"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

domingo, agosto 17, 2008

O Amor é Deus

[metamorfose_osho2.jpg]


"Jesus diz: Deus é amor. Mas eu digo a vocês: o amor é Deus. 'Amor' é uma palavra muito mais importante do que a palavra 'Deus'. 'Amor' tem um significado existencial. A palavra 'Deus' é completamente vazia, ela nada significa, ela não se relaciona a coisa alguma dentro de você. Ela é uma pura palavra, pura no sentido de que ela não tem qualquer realidade correspondente dentro de sua experiência.

Embora ambas as palavras indiquem a mesma verdade, 'amor' é a palavra dos poetas enquanto 'Deus' é a palavra dos teólogos. Mas, obviamente o insight poético é mais intenso, mais profundo e a sensibilidade do poeta é também muito mais refinada, muito mais sutil que a dos teólogos. A visão do poeta é também mais estética, mais bela, mais primorosa; ela tem mais graça, mais sentido, mais significância. Além disso, a escolha dos teólogos tem sido contaminada ao longo das eras por tantas pessoas: hindus, cristãos, muçulmanos; por tantas igrejas; por tantas religiões, as quais fingiam ser religiosas, mas não eram.

Amor ainda permanece sem contaminação; ele ainda é virgem.

Assim, deixe-me repetir: em vez de dizer Deus é amor, diga amor é Deus, e você estará mais próximo da verdade. E não apenas mais próximo, você imediatamente estará ligado à verdade, porque o amor é uma experiência sua. Ele pode não ser tão profundo ao ponto de ser tornar Deus, mas ainda assim, ouro é ouro, mesmo que não seja refinado. O diamante é diamante mesmo que não tenha sido lapidado e polido. O diamante pode estar perdido no meio da lama, mas, a qualquer momento, ele pode ser limpo, a lama não consegue entrar dentro do seu ser.

O amor é o seu ser. E no momento em que usamos a palavra 'Deus', grandes controvérsias se levantam. Use a palavra 'amor', e ficam descartados: teísmo, ateísmo e todo tipo de argumentos desnecessários.

O amor também representa o centro mais interno da própria existência. A existência não é indiferente a você, ela não é distanciada. Ela está envolvida com você, ela cuida de você. Ela pode não cuidar do jeito como você queria ser cuidado, mas ainda assim, ela cuida da maneira que lhe é própria. E a sua expectativa pode não ser verdadeiramente a sua necessidade; pode ser exatamente o oposto.

A existência de fato preenche as suas necessidades, não o que você gosta e desgosta, não o que você quer; mas as suas necessidades reais, verdadeiras e autênticas são sempre cuidadas. A existência não pode ser indiferente a você: você é parte dela. Ser indiferente a você significaria ser indiferente a ela mesma, o que é impossível. A existência já teria desaparecido há muito tempo, se fosse assim.

Nós somos as suas ondas. Nós somos as flores dessa árvore de vida e existência. O seu desejo de ser amado e o seu desejo de amar é o seu desejo mais supremo. Ele mostra algo da sua natureza básica fundamental, ele representa o seu centro mais interno, ele representa isso.

Uma vez que você entenda o amor como Deus, toda a sua visão da vida irá mudar. Então você não irá venerar num templo ou numa igreja ou numa mesquita: então o amor será a sua veneração. E então você não terá medo da existência, porque ela cuida de você. O medo desaparecerá. Você não terá medo nem mesmo da morte, porque a morte só pode levar aquilo que não é mais necessário, mas ela não pode destruir você.

A existência é a sua mãe, ela não pode permitir destruição. Nada é destruído, jamais. Agora, mesmo os físicos concordam com isso: nada é destruído em tempo algum e nada é criado. Nem mesmo um pequeno grão de areia pode ser destruído ou criado. A existência contém a mesma quantidade de matéria, vida, amor e energia que sempre conteve e que sempre conterá.

