"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

terça-feira, abril 08, 2014

"Deixa os mortos sepultar os próprios mortos"

Omraam Mikhaël Aïvanhov


“DEIXA OS MORTOS SEPULTAR OS SEUS PRÓPRIOS MORTOS”

O ensinamento de Jesus é um ensinamento da vida, um ensinamento da vida divina. A compreensão que tinha da vida é que fez de Jesus um verdadeiro filho de Deus. Fico sempre maravilhado diante da profundidade dessa compreensão, quando ele diz a um homem encontrado no caminho: “Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus próprios mortos.” Se a frase for tomada literalmente, o que Jesus diz é monstruoso, pois ele parece aconselhar que deixemos os corpos de nossos parentes e de nossos amigos sem sepultura... Pior ainda, essa frase não tem o menor sentido: como é que os mortos poderiam enterrar outros mortos?

Ao dizer: “Deixa os mortos sepultar os seus próprios mortos”, Jesus não se referia aos mortos que levamos ao cemitério; é necessário conduzi-los aonde devem estar, e por sinal, ainda que estejam mortos, suas almas continuam vivas. Jesus tinha em mente outros mortos. Pois mesmo vivos os seres humanos trazem algo que, do ponto de vista de Jesus, está morto e os conduz à morte: sua natureza inferior. Sim, as manifestações da natureza inferior devem ser incluídas entre os mortos. E aqueles que tanto buscam satisfazê-las, atender aos seus caprichos, acabam por sua vez por morrer também. Nossa maneira de pensar e o modo como nos comportamos fazem com que nos mortifiquemos ou nos vivifiquemos. Tudo aquilo que em nós não está impregnado da vida da alma e do espírito conduz-nos para a morte.

A natureza inferior do homem está viva, e bem viva, é ela que vemos manifestar-se em tantos livros, espetáculos, jornais e no rádio, na televisão... Mas do ponto de vista espiritual essa vida é na realidade a morte para nós e para os outros. Por isso é que devemos levar a sério o conselho de Jesus. Na cabeça, no coração, quantas pessoas passam o tempo “enterrando os mortos”! Cuidam deles, eles os acompanham... E esses mortos não são necessariamente seres humanos, mas também objetos, idéias, opiniões, sentimentos. Essas palavras de Jesus devem ser compreendidas de todos os pontos de vista e aplicadas em todos os domínios: na filosofia, na literatura, na religião, na arte, na economia, na vida cotidiana.

“Segue-me”, diz também Jesus. Por quê? Para estar vivo. Pois é junto a Jesus que está a vida divina. Na realidade, experimentamos a dimensão da vida e da morte quase simultaneamente. Existem pessoas cheias de vitalidade no corpo físico, mas que estão mortas, pois cuidam de outros mortos. E existem mortos que não deixaram de estar vivos, pois durante sua existência terrestre buscaram em todas as circunstâncias colocar o espírito em primeiro lugar. Esses optaram por seguir Cristo e entraram vivos na morte.

Para optar por seguir Cristo é preciso ter aprendido a localizar onde está o essencial. Ora, os seres humanos buscam satisfação em tudo o que é secundário. Passam a vida entregues a ocupações que nada proporcionam à sua alma e ao seu espírito. Vocês responderão, naturalmente, que a alma e o espírito não podem participar tanto assim das atividades banais da vida cotidiana, nem daquelas que devemos exercer para, como se diz, “ganhar a vida”. Questiono se é tão certo assim... O que fazem as pessoas quando voltam do trabalho ou têm tempo livre? Quais são suas preocupações, suas conversas, suas atividades, suas distrações? Elas talvez não façam nada de realmente repreensível, mas em vez de construir nelas mesmas algo de sólido, de estável, perdem tempo e forças com futilidades. É, portanto, como se deixassem a morte introduzir-se nelas. Tudo que não é essencial é o que Jesus chama de “os mortos”: lixo, restos que devemos jogar fora, pois perderam os elementos da vida divina e espiritual.

Entender o essencial é sentir a necessidade de organizar nossa vida ao redor desse centro, o espírito, essa centelha que nos habita e que é o indício de nossa filiação divina. Dessa forma é que todas as nossas atividades, e até mesmo nossas distrações, contribuirão para alimentar a vida em nós. O espírito que habita no homem não rejeita o fígado, os intestinos ou os pés, sob o pretexto de não serem órgãos ou membros tão nobres quanto ele. Tudo está em seu devido lugar, e o espírito faz uso de tudo. Mas ele permanece no centro, caso contrário, é a morte; e quando a morte está presente, não há mais nada a fazer.

