"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

terça-feira, março 03, 2009

"Não te esqueças de Mim" (parte final)



O post anterior conta a história do Gênesis; revela que Deus, ao individualizar-se e criar seu Universo, sussurra uma pequena advertência a cada uma de Suas consciências individuais: "não coma do fruto da árvore do conhecimento, ou então você me esquecerá".

Antes de Deus desdobrar-Se e criar Seu Universo, Ele era uma existência concentrada, somente o Grande Oceano existia - silencioso, quieto, imóvel, ainda não havia ondas ondulando na superfície do Oceano. Esse "estado anterior à criação do Universo" é o estado em que Deus é compreendido como sendo o "Nada", é o estado em que Deus existe como um Ser Não-Manifesto. Então, de repente, Deus, de Si mesmo, escolhe desconcentrar-Se, individualizar-Se, e Se manifestar em forma de muitos. É infinita a variedade de formas que Deus passa a criar e apresentar de Si mesmo. E é nesse "ponto" que surge o homem. E é exatamente nesse “ponto” que, agora, algo precisa ser dito. Algumas coisas muito importantes precisam ser compreendidas: Quando nasce a alma? Em que momento da história da criação de Deus esse acontecimento de "Deus escolher Se individualizar e Se manifestar" acontece? A resposta é: "a todo momento!".

A história do Gênesis é somente uma alegoria criada para revelar o que está acontecendo, a cada instante, com cada uma das consciências individuais criadas por Deus. Não se trata de algo que aconteceu em algum momento do passado; o Gênesis descreve o que está acontecendo a cada instante; o Gênesis está acontecendo AGORA. A cada momento vivido, o homem está nascendo, está sendo criado e manifestado por Deus. Por que “a cada instante”? Como é possível ao Gênesis estar ocorrendo a cada momento? É possível compreender isso, se entendermos corretamente o significado do que venha a ser o “Agora”.

“Agora” é uma palavra quântica; e em seu sentido espiritual ela procura transmitir o significado de ser um fenômeno quântico. Significa que, assim como Deus, o Agora está livre, desvinculado, desconectado de toda e qualquer espécie de coisas. Isso faz com que possamos dizer: "O Agora é! O Agora é o que é". E nada mais pode ser dito sobre ele - absolutamente nada -, não há coisa alguma que possa ser usada como pretexto para explicar ou justificar o que existe e está inserido dentro do É.

A cada momento o homem está nascendo - e está nascendo pela primeira vez! O homem está sendo constantemente re-criado por Deus. Ele morre e renasce a cada instante, a cada "Agora". O homem só existe Agora! E o que existe Agora nada tem a ver com o que estava existindo no Agora anterior. No plano da superfície parece haver continuidade, mas não é assim. Quando um "Agora" se vai, ele se vai totalmente, não sobrou nada dele, de modo que nada permanece - nem mesmo o rastro. O Agora nunca é uma existência alterada, transformada, modificada a partir do anterior. Não há elos. A Realidade mostra que cada "Agora" existe isolado. Compreender isso lhe dá condições de entender o sentido espiritual do verbo "é". Quando se diz espiritualmente que algo é -- que Deus é, que a Sabedoria é, que o Amor é, que a Harmonia é, que a Vida é -- essas afirmações são feitas a partir desta compreensão espiritual sobre o Agora.

Mas a visão que o mundo conserva do “Agora” é a de que ele vem a ser um instante inserido no contexto linear de tempo (passado, presente e futuro). O mundo apresenta um conceito linear de tempo, e por isso enxerga o “Agora” de uma maneira completamente distorcida. O “agora” mundano nada mais é que o “presente” existente na linearidade do tempo. E o Agora espiritual é não-linear: ele é descontínuo, é desconexo, é quântico, e possui uma qualidade e significado diametralmente opostos àquilo que o mundo conhece e chama de “agora”. É importante ter essa visão em mente. A velha noção acerca do Agora precisa ser abandonada, e o entendimento de um "Agora" descontínuo deve ser conservado na mente. Por que "na mente"? Porque a nós nada é possível ser feito ou percebido sem a mente. Tudo o que existe de Real no Universo existe eternamente, existe intacto, sem nunca mudar. E dependendo do conceito ou idéia (crença) que a mente mantém do Universo que vê, ela distorce a Realidade com que está em contato e a vê segundo suas próprias noções, conceitos, idéias, crenças. A mente que apresenta a distorção da Realidade é semelhante a um espelho embaçado; para que ele possa refletir fielmente a Verdade/Realidade, precisa limpar-se completamente de seus conceitos, suas crenças, idéias. Quando isso é feito, a mente torna-se um espelho límpido, transparente como vidro cristalino, e assim a Realidade, a Verdade, poderá ser percebida pela mente tal como existe verdadeiramente.

