"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sábado, julho 07, 2012

A visão de Moisés



Na história bíblica, o homem foi expulso do Jardim do Éden porque comeu do fruto da árvore do conhecimento. Ao comer do fruto, Adão (homem) afastou-se do mundo da Criação de Deus, em que desfrutava ilimitada abundância e liberdade. O próprio processo de "conhecer" implica na perda/afastamento da liberdade.

Na Consciência do Ser, tudo já existe pronto, tudo está consumado, já é! Não é que a Bíblia diz: "Está feito!", e diz ainda: "As obras de Deus são permanentes", de modo que nada pode ser acrescentado ou retirado. A Criação de Deus está absolutamente pronta, completa, inalterável, irretocável. Essas passagens revelam e expressam como as coisas são no reino da Consciência do Ser, Deus. Em Deus, tudo já é.

Assim, segundo a mitologia bíblica, o homem ao ser criado vivia no paraíso, na Consciência do Ser. E tudo quanto era necessário estava prontamente disponível, nada precisando o homem fazer senão viver "pela Graça de Deus". Mas então um dia ele "conheceu"... E o "conhecer" o expulsou/afastou do mundo ilimitado de Deus. Por exemplo: Você vê uma árvore no bosque, ela existe. Essa árvore só existe porque ela primeiro existe na Consciência do Ser, em Deus, do contrário ela não poderia se tornar visível no cenário humano. Na Consciência do Ser, a árvore já existe, está pronta, você tem acesso imediato a ela. Para existir a árvore, não é preciso que antes ela seja uma semente. Nem é necessário que a semente seja plantada no solo, seja regada e receba sol e chuva para poder crescer e se tornar uma árvore. Na Consciência do Ser, não há essa linearidade. O acesso à "árvore" é imediato, ela já está pronta.

Mas Adão quis "conhecer", e quando "conheceu", ele caiu na percepção mental. Quando comeu do fruto e passou a "conhecer", imediatamente ele soube que, para que ele visse a árvore, uma semente primeiro teria de ser plantada. Veja como isso o afastou do Éden, e como ele perdeu sua liberdade. O próprio processo de "conhecer" o expulsou do Jardim. Então, que assim seja. "Seja-te feito conforme tu creres". Desde então, para que ele tivesse acesso à árvore, ele teria que pegar o caminho da "semente", da "semeação", "regadura", "água", "luz", "crescimento", para somente então ter acesso àquela árvore. Assim é para quem percebe a vida com a percepção mental. A percepção consciencial quebra a linearidade/continuidade e nos permite o acesso imediato ao que quer que seja. O mundo da Consciência é não-linear, descontínuo, desconexo, quântico. Não há conhecimento na Consciência, há percepção. Perceba: o conhecimento está na mente: para a árvore vir a ser, primeiro deve vir a semente. Na consciência você não "conhece" nada, você vê de modo reto/direto/imediato. Há a "percepção" da árvore.

Quando Moisés subiu a montanha e teve a visão/revelação de Deus... a Bíblia diz que ele conversou com Deus. Assim conta a Bíblia: Moisés avistou uma caverna e nela entrou (pois ele tinha saído atrás de uma de suas ovelhas que se perdeu do rebanho, e acabou indo parar nessa caverna). Logo no começo, ao entrar, ele ouviu uma voz, que disse: "Moisés, retira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que está pisando é solo sagrado".

Ninguém ouve a voz de Deus e está ao mesmo tempo no mundo. Ao ouvir a voz de Deus, Moisés não estava mais no mundo dos personagens, ou seja, ele não estava percebendo com a "visão" que vê o mundo dos personagens (a percepção mental). Pois a percepção mental não é capaz de ouvir Deus falar "retira de teus pés as tuas sandálias". Moisés já havia passado para o outro mundo - o da Consciência. Somente assim ele pôde ouvir a Voz vinda do Alto. Ele já estava percebendo consciencialmente... Toda a visão de Moisés ocorreu no âmbito da Consciência do Ser, e não no do mundo dos personagens.

