"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

quarta-feira, julho 17, 2013

Iluminação pela via do Conhecimento - 3/5

Swami Vivekananda


Essa é a única forma de alcançar a meta: dizer a nós próprios e dizer a todos os demais, que somos divinos. E, conforme repetirmos isso, a força virá.

Embora todos os sistemas concordem em que tivemos o império e o perdemos, dão-nos conselhos vários quanto à forma de o reavermos. Um diz que devemos realizar certas cerimônias, pagar certas somas em dinheiro a certos ídolos, comer certa qualidade de comida, viver de maneira especial, e assim reaveremos o império. Outro diz que devemos chorar e nos prostrar e pedir perdão a certo Ser que está para além da natureza, e assim reaveremos o império. E ainda outro diz que se amarmos aquele Ser com todo o nosso coração, reaveremos o império.

Mas o último e o maior conselho diz que não deveis absolutamente chorar. Não precisais realizar todas essas cerimônias nem tomar conhecimento de como reaver o vosso império porque jamais o perdestes. Por que deveríeis procurar o que jamais perdestes? Sois puros desde já, desde já sois livres. Se pensais que sois livres, livres sereis neste momento, e se pensais que estais aprisionados, aprisionados estareis.

Essa é uma declaração muito atrevida. Pode assustar-vos agora, mas quando pensardes nela e a compreenderdes em vossa própria vida, então sabereis que o que eu digo é verdade. Porque, supondo que a liberdade não é a vossa natureza, não há forma alguma de vos tornardes livres. Supondo que sois livres e que de certa forma perdestes essa liberdade, isso mostra que não éreis livres no começo. Se tivésseis sido livres, o que poderia levar-vos a perder essa liberdade? O independente jamais se pode tornar dependente. Se é realmente dependente, sua independência era uma alucinação.

Dos dois lados, qual escolhereis, então? Se dizeis que a alma era por sua natureza pura e livre, segue-se, naturalmente, que nada no universo poderia torna-la aprisionada ou limitada. Mas se havia algo na natureza que podia aprisionar a alma, segue-se, naturalmente, que ela não era livre, e vossa declaração de que ela era livre não passava de uma ilusão. Assim, se nos é possível alcançar a liberdade, a conclusão é inevitável: a alma é livre por sua natureza. Não pode ser de outra maneira.

Liberdade significa independência de tudo quanto é exterior, e significa que nada fora dela própria pode agir sobre ela como causa. A alma é imotivada, e daí seguem todas as grandes ideias que temos. Não podeis estabelecer a imortalidade da alma a não ser que concedais ser ela livre por sua natureza, ou, em outras palavras, que nada pode agir sobre ela, vindo do exterior. Bebo veneno e morro, assim mostrando que meu corpo pode receber a ação de algo externo que se chama veneno. Mas se é verdade que a alma é livre segue-se, naturalmente, que nada pode afetá-la e ela jamais pode morrer. Liberdade, imortalidade, bem-aventurança, tudo isso depende de estar a alma para além da lei de causação, para além de maya.

Das duas opiniões, qual escolhereis? Ou fazeis da primeira uma ilusão ou fazeis da segunda uma ilusão. Eu farei da segunda, com certeza, uma ilusão. É mais conforme com todos os meus sentimentos e aspirações. Estou perfeitamente consciente de ser livre por natureza, e não admitirei que esta prisão é verdadeira e minha liberdade uma ilusão.

Tal discussão aparece em todas as filosofias, de uma forma ou de outra. Mesmo nas mais modernas filosofias encontramos essa mesma discussão. Há dois partidos. Um diz que não existe alma, que a ideia da alma é uma ilusão causada pela repetida mudança de partículas de matéria, produzindo a combinação que chamais corpo ou cérebro. Que a impressão de liberdade é o resultado das vibrações, movimentos, e contínuas modificações dessas partículas. Há seitas budistas que mantêm o mesmo ponto de vista e ilustram-no com um exemplo: "se tomardes uma tocha e a fizerdes girar rapidamente, haverá um círculo de luz. Esse círculo realmente não existe, porque a tocha está mudando de lugar a cada momento. Não somos senão feixes de pequenas partículas, que em seu rápido rodopiar produzem a ilusão de uma alma permanente." O outro partido declara que na rápida sucessão dos pensamentos a matéria ocorre como ilusão, e não existe, realmente.