Martinho Lutero disse uma coisa tremendamente significante. Ele disse 'Pecca fortiter: peque audaciosamente'. É estranho. A declaração parece ser inacreditável: um homem como Martinho Lutero dizendo 'Peque audaciosamente'. Mas realmente vale a pena refletir a respeito do seu significado. Ele está dizendo: o amor permeia toda a existência, assim não tenha medo. Mesmo se você estiver em pecado, seja audacioso nele, porque a existência está sempre pronta para perdoar, está perdoando.O amor sempre é perdão. Ele não quer dizer que você deve pecar. Ele está simplesmente dizendo: o seu pecado é nada comparado ao perdão que flui da existência para você.

Há poucos dias, alguém me perguntou: 'Eu sou um grande pecador. Como posso perceber Deus?'

Você não consegue ser esse grande pecador. Você não consegue estar tão caído que as mãos de Deus não possam alcançar você. Você não consegue estar tão pesado e sobrecarregado pelos pecados que Deus não possa levantar você. O peso dos pecados não pode ser maior que a graça de Deus.

Esse é um dos fundamentos do sufismo, que Deus é perdão incondicional. Ele tem que ser, pois a sua natureza é o amor. O amor é a sua realidade. A questão não é se o amor perdoa. O amor é perdão. Não existe a questão de Deus perdoar você. A questão surgiria apenas se Deus estivesse com raiva de você. Só então a questão de perdoar surgiria. Mas Deus não pode estar com raiva de você. Você é do jeito que ele o fez. Você não é uma criação sua. Como ele pode ficar com raiva de você? Isso equivaleria a estar com raiva dele mesmo, o que seria uma auto condenação.

Mas você começa a pensar a respeito de coisas pequenas como se você estivesse cometendo grandes pecados. O ego sempre adora fazer grandes coisas. Mesmo se você estiver fazendo algo errado, você vai querer fazer com que seja o maior erro que jamais foi feito ou que jamais será feito. Você quer que ele seja único, incomparável; você quer que ele esteja no topo. O ego sempre se sente bem se algo grandioso está sendo feito. Pode ser um pecado, não importa.

Que grande pecado você consegue cometer? Todos os nossos pecados nada são, a não ser coisas pequenas. Nós somos pequenos, nossos pecados não podem ser grandes. Nossas mãos são pequenas: o que quer que façamos irá permanecer pequeno, porque levará a nossa assinatura.

A sua vida, virtuosa ou malvada, não será uma barreira nem uma ponte, porque você já está conectado e não existe jeito de desconectá-lo de Deus. E não é uma questão de que quando você peca, Deus o perdoa. Ele é perdão: ele está continuamente fluindo em tremendo amor para você.

O amor dele é como uma enchente e os seus pecados são como gotas d'água. A enchente irá levá-las. E a enchente não vem para levar os seus pecados embora, ela já está aí. Entender isso, compreender esse ponto, é um grande alívio, como se uma montanha de repente desaparecesse, aliviando o seu peito. Você se torna leve, sem peso. E somente em tal estado de leveza você pode venerar.

O pecador não pode venerar, ele está continuamente assustado. O medo não pode criar prece. A prece criada pelo medo permanece política, uma estratégia da mente para persuadir Deus; é um tipo de suborno. A verdadeira prece surge da compreensão, do amor.

Lutero está realmente certo quando diz: 'Peca fortiter: peque audaciosamente'. Qualquer coisa que você estiver fazendo, faça-o audaciosamente. Você pertence a Deus e Deus pertence a você. Este é o seu lar. Não viva como um estranho, não esteja aqui como um hóspede, você é parte do anfitrião. Viva sem medo.

Lutero está certo quando diz: 'Pecca fortiter: peque audaciosamente', porque o seu perdão é imenso, é infinito. E o que você fizer serão apenas pequenas gotas d'água: a enchente virá e as levará embora.

O sufismo é o caminho da graça. Nenhum esforço é preciso de sua parte: apenas receptividade, abertura, um coração amoroso, um estado de entrega, um relaxamento. E tudo aquilo que os chamados yogues não conseguem alcançar em milhões de vidas, você alcança num simples instante. Seu perdão vem tão rápido, ele é imediato, porque Deus conhece apenas um tempo: o agora. Deus não pode adiar, ele não tem futuro. Ele não pode dizer 'Amanhã', porque para ele não existe amanhã. O tempo significa este tempo, este momento.