Assim, Moisés entrou. Ele ouviu: "retira dos teus pé as tuas sandálias, porque o lugar em que estás é solo sagrado".

A Consciência é o solo sagrado. Nenhum solo sagrado pode ser profanado. Ninguém pisa em "solo sagrado" a não ser com os pés descalços, a não ser despido de tudo o que é impuro. As "sandálias" representam tudo que é de natureza contrária ao solo sagrado - e esse é o motivo pelo qual elas não podem pisá-lo e tocá-lo. No âmbito da Consciência do Ser tudo está pronto, completo, já formado. Se tentarmos entrar levando conosco os nossos "conhecimentos", os nossos "julgamentos", e tudo o mais que combine/importe em natureza mental, não teremos permissão para "pisar" o Solo. Antes de entrar, devemos retirar as nossas sandálias.

Moisés entrou. No centro da caverna havia uma sarça - uma árvore envolvida por um fogo ardente muito puro - que queimava mas as chamas não consumiam o tronco e os galhos. Moisés se aproximou e perguntou: "Quem és tu". Ao que a figura de árvore em chamas respondeu: "EU SOU AQUELE QUE SOU".

Moisés não poderia ter obtido uma outra resposta, porque a Consciência é o âmbito onde "tudo é". No âmbito da Consciência do Ser, a Consciência é a montanha. No âmbito da Consciência do Ser, a Consciência é a árvore. No âmbito da Consciência do ser, a Consciência é o homem. A Consciência do Ser é tudo. Deus é tudo. O homem só "é" no âmbito da Consciência do Ser. O homem em si mesmo não "é" - Deus é o homem. A árvore em si mesma não "é" - Deus é a árvore. A árvore está existindo... Mas a árvore não é a árvore... porque é inapropriado dizer que a árvore "é". Deus é a árvore, porque somente Deus "É". Então a árvore é o que? A resposta: ela não é, absolutamente. Mas podemos tomá-la como sendo uma idéia "d'Aquele que É". Mas a árvore não é a árvore. Da mesma forma, nós não somos. Deus é o nosso ser. Só Deus é existência, só Deus "É". Eis porque a Consciência do Ser revelou-se à Abraão como sendo "EU SOU AQUELE QUE SOU". O verbo "é" só pode ser (apropriadamente) empregado quando no âmbito da Consciência do Ser, pois fora dela nada "é".

A Bíblia também diz que o Senhor se entretinha com Moisés face a face, assim como um homem fala com o seu amigo. Então, Moisés, NUMA OUTRA PASSAGEM diz: "Senhor, mostra-me a tua face/glória". Ao que Deus lhe respondeu: "Vou fazer passar diante de ti todo o Meu esplendor, e pronunciarei diante de ti o nome de Javé. Mas não poderá ver a Minha glória/face, pois homem algum poderia Me ver e continuar a viver".

O esplendor da Consciência do Ser é imenso. Extrapola todos os limites da mente. Por isso, por mais que queira e peça, a mente não pode "ver a face do Senhor". Se o esplendor total de Deus penetrasse na mente, que é limitada, esta simplesmente "não continuaria a viver".

Assim, é importante ser percebido que toda experiência ocorrida com Moisés não se deu no âmbito do mundo dos personagens. Para Moisés falar com Deus, teve primeiro que acessar a percepção consciêncial.

Jesus também disse aos Judeus: "Antes que Abraão fosse, EU SOU". Para dizer isso com autoridade, da forma como ele fazia, era necessário estar plenamente consciente do Ser que é tudo. Os judeus racionalizaram: "como pode você dizer ter visto nosso pai, Abraão, se ainda não tem nem 50 anos de idade?". Eles usaram a lógica, a razão, o conhecimento. Eles perguntaram como pôde Jesus afirmar existir  numa época que ainda sequer havia nascido. Mas essa pergunta está errada. A própria pergunta lhes impedirá de ter a resposta, porque ela não poderá levá-los a lugar algum. A pergunta dos judeus é fruto do conhecimento. Impossível para eles será ver a árvore sem primeiro ter visto a semente. Mas para a Consciência do Ser, a árvore já existe. E, da mesma forma, do ponto de vista da Consciência do Ser, Jesus poderia perfeitamente existir em qualquer época que ainda não houvesse nascido. Deus não segue lógicas mundanas. "A sabedoria de Deus é loucura para os homens". Jesus entendia perfeitamente bem o que estava dizendo - Ele era (é) antes de Abraão existir.