O olhar que o mundo conserva do Agora faz com que a mente coletiva da humanidade tenha uma compreensão errada, distorcida; o mundo alimenta a crença/idéia de que cada momento do tempo existe alinhadamente, de modo que o momento presente esteja de alguma forma relacionado ao momento anterior. Isso retira do Agora a liberdade e o poder absolutos que lhe são inerentes, cria para ele uma relação de dependência para com "coisas passadas". E se o homem, com sua mente individual, não conscientizar-se de tal crença coletiva que a humanidade alimenta, e não fizer esforços conscienciais, direcionando-os em sentido contrário, acabará por ser carregado pelas correntezas da mente coletiva, ficando preso às limitadas percepções/compreensões que a humanidade possui do mundo. E permanecerá imerso nessa ignorância junto com a humanidade até que desperte e realize esforços no sentido contrário às crenças e idéias do mundo. O homem pode libertar-se de seu passado a qualquer momento, assim que erradicar as crenças e idéias errôneas que possui arraigadas no fundo da mente. O homem existe em um estado de absoluta liberdade - apenas não sabe disso. E quando, afinal, ele compreender e souber que a Verdade é que ele existe em estado de absoluta liberdade, poderá libertar-se de todas as limitações (as quais ele próprio se agarrava/ segurava em sua mente) e desfrutar de tudo o que já existe na Realidade que Jesus chamou de "Reino de Deus", que já está preparado/pronto "desde o princípio dos tempos". Mas para isso, é importante que o homem compreenda e aceite totalmente a idéia e o sentido de que o Agora é descontínuo, e portanto completamente desvinculado de qualquer acontecimento do passado.

O tempo só existe quando o homem pensa nele em termos de continuidade, linearidade. Não há sentido em se falar de "tempo" quando se compreende que o Agora é não-linear, descontínuo, desconexo, isolado, livre, independente - o tempo simplesmente não existe. O homem que realiza esta compreensão desagarra-se e sai fora da idéia de "tempo", transcende a crença alimentada pela mente coletiva da humanidade, e percebe que, na realidade, o tempo não existe. E passa a viver no eterno Agora.

Tudo isso foi dito apenas por um único motivo: fazê-lo compreender que a existência, o Universo inteiro, está sendo criado por Deus, a cada instante. A cada instante (que na verdade não existe, pois só o Agora existe) Deus está criando o homem e pedindo "não coma da fruto da árvore do conhecimento". E se Agora você escolher "não comer" do fruto, então você não se esquecerá de Deus, então você não se esquecerá de "Quem você é". Você não será "expulso do Jardim do Éden", você permanecerá nele. E estará vivendo aquele estado de ser - de total liberdade, e de total bem-aventurança - que os ensinamentos espirituais chamam "Iluminação". A Iluminação é possível ser atingida a qualquer momento - só pode ser atingida Agora! Esses são os mistérios da existência. O Gênesis está acontecendo na história da criação exatamente Agora. Exatamente Agora, Deus está criando a sua Criação - e pela primeira vez. Entenda isto! PELA PRIMEIRA VEZ! E liberte-se das amarras do tempo! Aprofunde-se nessa percepção, contemplando-a, até finalmente perceber que Deus cria o Universo apenas uma vez: AGORA.


5 comentários:

Gugu disse...

"Onde você estiver é sempre o início. É por isso que a vida é sempre tão bela, tão jovem, tão virgem." -Osho

Daniel disse...