Para Deus tudo é o presente. A nossa visão é limitada e por isso alguma coisa é passado, alguma coisa é futuro e alguma coisa é presente. A nossa visão é tão limitada que o nosso presente é muito estreito. Essa é a proporção de nossa visão. Nós estamos olhando para a realidade através de um buraco de fechadura: nós só conseguimos ver esse tanto, tudo o mais é passado.

Sente-se atrás de um buraco de fechadura e observe. Alguém vem: você vê de repente uma pessoa surgindo do nada. Há um momento, você não era capaz de vê-lo. Quando ele vem à frente do buraco de fechadura, você o vê, e, no momento seguinte, ele já se foi, ele passou, de novo ele não está mais lá. Num momento atrás ele estava no futuro, num momento depois ele está no passado.

Você pensa que o homem desapareceu? Você pensa que o homem de repente apareceu do nada e que agora ele desapareceu no nada novamente, e que ele apareceu somente por um simples momento? É a nossa visão que está criando o engano. Saia de seu lugar escondido, abra a porta e você ficará surpreso: ele estava lá antes de você vê-lo e ele está lá depois que você o viu. Agora você terá uma visão melhor.

Para Deus tudo é eterno agora.

O ladrão que foi crucificado ao lado de Jesus, perguntou-lhe: 'Senhor, eu serei capaz de vê-lo novamente no futuro?' Jesus disse: 'Hoje você me verá no reino de meu Deus'. A palavra é 'hoje' e isso é muito significante. 'Hoje você me verá no reino de meu Deus'. O amanhã está fora de questão. Deus é imediato. Deus está sempre presente. Assim, tudo o que acontece através de Deus, acontece agora. E isso não está acontecendo para você, Deus não está acontecendo para você, porque você vive ou no passado ou no futuro, e ele nunca está no passado nem no futuro.

Daí a ciência da meditação: ela traz você para o presente, ela traz você para este momento. O passado é um pensamento e ele desaparece quando os pensamentos desaparecem. O futuro também é um pensamento e ele desaparece quando você abandona o pensar. Quando você está num estado de não-pensamento, não existe passado algum, nem futuro, apenas o presente existe. Em tal estado de não-pensamento você é um, em sintonia com Deus. De repente a enchente está ali e você é inundado com luz, com amor e com graça. Você não é mais um homem, você é divino. Você superou a humanidade.

Humanidade é um estado de sono profundo.

Deus é o nosso pastor. Ele cuida de tudo. Nós estamos preocupados desnecessariamente, e começamos a tentar tomar conta de nós mesmos. E é assim que nos tornamos vítimas do lobo, a mente.

A mente diz: esse caminho é mais seguro, mais prudente. Organize a vida dentro deste padrão, não viva na insegurança. Essa é a constante mensagem da mente. 'Não viva na insegurança, torne a vida segura. Tenha uma conta bancária, tenha uma família, tenha os pés no chão. Faça tantos arranjos quanto possíveis, assim você estará protegido.'

Deus é o nosso protetor, mas a mente começa a atuar como protetora. E a mente é o lobo, porque ela é criada por todo tipo de exploradores que existem no mundo. Os padres, os eruditos e os políticos criam a mente, criam o medo em você. Eles vivem do seu medo, eles criam uma constante tremedeira; por toda a sua vida você permanece angustiado, tremendo, com medo. Eles criam preocupação em você e a preocupação é a fonte de sua mente.

Se a pessoa estiver pronta para viver na insegurança, a mente desaparece. Aí não existe necessidade de mente.

Sânias significa viver na insegurança, porque Deus é a nossa única segurança. Sânias significa viver sem qualquer medo, porque nós somos parte da existência. Não há de que se ter medo. A existência não é antagônica a nós; ela nos protege.