Após tudo o que foi exposto, quero chegar, agora, ao que considero o "clímax" deste texto: fazer com que o leitor "perceba" que, desde sempre, ele percebe. Ele já percebe.

A Consciência do Ser é infinita! É ilimitada, e está além de tudo! Ela engloba e abrange tudo, não sobrando nada "de fora", ou "ao lado". "Eu sou Deus, e ao lado de mim não há outro". O que quer que tenha existido, exista ou venha a existir; e o que quer que já tenha ocorrido, ocorra e venha ainda ocorrer, JÁ EXISTE NA CONSCIÊNCIA DO SER. Como diz o texto do capítulo 21 de Apocalipse: "está feito." Esse é o segredo. É compreender que, na realidade consciêncial, tudo, QUALQUER COISA, já está disponível e feito/pronto. Observe com atenção! Deus revelou que "está feito"! Tudo já está feito, não há o que esperar. Cristo está vivo hoje, agora, no presente! Perceba!

Se você compreendeu a explicação da "árvore e da semente", também poderá compreender isto agora: O fato de que "você já está percebendo consciencialmente" já existe na Consciência do SER. Até mesmo isso tem que estar pronto! - porque Deus vai além inclusive disso. Quer perceber que você já está em Deus? Então perceba que até mesmo o fato de "você já estar em Deus" é algo que já está feito, consumado em Deus. Então você fará a "passagem", fará o "acesso" ao plano da Consciência.

Você já tem acesso ao Cristo, já está desperto, e está consciente de estar desperto. Todas essas coisas - o "ter acesso ao Cristo", o "estar desperto" e "estar consciente de estar desperto" - já estão feitas (!), consumadas e completas na Consciência do Ser. O seu acesso é imediato, exatamente como no exemplo da árvore - a árvore está pronta, sem ser necessário passar pelo processo de "semente". Você é Cristo agora, é Buda agora! Não tente chegar a realização disso pela via do conhecimento. Não julgue que primeiro precisará despertar ou se iluminar. Corte o processo lógico-linear/contínuo, que é inerente à mente, e vá direto ao ser desperto, iluminado e búdico que você é. Você já percebe consciencialmente. Não é necessário tentar; só há a necessidade compreender (perceber) isso. Você já percebe o Cristo. Perceba/veja/realize o fato! É assim que você o "acessa". Quantos ainda esperam a vinda do Cristo Vivo! E no entanto ele está aqui e agora, já, no eterno agora.

Assim, não tente perceber o que está sendo dito. Apenas perceba. "Perceba", aqui, não está sendo dito no sentido de realizar alguma ação ou esforço para "conseguir". Mas no sentido de "apenas perceba", sem realizar esforço ou ação para adentrar num processo de "vir a perceber". Compreenda que você já percebe, que você já é consciente - e então apenas perceba, apenas seja consciente. O que deve ser compreendido é: Quem faz você perceber é a própria Consciência do Ser; porque até mesmo isso já existe, ou seja, "está feito", "realizado", "pronto" e "consumado". "Eu de mim mesmo nada posso, o Pai em mim é quem realiza as obras". Você apenas vive pela Graça. Basta isso.

O Deus que habita em mim reconhece, reverencia e agradece o Deus que habita em você.

Namastê.



"Eu Sou Aquele que Sou"

8 comentários:

Silvano disse...