Assim, vemos de um lado a declaração de que o espírito é uma ilusão e do outro afirmativa de que a matéria é uma ilusão. Que lado tomaremos? Evidentemente, tomaremos o espírito e negaremos a matéria. Os argumentos são idênticos para ambos os casos; somente do lado do espírito o argumento é um pouco mais forte. Porque ninguém jamais viu o que é a matéria. Só podemos sentir a nós mesmos, jamais conheci um homem que pudesse sentir a matéria saindo de si próprio. Portanto, o argumento é um pouco mais forte do lado do espírito. Em segundo lugar, a teoria do espírito explica o universo, enquanto o materialismo não o faz. Daí ser ilógica a explicação materialista. Se levardes todas as filosofias à fervura e as analisardes, verificareis que elas ficam reduzidas a uma ou outra dessas duas posições. Portanto, também aqui, sob forma mais intrincada, sob forma mais filosófica, encontramos a mesma questão referente à prisão e à liberdade. Um lado diz que a primeira é uma ilusão, e a outra, que a segunda é uma ilusão. E, naturalmente, ficamos com a segunda, ao acreditarmos que nossa prisão é uma ilusão.

A solução da Vedanta é que não estamos aprisionados, que já somos livres. Não apenas isso, mas dizer ou pensar que somos prisioneiros é perigoso: é um erro, um auto-hipnotismo. Assim que dizeis: "Estou aprisionado, "Sou fraco", "Sou desamparado", desgraça sobre vós! Prendei-vos a mais uma cadeia.

Não digais tais coisas, não pensais tais coisas. Eu soube de um homem que vivia numa floresta e costumava repetir, dia e noite: "Shivoham", "Eu sou o Abençoado". Um dia um tigre caiu sobre ele e o arrastou para matá-lo. As pessoas que estavam do outro lado do rio viram aquilo e ouviram a voz, enquanto a voz nele permaneceu, dizendo: "Shivoham", mesmo entre as próprias fauces do tigre. Tem havido homens assim. Tem havido homens que, mesmo no momento em que estão sendo cortados em pedaços, abençoaram seus inimigos. "Eu sou Ele, Eu sou Ele, e assim és tu. Sou puro e perfeito, e assim são todos os meus inimigos. Vós sois Ele, e assim o sou eu." Essa é a posição de força.

Há coisas grandes e maravilhosas nas religiões dos dualistas. Maravilhosa é a ideia do Deus Pessoal, separado da natureza, que adoramos e amamos. Às vezes essa ideia é bem consoladora. Mas, diz o vedantista, esse consolo é algo como o efeito que vem de um opiato, efeito não natural. Ao fim traz fraqueza, e o que este mundo deseja hoje mais do que nunca, é força. A Vedanta diz que a fraqueza é a causa de toda a angústia do mundo. A fraqueza é a causa única do sofrimento. Tornamo-nos sofredores porque somos fracos. Mentimos, roubamos, matamos, e cometemos outros crimes porque somos fracos.

Onde nada existe para nos enfraquecer, não há morte nem desgosto. Somos infelizes através da ilusão. Abandonemos a ilusão e tudo se desvanecerá. É coisa clara e simples, realmente. Através de todas essas discussões filosóficas e de tremendas ginásticas mentais, chegamos a esta única ideia religiosa, a mais simples em todo o mundo.

Há uma ideia que com frequência milita contra ela. É a seguinte: está muito bem dizer: "Eu sou Puro, eu sou Abençoado"; mas não posso mostrar sempre isso em minha vida. É verdade. O ideal é sempre muito duro. Toda a criança, ao nascer, vê o céu sobre a sua cabeça, muito longe, mas por isso deveríamos deixar de olhar para o céu? Se não pudermos obter o néctar, resolveríamos a questão bebendo veneno? Será de algum auxílio para nós o fato de, não podendo compreender imediatamente a verdade, entrarmos nas trevas e nos rendermos à fraqueza e à superstição?

