"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

quarta-feira, janeiro 28, 2015

"Eu Sou Krishna"

- Núcleo -


No Gita, Krishna disse a Arjuna: “Eu sou a testemunha; por Mim, este aglomerado de cinco elementos chamado Universo, todos estes objetos móveis e imóveis, são formados. Seja qual for o nome ou a forma adorada, Eu sou o Destinatário, porque Eu sou a Meta de todos. Eu sou o Único. Não há nenhum Outro. Eu Mesmo Me torno o Adorado, através de Meus muitos Nomes e Formas. Não apenas isso, Eu sou o Fruto de todas as ações, o Doador do Fruto e o Instigador. Perceber-Me é verdadeiramente a libertação. É o Jivanmuktha (libertado mesmo enquanto vivo) que alcança essa realização. Arjuna, se alguém aspira tornar-se um Jivanmuktha, deve-se eliminar totalmente o apego ao corpo.” (Sathya Sai Baba)


Divinos Personagens,

Que bela mensagem escolhida pelo Ser, a quem desde já reverencio e agradeço!

Krishna (a divindade) declara:

“Perceber-Me é verdadeiramente a libertação.”

E também:

“É o Jivanmuktha (libertado mesmo enquanto vivo) que alcança essa realização.”

Atma é o Ser Real. Jiva é o personagem. Muktha (libertado) provém de Moksha, que significa libertação. A vida é a representação divina.

O personagem (Jiva) deve aspirar por conhecer sua real identidade (Atma), ou seja, deve perceber Quem ele É. Quando na representação divina esta percepção da real identidade ocorre ao personagem, ele é chamado “Jivanmuktha” (aquele que está liberto mesmo enquanto vive, mesmo enquanto representa).

No momento em que o “Jivanmuktha” percebe que a real identidade do personagem (Jiva) é o Ser (Atma) ele então pode declarar: “Eu Sou o Atma”, ou como disse Cristo: “Eu e o Pai somos Um.”

O Atma (o Ser Real) quando considerado independentemente da representação divina é descrito como Paramatma (Deus Absoluto). A mais alta realização é perceber que a única realidade é Paramatma (Deus Absoluto). E sendo o Paramatma o “Deus Absoluto”, significa que não há nada além de Si mesmo. Paramatma é também o Deus descrito como "o Todo-Poderoso".

Entre os “Poderes” do “Todo-Poderoso”, está o “Poder de Agir”. Porém, não há ninguém e nada além de Si mesmo, por ser Deus o “Absoluto”, ou seja, a “Única Realidade”. Mas não há limites para Deus. Tendo o “Poder de Agir”, e não tendo limites, Deus age! E, sendo a “Única Realidade”, Deus cria em Si mesmo um universo divino no qual manifesta o Seu “Poder de Agir”! Com Seu Poder de Agir, o universo que Deus criou foi o algo mais divino que se possa conceber: Um universo de seres plenamente conscientes de Quem são, de que são todos o que Deus É, de que É o Ser Real, o Único! 

Embora este universo de seres conscientes de Quem são esteja além do alcance das palavras e da imaginação - porque existem muitos seres mas que são todos o mesmo Ser -, é Real. É o universo da Consciência de Deus. No Núcleo este universo criado por Deus é chamado de universo consciencial. Na Seicho-No-Ie é chamado de Mundo da Imagem Verdadeira, ou  Jissô. No cristianismo é chamado de Paraíso ou Reino de Deus. No budismo é o Nirvana. Como disse o poeta, uma rosa é uma rosa, seja qual for o nome que se dê a ela…

Os seres conscientes de Quem são tem consciência deste “Poder de Agir” e criam uma representação divina, um universo onde tudo é possível, inclusive com personagens que não têm a consciência de Quem são, e isto abre muitas possibilidades à própria representação! Por ser uma manifestação do Poder divino, a representação é muito realística! Nela tudo parece ser real: o cenário e uma multiplicidade de divinos personagens com muitos nomes e formas! Mas também, por ser uma representação divina, na qual tudo é possível, entre todas as possibilidades, na representação divina, está a possibilidade de que os divinos personagens possam voltar a ter consciência da realidade de Quem são!

Por isso, Krishna, sendo um dos “seres conscienciais”, mesmo estando na representação, mantém a consciência de Quem ele É, e declara: “Perceber-Me é verdadeiramente a libertação.”

E revela quem, na representação, ou seja, que tipo de personagem pode ter esta percepção:

“É o Jivanmuktha (libertado mesmo enquanto vivo) que alcança essa realização.”

Portanto, mesmo estando na representação, é possível “estar liberto” e ter esta consciência, a percepção de um Jivanmuktha, que no Núcleo é chamada de “percepção consciencial”.

Personificações da divindade:

Leiam com atenção o que acaba de ser comentado. Se o fizerem terão um benefício imenso! Pois, não se trata de um simples comentário. Trata-se de uma “versão atual” de uma Verdade atemporal capaz de libertar os personagens! Muitos personagens querem de fato saber a Verdade. Esta é uma grande oportunidade, pois a Verdade sobre a real identidade de cada um dos personagens do Ser está novamente sendo abertamente revelada. Todos podem tê-la!