Há uma passagem bíblica onde Deus aparece a Josué, que confirma o que foi dito que devemos “descalçar as sandálias, na presença do Senhor”. Está no livro de Josué, 5 13-15, na qual está escrito: “Que diz meu Senhor a teu servo? A resposta divina foi: “Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo.” Sobre este “lugar sagrado”, Jesus ora a Deus para que onde ele está estejam todos os que ele fez conhecer o nome de Deus e, os que “ainda fará” conhecer { Nota-se o caráter “consciencial”, atemporal, desta oração e nota-se também o seu caráter “consciencial”, aespacial, pois, “onde” Jesus está não se refere a sua condição humana, porque quando faz a oração sacerdotal [João 17] está em vias de ser crucificado; Ele se refere a sua condição divina com uma percepção divina, para que todos percebam o amor de Deus. Sua finalidade é manifestar o amor de Deus; e ora: “A fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu neles esteja” [Jo 17, 26] Assim, a condição, a chave que dá acesso ao reino de Deus, é o amor.

Para estar na presença do Senhor é necessário apenas “descalçar as sandálias”, “retirar o calçado”, despir as bases que nos “calçam” a uma visão humana, que são os julgamentos, os pré-conceitos, as certezas e razões que a mente humana usa para nos “vincular” à visão dos homens, ao universo mental. No lugar deste “universo mental”, o universo visto pela mente dos homens, está o “universo consciencial”. Note-se que não há dois universos. Apenas o universo de Deus, “consciencial”, é real e eterno [é atemporal, aespacial]. É onde o “Filho de Deus” Vive! [É onde Jesus ora para que todos estejam! E sua oração não é em vão! Ele sabe que é sempre, eternamente, atendido!]

Assim como Deus apareceu a Josué e disse: “Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo”, sua palavra continua sendo a mesma: “Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo.” Este lugar é onipresente, consciencial, é “aqui” e o tempo em que é real é agora!

Continua...

Silvano disse...

Aceite como já realizada a vontade de Jesus em sua oração sacerdotal; Use a chave que revela a presença do Senhor; Faça como foi orientado a Moisés e a Josué, siga o exemplo dos que ouvem a palavra do Senhor: “Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo.”

Perceba que é possível perceber! O autor deste texto: “A visão de Moisés”, que agora está sendo comentado, percebeu; teve e tem a visão consciencial! E se foi possível para ele também é possível para você porque Deus não faz acepção de pessoas. Perceba que este blog também é um “veículo sagrado”, e que faz chegar a você esta mensagem atemporal.
É um real “Templo dos iluminados”, porque ninguém chega aqui por mero acaso. Todos os textos aqui postado tem o sentido de te fazer perceber que o “reino de Deus” já É! Que Cristo está Vivo, em Seu reino, e que este é o único reino! Que a vida separada desta percepção do reino é irreal. Apenas Deus é o único Ser real.

Não apenas este blog, este autêntico “Templo dos Iluminados”, há vários outros blogs e sites que dão esta mensagem. Em um deles você perceberá que Deus tem movido o universo para que em todos os lugares você olhe e possa perceber sua real identidade. E quando a perceber desfrute tudo o que esta percepção proporciona. Assim saberá o sentido da “oração sacerdotal” e se “tornará um com o Pai”; será “aperfeiçoado na Unidade”, exatamente como Jesus Cristo manifestou Sua vontade de que assim fosse. Assim seja!

O autor deste texto: “A visão de Moisés”, percebeu, desfrutou e agora está compartilhando com você. Ele efetivamente “descalçou as sandálias”, foi ao cerne da busca espiritual, “foi ao núcleo”, e não se manteve na periferia, “na mente” dos personagens que se eternizam como buscadores espirituais. Ele percebeu, como Jesus, que de fato “o reino de Deus” está dentro de nós, e então pôde compartilhar o que percebeu. A partir deste texto, que é uma autêntica revelação divina, é possível que o autor passe a publicar textos de sua autoria, que na verdade provém da eterna Fonte do Ser, que é a mesma Fonte, ou Núcleo, de onde tem sido escrito todos os textos espirituais. E se você está acessando este “Templo dos Iluminados”, no “núcleo do tempo”, no tempo perfeito, no eterno agora, perceberá que é e sempre foi um deles. Sim, você é “Imagem e semelhança de Deus”; Você é Buda, você é Cristo!