Por que tantos homens e mulheres que se adoravam acabam cansados uns dos outros e se separam? Porque se voltaram demais para os “mortos” e acabaram por morrer também. Se tivessem cuidado de preservar a vida neles, de embelezá-la, de torná-la poética, continuariam a se entender e a se amar. Não quero intrometer-me muito nessas coisas, mas de que serve, por exemplo, a maquiagem nas mulheres? Para dar a ilusão da vida. Elas sentem instintivamente que é a vida que os homens buscam, e acentuando no rosto as cores da vida tentam tornar-se mais atraentes. Pode funcionar, é claro, mas não basta, e, além disso, não dura.

Em certos contos lemos que, para seduzir homens, demônios femininos adquirem, mediante procedimentos mágicos, fascinante aparência juvenil. Naturalmente, os pobres infelizes se deixam apanhar, a ponto de casar com essa encantadora criatura, mas algum tempo depois eles acabavam enlouquecendo e, em alguns casos, perdiam a vida... Até o dia em que um, mais sábio e mais instruído que os outros, se conscientiza da natureza dessa entidade que tem diante de si: consegue quebrar o encanto e a jovem de aparência tão sedutora vira pó, gritando alucinada. Sim, uma metáfora sobre a morte espiritual que procura adquirir a aparência da juventude da vida... Esses contos têm um significado profundo.

Como Deus fez as coisas, como a natureza fez as coisas? Eis as questões que vocês devem estudar, para entender Deus e mesmo imitá-lo. Esforcem-se sempre para colocar o essencial no centro de sua vida e instalar-se no essencial, procurando identificar-se com ele. Então, todo o resto, a família, os amigos, as posses, as ocupações e até as diversões encontram seu devido lugar, pois vocês os associam ao essencial, caso contrário... Enquanto não tiverem entendido sobre o quê edificarem sua existência, nada do que possuírem permanecerá com vocês por muito tempo: sua mulher, seus filhos, seus amigos, suas posses, sua saúde... de uma maneira ou de outra, vocês hão de perdê-los. Faltando no centro essa força que unifica, que preserva, que governa, todos os elementos começam a se dispersar, e nesse momento ocorre a morte espiritual.

Os seres humanos têm seu corpo, vivem com ele, cuidam dele, o alimentam, o lavam, o vestem e até o maquiam, mas não procuram compreender o que esse corpo quer lhes dizer com seus membros e seus órgãos. Pois bem, nesse corpo animado por um espírito eles devem aprender uma lição: como Deus pensou as coisas, pondo seu corpo à serviço de seu espírito; e que se inspirem nessa lição para conduzir sua vida, isto é, que ponham tudo que é material e efêmero a serviço do essencial...

O material e o efêmero sempre terão um papel a desempenhar em nossa vida, mas para que esse papel seja benéfico devemos fazer com que ele participe das atividades do espírito. Quantas pessoas não passam a vida em busca de conhecimentos e aventuras! O resultado dessa busca lhes proporciona, depois de algum tempo, a impressão de estar vivendo a verdadeira vida, mas quando ouvimos falar a respeito, anos depois, temos a impressão de que a experiência foi como areia que deixaram escorrer por entre os dedos.

Os turcos dizem: “até os 40, gastamos dinheiro para ficar doentes; depois dos 40 gastamos dinheiro para recuperar a saúde.” Eu me lembro de ouvir isso quando era jovem, na Bulgária. Essa é a situação da maioria dos homens: valem-se de todos os meios à sua disposição para usar e abusar de seus recursos físicos e psíquicos. No momento, têm a sensação de estar vivendo, Mas não é “o momento” que conta, e sim, anos depois, quando fazemos o balanço de nossa vida. Por isso é que, de vez em quando, é preciso rever nossas escolhas e atividades, perguntando-nos: “O que me proporciona tudo o que escolhi?... Será que não estou enterrando mortos? Que posso fazer para estar vivo?”

Acreditem, a única ciência que realmente vale a pena aprofundar é a ciência da vida, pois funciona como uma chave e abarca todas as outras. Vocês lêem e estudam, isso é ótimo, mas não é a leitura que lhes dará a vida. Em compensação, poderão entender melhor o que lêem se já tiverem avançado no campo da vida. E ainda que passem o tempo ouvindo ou tocando música, por mais bela e inspirada que seja, que poderá proporcionar-lhes essa música? Será que saberão, graças a ela, orientar-se melhor? Não, pois é necessário também um outro saber. Sem a ciência da vida, nada tem sentido. Conseguimos tudo o que queremos sem entender o desejo que nos move e sem saber o que deve ser feito com o que obtemos. Por isso, somos incapazes de aproveitar plenamente mesmo as conquistas mais difíceis.