Mas a mente é um subproduto do medo e por causa do medo ela segue criando sua própria segurança: tenha mais dinheiro, tenha uma casa maior, tenha respeito, prestígio, poder político. Conquiste amigos e influencie pessoas, assim você estará seguro. Tenha muitos amigos, eles serão úteis. É dito que um amigo é amigo somente quando ele o socorre nos tempos de necessidade. Assim, tenha muitos amigos, faça concessões. Tenha uma face falsa, sorria, assim você poderá influenciar pessoas.

Você coloca a sua segurança em coisas muito frágeis. E Deus é a sua única segurança. Mas para conhecer a segurança de Deus, para saber que ele é o seu pastor, você terá que confiar, terá que viver na insegurança. Se você não puder confiar, você seguirá acumulando lixo ao seu redor.

Basta olhar as pessoas. Quanto mais ricas elas se tornam, mais infelizes elas parecem. Isso não deveria ser assim. E por que é assim? Isso é tão sem lógica. Por que elas se tornam tão infelizes? Parece que elas não sabem como viver na confiança, elas não sabem como viver na alegria. Toda a vida delas tem sido trabalhar para ficar mais e mais seguras. E não é muito difícil acumular muita riqueza. Mas ao mesmo tempo em que você vai acumulando muita riqueza, a sua vida vai escorrendo pelo bueiro. Então, de repente, a pessoa percebe: 'O que eu tenho feito? Eu desperdicei a minha vida.'

Surge uma grande frustração com a percepção de que 'eu desperdicei a minha vida, acumulando coisas desnecessárias, e agora todos aqueles belos dias se foram e somente a morte existe no futuro'. A pessoa sente que fracassou tremendamente.

É dito que nada é tão bem sucedido como o sucesso, mas eu digo nada fracassa tanto como o sucesso. No momento em que você é bem sucedido, você conhecerá o sabor do fracasso completo.

A mensagem Sufi é: Entregue tudo para Deus, entregue tudo para o todo. E veja: essa existência infinita segue perfeitamente. A energia que cuida de milhões de estrelas também pode cuidar de você. Você não precisa carregar esse fardo na sua cabeça, você pode confiar. E basta algumas poucas experiências de confiança e então você nunca mais será pego na velha armadilha de novo, porque você irá saber que as coisas estão sendo bem cuidadas.

Você terá que criar um tipo diferente de espaço. Um espaço diferente será necessário. Tal espaço se chama confiança, entrega, relaxamento, fé, amor, ou como quer que você queira chamá-lo. Uma vez que esse espaço seja criado, você começa a se movimentar num plano totalmente diferente. Você entra numa nova dimensão: é a dimensão sem morte, é a dimensão sem medo. E então você viverá totalmente, audaciosamente, e qualquer coisa que você faça, você estará totalmente nela, completamente nela. Cada ato se tornará um caso de paixão e muito criativo, não apenas nas coisas que você cria do lado de fora, mas em alguma coisa que integra você também internamente."

OSHO - Unio Mystica - Discurso nº 5
tradução: Bodhi Champak



2 comentários:

Cris disse...

Gugu!

Ter fé é ter confiança, né, fofo?

Mas algumas vezes não confio...daí me sinto mal porque não confio tanto qto deveria, sabe.


Beijocas!

Gugu disse...

Fé, confiança, amor, entrega... são formas diferentes de se falar da mesma coisa.

Um dos propósitos da nossa vida é crescermos cada vez mais dentro desses aspectos. Então, não é algo que uma pessoa possa simplesmente aprender/conseguir da noite para o dia.

Se compreedemos isso, podemos ficar livres de alguns sentimentos negativos/ruins, como esse de culpa que você falou que sente. Sentir culpa é prejudicial para aquele que carrega esse sentimento. Então, não se sinta culpada. É só dar o melhor de si, sempre, tentando crescer cada vez mais... e tocar a vida pra frente.

A confiança vem com o tempo para aquele que busca, com sinceridade, conquistá-la.

Bjosss, Crizita! =)