Isso significa que você é capaz de amar incondicionalmente, infinitamente! Você é capaz de ter esta “Visão de Moisés”, basta descalçar as sandálias...

“Palavras da Fonte”

Gugu disse...

Namastê!

Foi um comentário com perfeita descrição!

A fim de aproveitar e evidenciar o conteúdo do post, também gostaria de acrescentar o que se segue:

Percebo que também poderia ser dito que a nossa condição de "estarmos descalçados das sandálias" também já existe na Consciência do Ser. Assim, o teor deste post sugere que também não seria necessário "descalçar as sandálias", porque tal implicaria em um processo contínuo-linear, que é inerente à mente. Ou seja, talvez seja importante elucidar que, do ponto de vista da mente, algo necessita ser feito: há a necessidade de "retirarmos as sandálias" a fim de que possamos ter a visão/revelação do Senhor. Contudo, se levarmos em conta o ponto vista do Ser, podemos "cortar" a etapa de retirarmos as sandálias e ir direto ao nosso estado de "sandálias já descalçadas" e pés descalços. Os nossos pés já estão descalços - estamos puros sempre, pois, uma vez que somos o ser, aquela pureza é a nossa condição.

Assim, para os que estiverem dispostos a perceberem diretamente, não é necessário sequer retirarem as sandálias. E, para os que julgam que necessitam retirarem as sandálias, de fato, eles terão de descalçá-las. Aplicando o conteúdo do post ao comentário feito acima, percebo que também pode ser dito dessa forma. Deus é tudo, e Deus não muda.

Obrigado e obrigado!!!

Grande Abraço!!

Anônimo disse...

Não faço um comentário, apenas uma pergunta. Um homem, ainda que, altamente intelectualizado, "conhecedor", mental, cientifico, mesmo que não perceba consciencialmente, tem o seu "existir" guiado por essa consciencia do ser? Ele realiza sua jornada aqui na Terra?

Grata pela resposta, se for possível.

Gugu disse...

Obrigado você pela pergunta. Vamos lá:

A resposta é sim. Um homem intelectualizado, mental, científico, cético, e com a mente abarrotada de conhecimentos também é guiado pela Consciência do Ser.

A verdade é que todas as pessoas, quem quer que sejam elas, já foram guiadas pela Consciência do Ser em algum momento de suas vidas. Chega um dado momento da vida em que a pessoa olha para trás, e diz: "aquilo que aconteceu comigo, daquela vez, foi coincidência demais pra ter dado tão certo. Parece que tinha Algo maior fazendo tudo." Todas as pessoas já passaram por situações assim. Talvez elas apenas não perceberam isso até agora, mas sempre chega um momento em que a ficha cai.

Ocorre que neste mundo fenomênico e mental, justamente por ser ele dual, nossas vidas podem ser guiadas por dois representantes: a Consciência do Ser e o ego. A Consciência do Ser é Deus (Amor, Bondade, Harmonia, Sabedoria), e o ego é o adversário (Medo, Ressentimento, Carência, Confusão). Assim, ora podemos nos ver guiados pela Consciência do Ser, ora podemos nos ver guiados pela entidade insana do ego. Um homem intelectualizado ora se verá sendo guiado por um, ora por outro. Mas ele está abrangido pela Consciência do Ser, com certeza, pois, em última instância, Ela é a consciência dele próprio, e jamais pode escapar dela. Mesmo quando o homem não está consciente do Ser, ele se verá guiado mesmo nas coisas mundanas (ou seja, na jornada mundana dele aqui na Terra). E, mesmo que o homem não esteja buscando o auto conhecimento (a percepção do Ser), a vida dele estará sendo silenciosamente guiada no sentido da Consciência do Ser se revelar; até que, cedo ou tarde, a pessoa comece a sentir o desejo e vontade de buscar e conhecer Deus.