Ficou claro por que Jesus insiste tanto na vida? Porque é a compreensão dela que nos permite entrar em relação com Deus, nosso Pai. Até então, só podemos ter concepções errôneas do Criador, pois são superficiais. Em vez de buscar Deus em nós mesmos, nessa vida que Ele nos deu, contentamo-nos com o que foi dito por outros a seu respeito, e então pesamos os prós e os contras, levantamos questões, duvidamos, nos perguntamos se Ele existe ou não... Dessa maneira nunca chegamos a nada. Mas faça com que a vida brote em você e nunca mais terá dúvidas sobre a existência de Deus.

Quando um Iniciado, instruído na ciência da vida, vê os motivos de preocupação dos seres humanos e como raciocinam... oh! Ele não fica indignado, não se irrita, apenas sorri... Ainda que alguns sejam muito capazes, eruditos, na realidade são ignorantes. Não têm consciência de que a vida é limitada no tempo e no espaço e está restrita ao que vêem; não sentem que há uma Existência acima da sua, e que é para Ela que deveriam voltar o pensamento. Suas buscas, suas aquisições são tão limitadas! Não lhes dão a mínima noção do que é a verdadeira vida que sai de Deus. Então, um Iniciado sorri gentilmente, muito amistosamente, sem magoar ninguém. Ele vê – e muitas vezes fica triste. Gostaria de ajudar, mas não só elas não o ouvem como se sentem muito satisfeitas consigo mesmas, dizendo: “Nós, os que compreendemos... nós, os inteligentes... nós, os normais... nós, os sensatos...”, e o olham com piedade: quem é esse velho com tantas idéias ultrapassadas?

Mas vocês, que estão numa Escola onde lhes ensinam a ciência da vida, o modo de entendê-la e realizá-la, tratem de levar a sério essa ciência! Ao longo das atividades do dia, procurem colocar-se em um estado de espírito em que a vida divina possa fluir através de vocês, vivificando todas as criaturas e todos os objetos ao seu redor. Quando o homem adquire consciência de que é o depositário da vida divina, a Mãe Natureza o considera um ser inteligente, verdadeiro filho da luz, e começa a amá-lo, abre suas portas e lhe oferece trajes de festa para que ele participe de seus banquetes e de seus mistérios.

O estudo da vida deve prosseguir por milhões de anos, pois é uma ciência sem fim. E é isto que a torna tão apaixonante. Uma vez tendo começado, você sente que jamais poderá parar. Eu escolhi essa ciência para minha profissão. Sim, foi essa ciência que escolhi, a mais desprezada, a mais desdenhada, sabendo de antemão que não encontraria muitos interessados em estudá-la comigo. Então, por que insisto? Porque aquilo que é desprezado hoje será apreciado amanhã. A ciência da vida é essa pedra de que fala Jesus: “A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular.”

Evidentemente, como eu me concentrei na vida, negligenciei os outros campos; por isso tenho grandes lacunas. Sou ignorante sobre uma série de coisas, mas isso não me preocupa. Se fosse possível, é claro que eu preferiria saber tudo, conhecer tudo, mas precisaria dedicar a isso muito tempo, muita energia, em detrimento da vida. Por outro lado, também cursei universidades, e poderia falar-lhes uma grande variedade de temas, como fazem milhares de professores e conferencistas pelo mundo afora. Só que me sentiria deslocado, fora de propósito, como se não fosse o meu trabalho, o meu dever, a minha vocação, o meu elemento... como se estivesse pisando num terreno que não é meu. Por isso, deixo todos os demais temas aos especialistas e me concentro na vida. Aprender a receber e a transmitir a vida, porque aí está a verdadeira magia.

Vocês jamais lamentarão ter dado à vida o lugar mais importante. Portanto, não esperem que ela os abandone para, só então, buscarem entender o que perderam ao correr atrás de todo o resto. Eu apelo ao Céu apenas isto: que me dê a vida, sem grandes preocupações em ter longevidade, mas apenas essa sensação de pertencer à vida cósmica, à vida do universo, das estrelas. E para poder falar-lhes assim da vida sou obrigado a trabalhar em minha própria vida. Caso contrário, o que poderia transmitir-lhes?