O AGORA É SEMPRE NOVO. Gosto dessa expressão. A vida não está presa a uma linha, ela é sempre fluida. Ela se forma na consciência sem forma. Então o próximo minuto não existe até que seja agora. O próximo minuto não está referenciado nem preso ao passado nem ao futuro, isso só acontece quando comemos o fruto da árvore do conhecimeto. Quando cometo um erro agora, não há motivo para o remorso, porque no próximo instante já não existe mais nem o eu de um minuto atrás nem o erro que ele cometeu. Quando realizo um boa ação não há motivo para o orgulho, porque quem realizou o bem morreu junto com aquele instante. Agora mesmo, não somos mais quem eramos a um segundo atrás. Então preste bastante atenção e perdoe sem cessar e ame sem cessar, olhe pra você agora e se desapegue dos erros que cometeu, se desapegue de todo amor que já compartilhou, porque naquele q é o seu verdadeiro EU não há nem o pesar do erro nem a gloria do acerto. Tudo que somos só pode SER AGORA.

AXÉ


Daniel Borges de Sousa

Gugu disse...

"Cada momento é atômico. Não há necessidade de que dois momentos tenham alguma sequência.

É a mente unidimensional que continuamente procura algum significado, algum sentido que corre através de todos os momentos, que deseja que tudo esteja conectado por uma corrente de causa e efeito, que deseja que tudo se mova para algum lugar, para alcançar algum lugar, para terminar em algum lugar. Essa é a mente lógica, a mente unidimensional.

A vida é multidimensional. Ela não tem um objetivo realmente, nenhum destino. E, na verdade, não tem significado - significado no sentido de que todos os momentos estão seguindo um outro em fila, alcançando algum lugar. Não, a vida não está se dirigindo a algum lugar. Ela está simplesmente dançando aqui. A palavra certa é dança, e não movimento.
Cada momento é uma dança e deveríamos desfrutar cada momento como ele vem, como ele acontece. Então o seu fardo desaparecerá completamente.

Liberdade é isto: estar no momento, ser do momento, nunca se preocupar com o passado, nunca se preocupar com o que ainda não veio e nunca fazer uma sequência lógica de coisa alguma. Assim a vida é muito mais simples e bonita."

-Osho

Francisco disse...

Gugu, esse seu ultimo comentário de que a vida é "multidimensional. Ela não tem um objetivo realmente, nenhum destino" reforça o meu conceito de que essa vida é um circo, um teatro e de que vivemos em ilusão. Se alguem me desse duas opções, ou ficar no ABSOLUTO ou ir para um lugar cheio de relatividades, ilusões, de onde para sair eu teria que me esforçar demais como um viciado que está em tratamento, é claro que escolheria a primeira opção. Não entendo como escolhi a tal "arvore do conhecimento". Ou talvez ninguem tenha colocado essa opção para mim. Muitas vezes já questionei se foi opção minha ser criado, pois se fosse, não desejaria. Mas isso foi em outros agoras. AGORA, já entendo que sou uma individualidade de Deus. É isso?
É dificil o entendimento. Às vezes parece que estou à beira da loucura.

Gugu disse...

Francisco,

Esse comentário não é meu; quem disse ele foi o Osho, eu apenas transcrevi o trecho.

A Vida em si mesma não possui nenhum objetivo. Mas a beleza da vida como a conhecemos na dualidade (no aspecto relativo) é que nós é que damos um significado em um sentido para ela. A Vida é como um quadro em branco que está diante de nós. Em si mesma e por si mesma ela não faz nada, apenas se torna disponível e assim se mantém diante de nós, para que nós pintemos a nossa pintura no quadro em branco. As pessoas que não gostam da vida são as que pintaram para si algo que não gostaram. E nós estamos sempre pintando nossa vida, quer saibamos que estejamos fazendo isso ou não. E é por isso que a maioria das pessoas não sabem que têm o poder de conferir um significado para suas vidas, olham para a vida como se ela fosse uma obra do acaso e a detestam. Se pudessem rejeitá-la eles a rejeitariam.

Bom esse é o sentido dito no texto de que "a vida é multidimensional". No absoluto nós estamos sempre, jamais saímos dele e adentramos um "mundo relativo". Mas esse modo de dizer pertence ao referencial absoluto. Para entender tudo isso melhor, é bom ir atrás e (ou continuar indo atrás até) entender. São muitos os ensinamentos que nos dão condições de alcançarmos esse conhecimento/percepção. Particularmente, gosto dos ensinamentos Advaitas, do Caminho Infinito e da Seicho-no-Ie. Assim como você, também estou andando no caminho.

Você tem razão, tem hora que parece que a gente vai pirar, mesmo!

Grande Abraço.