Agora, temos um pequeno e importante detalhe: O Ser manifesta-Se mais evidentemente (e principalmente!) quando o indivíduo tem o desejo de conhecer, sentir e percebê-Lo. A busca, o desejo e a vontade sincera estabelece uma conexão/sintonia muito maior. As "coincidências" na vida da pessoa passam a ocorrer mais frequentemente, e ela vê-se realmente sendo guiada por uma Força invisível, por Algo Maior. Quando você dá um passo em direção à Deus, Deus dá dez passos em sua direção.

E, finalmente, quando a pessoa aprendeu a perceber consciencialmente, a interação com o Ser passa a ser constante. Ela terá à disposição duas percepções: a mental e a consciencial. Mas é bem provável que ela prefira viver percebendo consciencialmente, do que apenas mentalmente.

Grande Abraço.

Namastê!

Anônimo disse...

Gugu, suas palavras são
iluminadoras. Normalmente sou inquieta com questões e respostas existenciais, mas no momento só sinto vontade de agradecer. Obrigada, obrigada, obrigada. Até breve.

Anônimo disse...

Foi comentado: “Gugu, suas palavras são iluminadoras. Normalmente sou inquieta com questões e respostas existenciais, mas no momento só sinto vontade de agradecer. Obrigada, obrigada, obrigada. Até breve.”

Importante o comentário acima! Se for visto com atenção, através dele se revela a chave da percepção consciencial!

Realmente as palavras do Gugu são iluminadoras porque são “palavras da Fonte”. O Gugu é, em verdade, não um simples personagem, mas sim, Aquele que está “aparecendo como”. Isto fica mais claro num comentário a um vídeo do Mooji, que foi postado no site do Núcleo [nucleu.com] com o título: Assim é o verdadeiro “Mestre”

Ali fica evidente Quem é o verdadeiro Mestre, onde ele está e como pode ser percebido!

O comentário acima tem a chave sobre “Quem é o Gugu” e também sobre Quem está “aparecendo como” alguém que normalmente tem sido “inquieta com questões e respostas existenciais”, ou seja, uma personagem que expressa sua percepção mental, mas que neste momento [no Agora!] “só sente vontade de agradecer”. O agradecimento [que vem de Quem somos] é o “descalçar as sandálias”; é a percepção de que o solo em que estamos é “solo sagrado”! É a ponte, o elo entre o homem e a divindade, entre o personagem e sua real identidade, que manifesta e revela a percepção consciencial. Não agradecemos por nós mesmos, mas pelo Espírito Santo de Deus em nós. Ele é Quem em nós, por nós e como nós, percebe, Quem vive e agradece; É Quem dá glória a Deus; é Quem se santifica; é Quem ama a Deus! Ele é o verdadeiro Mestre! Ele é você, é o Gugu, sou Eu; o meu e o seu Eu real!

Namastê.
Silvano

Gugu disse...

Elucidando ainda mais o comentário acima feito, seria, em outras palavras:

Ninguém é um simples personagem. Todos os personagens são Aquele que está "aparecendo como" o personagem que representamos.

Então, personagem algum é o Mestre. O Mestre encontra-se subjacente ao personagem; é Aquele que está aparecendo como o personagem. Mas não é o personagem em si. Há apenas um Mestre, um único Ser, um único Eu, uma única Vida, e uma Inteligência ou Consciência que aparece como tudo, e que é tudo. E quando a pessoa percebe tudo na ambiência desse Eu Único, ela adentrou o referencial da Unidade, onde percebe que tudo é UM.

Esse Eu Único também está aparecendo como a personagem que em seu primeiro comentário formulou uma pergunta, e que em seu segundo comentário veio deixar um agradecimento. Nunca se exclua de estar abrangida por esse Eu, pois ele é Tudo. Tenha cuidado com pensamentos que possam sugerir ideias contrárias a isso. Inclua-se em Deus, pois aí é o seu lugar.

"EU" estou aparecendo como.

Namastê!!