Embora esteja também fora de nós, a vida divina está em nosso interior. E embora não sejam lá muito numerosos, existem na Terra seres que já entenderam a importância e a beleza dessa vida. O que fazer, senão decidir participar do seu trabalho? Pois àquele que busca a verdadeira vida, Deus mostra onde estão os seres que a encontraram, para que possam ajudá-lo e levá-lo com eles. Mesmo em meio às maiores dificuldades, ninguém está completamente isolado. Veja o que costuma acontecer durante uma guerra: resistentes se agrupam em organizações, mudam de nome, passam a usar códigos, para que só possam reconhecer-se aqueles que decidiram lutar juntos pela liberdade de seu país... e acabam triunfando. Pois bem, o mesmo acontece com os filhos de Deus: dispõem de todos os meios necessários para se reconhecer e trabalhar juntos.

E quando houver na Terra muitos seres capazes de viver essa vida divina, ela transbordará por toda parte, como ondas de água pura; será verdadeiramente a nova vida, não só para alguns indivíduos aqui e ali, mas para toda a humanidade. Isso levará muito tempo, claro, mas pouco importa o tempo, é preciso dar início a esse trabalho, o trabalho dos filhos e filhas de Deus. Os filhos e as filhas de Deus só pensam em melhorar a vida, torná-la pura, luminosa, bela, abundante, a fim de propagá-la, distribuí-la, compartilhá-la com todos. Não será deles que Jesus dirá que são mortos ocupados em enterrar outros mortos; não, eles estão vivos, pois trabalham com ele para fazer fluir a vida divina.


5 comentários:

Gugu disse...

COMPARTILHO ALGUNS PENSAMENTOS DE AIVANHOV:

* "O meu Pai e eu somos um." Jesus só pôde pronunciar uma tal frase porque tinha feito um trabalho gigantesco sobre ele próprio. E é este trabalho que também nós devemos esforçar-nos por fazer, seguindo o seu exemplo.
Deus vive em nós e o Seu Reino está também em nós. Aquele que toma consciência de que é inseparável do Criador tem cada vez mais clareza para resolver os seus problemas e fazer o bem à sua volta. Ao passo que os que sentem Deus como exterior a eles estão abandonados só aos seus recursos, que são muito limitados. Este trabalho de identificação com a Divindade, encontramo-lo na prática hindu do Jnani-yoga, o yoga do conhecimento. O yogi aprende a meditar na fórmula "Eu sou Ele" (Ele, isto é, o Princípio Divino) e pronuncia-a até ela se tornar carne e osso nele. Nessa altura, o seu eu limitado, pessoal, já não existe: é só Ele, o Senhor, que existe no yogi, e a partir desse momento ele pode fazer maravilhas."

* "Nunca aceiteis a filosofia materialista da evidência, que faz a maior parte das pessoas dizerem: «As coisas são assim. Não podemos fazer nada contra.» Rejeitai também todos os raciocínios que justificam as vossas fraquezas atribuindo-lhes causas naturais: «Eu sou assim; é a minha natureza, e não se pode lutar contra a natureza.»
Do mesmo modo, se a doença surgir e quiser instalar-se em vós, procurai resistir. Mesmo doentes, esforçai-vos por alimentar a ideia de saúde, pois num corpo doente há sempre algumas células sãs que podem salvar as outras. Pela força do vosso espírito, recusai, pois, todas essas evidências: evidência da doença, evidência da fraqueza, das situações difíceis, do insucesso. Com esta atitude, salvareis pelo menos um átomo, cuja influência talvez acabe por conquistar todos os outros."

*"Imaginai que, há umas centenas de anos, um homem que queria trazer água até ao seu jardim fez uma vala na vertente de uma montanha. Pouco a pouco, sob o efeito das condições atmosféricas - a chuva, o vento, o gelo, o sol. - essa vala foi ficando cada vez mais funda, mais larga, e agora é um vale!
Do mesmo modo, quando vós fazeis um gesto, pronunciais uma palavra, lançais um olhar, fazeis um sorriso, cada um desses movimentos inscreve-se na matéria astral e todas as forças do mundo psíquico trabalham, como as forças da Natureza, para moldar essa matéria. Se inscrevestes algo bom, um certo tempo depois ficais alegres, em paz. Mas, se inscrevestes algo negativo, atenção!. Evidentemente, os resultados não surgem de imediato, mas sede pacientes e vereis os sulcos que traçastes no vosso coração, no vosso intelecto e na vossa alma tornarem-se verdadeiros vales, vales de lágrimas ou de alegrias."

- Omraam Mikhaël Aïvanhov

Gugu disse...