Observem que nesta “nova versão” apresentada no Núcleo a ênfase não é dada a nenhum Mestre especificamente, mas sim, à percepção! O que importa é que você perceba sua real identidade, não importando a que Mestre segue! E é assim porque com esta percepção a Verdade será conhecida e o real Mestre emergirá em você! Pois, o verdadeiro Mestre está na Consciência do Ser que você É! Este “universo consciencial”, este Reino de Deus, o Nirvana, não está fora de você, nem longe de você. Estes conceitos de fora e longe são apenas conceitos, só existem na representação divina, não se aplicam ao universo consciencial, não se aplicam a Quem você realmente É. Não há de fato um Mestre fora de você, nem longe.

Por isso Krishna disse: “Perceber-Me”.

Assim, este comentário é para os que querem “estar na representação” mas não serem subjugados pela representação. Por isso é feita esta elucidação, e é dado este esclarecimento. É algo que não vem da “mente de um personagem”; é algo atemporal, algo que não vem da identificação com o Jiva, mas com o Atma!

A propósito: termos como “Jiva”, “Atma”, “Paramatma” vêm do hinduísmo e são usados para descrever a realidade divina. Na Seicho-No-Ie são usados termos como “mundo da Imagem Verdadeira”, “mundo fenomênico”, “Jissô”. No cristianismo são usados termos e expressões como: “Filho de Deus”, “O Verbo se fez Carne”, “Viver em Cristo”, etc. Ou seja: cada religião ou filosofia espiritual usa termos próprios e expressões como uma forma de resgatar o significado espiritual da Verdade que foi revelada por algum Mestre, mas que com o tempo e com as muitas traduções das palavras do Mestre e das muitas reinterpretações, foi se perdendo.

Em resumo, o comentário acima expõe de forma sintética o ensinamento compartilhado no Núcleo de que: A Única Realidade é Deus. Deus é o único Ser Real. Ele é Absoluto, ou seja, não há outro Ser Real. Toda a Verdade se resume nisto e poderia ser colocado um ponto final aqui. Alguns até ficam nesse ponto! Mas Deus é Todo-Poderoso. Ele pode tudo! Ele pode criar, ou seja, Ele pode “fazer existir o que não existe”. E Deus criou um universo de seres plenamente conscientes de Quem são, de que são o Ser Real, Único! Este universo criado por Deus é Real. É o universo da Consciência de Deus, o universo consciencial. Os seres deste “universo consciencial”, os “seres conscienciais” criaram uma representação divina. Estes “seres conscienciais” assumiram papéis na representação divina e estão representando…

Você é um ser consciencial como Krishna, e a representação divina não altera esta realidade! Todos os seres conscienciais são plenamente conscientes de que são a própria divindade. 

Não há uma nova verdade sendo revelada, pois, o ensinamento compartilhado no Núcleo é uma versão atualizada de uma verdade atemporal.

Por isso compartilho que: Não há sequer uma única nova verdade a ser revelada, nem mesmo uma nova consciência a ser desenvolvida. Nossa Consciência está plenamente desperta e já somos filhos de Deus, criados a Sua imagem e semelhança. O que nos falta é tão somente percebermos esta realidade nos desfazendo dos nossos condicionamentos.

Jesus disse: Conheça a Verdade e a Verdade te libertará.

Krishna disse: "Perceber-Me é verdadeiramente a libertação."

Não é possível “perceber o Ser” com a “mente do personagem”. Esta “percepção” não está na mente, mas, sim, na Consciência! A Consciência está na essência, no “núcleo do Ser” que você É!

“Vá para o Ser, para Krishna!”

Perceba-O, desfrute e compartilhe!

Namastê.



3 comentários:

Sai Baba disse...

Sobre o "conhecimento do Ser" acaba de ser compartilhado o que segue:

Pensamento para o Dia 29/01/2015

“Existem três métodos de aprendizagem: sravana (escutar), manana (contemplação constante) e nididhyasana (assimilar). Na verdade, o que você ouviu não pode ser facilmente compreendido e assimilado apenas escutando. Você deve fazer alguma manana ou refletir repetidamente e, em seguida, absorver o que ouviu. Isso é nididhyasana. Se fizer todos os três, só então você pode desfrutar dos frutos do que escutou. Será que a sua fome se saciará apenas olhando o alimento que foi cozido? Mesmo se simplesmente comer o que foi preparado, você será capaz de obter a força necessária do alimento? Somente se digerir o alimento que comeu é que você pode obter sustento. Como cozinhar, comer e depois digerir são três processos essenciais para obter o resultado final, assim também, sravana, manana e nididhyasana devem seguir um ao outro nessa ordem para, somente então, você adquirir alguns aspectos do Atma Vidya (conhecimento do Atma).”

Silvano disse...

Aos que quiserem um aprofundamento sobre o tema da libertação acessem neste blog:
http://busca-espiritual.blogspot.com.br/2014/02/assim-se-identificam-o-budismo-e-o_28.html
Namastê!

Gugu disse...

Gratidão!! _/\_
Namastê!