Não faço objeções ao dualismo em muitas de suas formas. Gosto da maioria delas, mas faço objeções a todas as formas de ensinamento que inculquem fraqueza. Essa é a única pergunta que faço a cada homem, mulher ou criança que esteja em treinamento físico, mental ou espiritual: "Sois forte? Sentis força?" Porque sei que é só a Verdade que dá a força, sei que só a Verdade dá vida. Nada mais a não ser o caminho para a Realidade nos fará fortes, e ninguém alcançará a Verdade enquanto não for forte. Qualquer sistema que enfraqueça a mente, portanto, que faça a pessoa supersticiosa, apática, desejando toda a sorte de selvagens impossibilidades, mistérios e superstições, não me agrada, pois é perigoso. Tal sistema jamais trará bem algum, pois essas coisas criam morbidez da mente, tornam-na fraca, tão fraca que com o correr do tempo lhe será quase impossível receber a Verdade e viver de acordo com ela.

A força, portanto, é uma coisa imprescindível. Força é o remédio para a doença do mundo. Força é o remédio que o pobre deve ter quando o rico o tiraniza. Força é o remédio que o ignorante deve ter, quando oprimido pelo erudito, e é o remédio que os pecadores devem ter quando tiranizados pelos outros pecadores. E nada dá mais força do que essa ideia do monismo. Nada nos faz mais morais do que essa ideia do monismo. Nada nos faz trabalhar tão bem, da forma melhor e mais alta, do que ter sobre nós toda a responsabilidade.

Eu vos desafio, um a um. Como vos comportaríeis se eu vos pusesse nas mãos um bebezinho? Toda a vossa vida se modificaria no momento, e fosseis o que fosseis, deveríeis tornar-vos destituídos de egoísmo naquele momento. Abandonaríeis todas as ideias criminosas assim que a responsabilidade fosse atirada sobre vós e vosso caráter se modificaria por inteiro. Assim, se toda a responsabilidade fosse atirada sobre nossos ombros, estaríamos a agir em nosso ponto melhor e mais alto. Quando nada temos para procurar às apalpadelas, nem demônio sobre o qual lançar as culpas, nem Deus Pessoal para carregar nossas cargas, quando só nós somos responsáveis, então nos erguemos até o melhor e o mais alto. "Sou responsável pelo meu destino, sou quem traz o bem para mim próprio, sou quem traz o mal para mim próprio. Sou o Puro e o Abençoado."

Esta, diz a Vedanta, é a única prece que deveríamos ter. Este é o único caminho para alcançar a meta: dizer a nós mesmos e dizer a todos os demais, que somos divinos. E conforme formos repetindo isso, a força virá. O que de início vacila irá se tornando cada vez mais forte, nossa voz aumentará de volume, até que a verdade tome posse de nossos corações e corra através de nossas veias, e impregne nossos corpos.

A ilusão se desvanecerá conforme a luz se torne mais e mais fulgurante, carga e mais carga de ignorância desaparecerão, e então chegará o momento em que tudo o mais terá desaparecido, e só ficará o Sol a cintilar.
Cont...
 
 

2 comentários:

agbrasil disse...

GOSTARIA DE SABER OS DIAS E HORÁRIOS DA REUNIÕES DO "NÚCLEO", E TAMBÉM OS HORÁRIOS DAS MEDITAÇÕES , E, SE HÁ UM MEIO DE AS FAZER ONLINE.

Gugu disse...

Olá!

As reuniões do Núcleo ocorrem em Campinas. Se você for da área, e estiver interessado em conhecer e participar de uma reunião, envie um e-mail para: miludas@hotmail.com

As meditações ensinadas no Núcleo são feitas enquanto estamos vivendo o nosso dia a dia normal, ou seja, aprendemos a meditar (perceber) enquanto estamos caminhando, respirando, comendo, conversando. Enfim, ao mesmo tempo em que vivemos, meditamos, percebemos que tudo sou Eu "aparecendo como".

Por enquanto não há encontros ou reuniões online. Mas essa é uma boa ideia. Quem sabe Eu resolve tirar proveito da tecnologia da internet dos dias e hoje, e providencia algum evento online? Vamos aguardar e ver o que acontece.

Grato pelo comentário.
Namastê!