber a “Unidade”. Para isso, é preciso transcender a “mente do personagem”, que percebe a multiplicidade e perceber com a “Consciência do Ser”, que percebe a Unidade. A “transcendência” é uma correta identificação! Quando nos identificamos como sendo “seres humanos”, com passado (o tempo quando nascemos); presente (o tempo da vida atual); e futuro (o tempo quando morreremos), esta identificação é com quem estamos sendo, com quem estamos representando, com o nosso “personagem”, não é com Quem Somos, com o Ser Real. A percepção resultante desta falsa identificação (com o personagem que estamos sendo) é mental. É denominada “avidya”, que significa ignorância de nossa real identidade.

Quando nos identificamos como “seres conscienciais”, seres criados à imagem e semelhança de Deus, seres eternos, sem nascimento e sem morte, que “aparecem” na Consciência do Ser, esta identificação é com Quem Somos, com o Ser Real. É denominada “vidya”, cujo significado é sabedoria, ou seja, o conhecimento supremo de nossa real identidade, e também a real identidade de todos os seres, que então são percebidos como sendo “a mesma coisa”, de mesma natureza e realidade do Ser. É nesta Consciência ou realidade do Ser que estão vivos eternamente os seres conscienciais: “Jesus Cristo, Buda, Krishna, Vocês ou Eu”.

É isto que o Mooji está percebendo, desfrutando e compartilhando, ao dizer que o mestre dele está em seu coração e que ele está no coração do seu mestre, e que todos estão no coração dele! É uma percepção consciencial plena!

A você que agora lê este texto:

Transcenda a visão de “quem está sendo” e perceba “Quem voce É” !
Perceba “Quem” está “aparecendo como” Mooji neste vídeo;
Perceba “Quem” está “aparecendo como” aquele que postou o vídeo;
Perceba “Quem” está “aparecendo como” aquele que comenta o vídeo;
E, por fim, para que a transcendência seja plena, completa e realizadora: Perceba “Quem” está “aparecendo como” aquele que lê este texto!

É possível “acordar do sonho”, de uma existência e cenário humanos e despertar para a realidade de Quem somos, na Consciência do Ser. É neste “solo sagrado” [na Consciência do Ser] onde realmente vivemos, nos movemos e temos nossa exitência. Somos “seres conscienciais”!

Perceba!
Desfrute!
Compartilhe!

Todos estes vídeos são para isso; estes comentários são para isso; este site é para isso. Enfim, o “Núcleo” é isso! É algo “de coração a coração”.

“Aparecemos como” muitos, mas em essência somos todos o Ser Real.

Namastê!


2 comentários:

Celso Maria disse...

O Mooji nos mostra o caminho para casa...
Todos temos esta busca por nós mesmos.
Mas afinal quem pensa nossos pensamentos?
Onde está a presença Real de Deus em nosso Ser?
O Mooji é muito profundo em seus comentários e ao mesmo tempo muito simples, afinal, Deus é a máxima simplicidade, daí a dificuldade em nos encontrarmos.
Sempre tive esta busca! E me foi revelada. Como é simples o nosso Ser...
Por favor, leiam: http://sdrv.ms/GVSUHQ

Muita luz em sua caminhada pela vida, esta incrível aventura!
Sinta sempre a brisa do sopro de Deus em tua face...

Paz!
Nemastê!

Gugu disse...

Olá, Celso...

Na atmosfera das suas palavras, capto uma sinceridade despretenciosa, clima ideal para se falar sobre seu despertar espiritual.

Fico imensamente feliz por você ter tido essa revelação da Verdade, tão procurada por tantos buscadores. Eu gostaria, sinceramente, que o máximo número de pessoas (o mundo inteiro, na verdade) tivessem a graça de receber de Deus a descida dessa Luz à consciência.

Pelo visto, você decidiu escrever um livro expressando e compartilhando suas percepções e experiências com o mundo, e isso é louvável, é admirável alguém agir e se esforçar para transmitir a Verdade aos nossos semelhantes. Na verdade, creio que é inevitável (para aquele que despertou para a Verdade) querer compartilhar com o próximo, pois "Todos os seres são um só".

Em um de seus livros, Masaharu Taniguchi diz que: "o despertar espiritual só é verdadeiro quando ele se estende aos outros".

Agradeço por disponibilizar o seu livro, e pelo convite para lê-lo. Lerei assim que possível esse exemplar de 25 páginas que você divulgou e, se possível, quem sabe, procurarei adquirir o livro integral.

Grato pelas palavras e comentário.

Grande abraço!