* A beleza, o encanto, as qualidades morais ou intelectuais. cada um julga saber aquilo de que gosta num determinado homem ou numa determinada mulher. Na realidade, o que todos amam é o Único, o Criador, que fez dos seres aquilo que eles são. Sim, é Ele que vós amais, é d'Ele que vós gostais através de todas as criaturas. Quanto mais o divino se manifesta nelas como bondade, sabedoria, beleza, luz, força, mais vós as amais.
Por isso, nunca podereis encontrar a plenitude e a alegria perfeita se, no ser que amais, não procurardes, para além dele, uma realidade mais vasta, mais rica. Depressa estareis enfadados e desiludidos. Procurareis então um outro amor, mas repetir-se-ão o mesmo enfado e a mesma decepção. Todas as objecções e todos os esforços que possais fazer nada mudarão nisso: enquanto não procurardes ver a Divindade naquele ou naquela que amais, não conhecereis a plenitude, pois ter-vos-eis enganado no caminho."

*"As representações de Deus, do Cristo, da Virgem e dos santos foram consideradas, por vezes, como sinais de idolatria e deram lugar, nos primeiros séculos do Cristianismo, a controvérsias intermináveis. Na realidade, a questão não está na existência ou não de imagens santas, a questão está em saber como considerá-las.
Os Iniciados têm uma atitude muito sábia sobre esta questão: não necessitam de estátuas nem de ícones, mas consideram-nos com respeito, porque sabem que toda uma ciência e toda uma pedagogia presidiram à sua criação. Uma estátua ou uma imagem não é um objecto de culto, mas simplesmente um instrumento, um suporte, para o pensamento, para a oração. E esta lei é válida não só para as imagens santas, mas também para tudo o que existe: através dos seres e dos próprios objectos, nós podemos sempre entrar em contacto com realidades mais longínquas, mais elevadas."

- Omraam Mikhaël Aïvanhov

Gugu disse...

* “Como a maioria dos seres humanos considera os animais? E como ela se comporta em relação a eles? O modo como exploram determinadas espécies é realmente ignóbil. Para obterem a carne, a pele, o couro, os chifres ou alguma outra parte do corpo do animal, eles não recuam diante de nenhuma crueldade.

Porém, os seres humanos estão condenados a pagar um preço muito caro por essa crueldade para com os animais. Aparentemente, as guerras têm apenas causas políticas, econômicas etc. Na realidade, elas também são consequência de todos os massacres de animais pelos quais os humanos são culpados. A lei da justiça, que é implacável, os obriga a pagar, com o seu próprio sangue, aquele que fizeram correr matando os animais. Quantos milhões de litros de sangue derramados sobre a Terra gritam vingança para o Céu! E a evaporação desse sangue atrai uma multidão de larvas e de entidades inferiores do mundo astral, que envenenam a atmosfera da Terra e alimentam os conflitos. Os seres humanos querem a paz – por assim dizer – mas enquanto continuarem a massacrar os animais, eles terão a guerra. Essa é uma verdade que não se conhece, e que talvez não seja aceita. Mas o fato de não ser aceita não mudará nada: os humanos serão tratados como tiverem tratado os animais.”

- Omraam Mikhaël Aïvanhov

Isis Ludmila disse...

Ah Gu! Também virei fã dele!! Esses comentários são celestiais!!
No texto, ri muito quando li: "Pois àquele que busca a verdadeira vida, Deus mostra onde estão os seres que a encontraram, para que possam ajudá-lo e levá-lo com eles." Esse é VC! Esse SOU EU!! E é QUEM está lendo isso!! E esse é o porque de todos nós nos encontrarmos!!

Mais uma dimensão da nossa Identidade:
"Os filhos e as filhas de Deus só pensam em melhorar a vida, torná-la pura, luminosa, bela,
abundante, a fim de propagá-la, distribuí-la, compartilhá-la com todos."

Gratidão!! Namastê _/\_

Gugu disse...

Eu nunca vi (ou percebi) uma co-relação entre os ensinamentos do misticismo e do esoterismo (ocultismo), até descobrir esse mestre. Segundo o que li, foi ele quem criou a famosa "Fraternidade Branca Universal". Infelizmente, dos materiais que já pude ler da FBU, nunca vi ninguém sequer citar o nome de Omraam Aivanhov. Muitas mensagens, em meu entender, eram grandes viagens na maionese. Se fossem escritas à luz do que ensina Aivanhov, o conteúdo das mensagens seria muito mais rico, lúcido, prático e real.

Deus se revela àqueles que o procuram sinceramente, aqueles que O desejam acima de todas as outras coisas.

"E então me invocareis, e ireis, e passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis, e me encontrareis quando me buscardes de todo o vosso coração. Serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei mudar a vossa sorte." (Jr. 29: 12-14)


Namastê!