"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sábado, março 17, 2018

PARAÍSO: UMA QUESTÃO DE PERCEPÇÃO

Superbook's Heaven #2 ceasle of God by AngeloVergil
- Dárcio Dezolt -


Assim como num cinema alguém é capaz de “ver o que se passa na tela”, e, também, “ver o que se passa fora dela”, isto é, no cinema em que se encontra, apenas dependendo de qual dos dois referenciais sua ATENÇÃO PLENA estiver focalizada, igualmente nos é possível “perceber que estamos no Reino de Deus” enquanto, aparentemente, “estivermos percebendo o suposto mundo material”.

Enquanto a maioria luta na matéria, sem saber contar com as leis mais altas que lhe estão disponíveis, há também aqueles que ainda consideram que “viver o Reino de Deus” significa viver uma vida terrena harmoniosa ou trabalhando em prol do próximo.

Isso se dá por ser a consequência confundida com a causa.

“Buscai o Reino de Deus em primeiro lugar”, e “TODAS AS DEMAIS COISAS – VOS SERÃO ACRESCENTADAS”.

Quem “busca o Reino” se torna apto a perceber que não existe mundo material em parte alguma! Deus é Tudo! A Luz é Tudo!

Portanto, o paraíso não é “outro lugar”, mas “este lugar”, apenas sendo espiritualmente discernido, ou seja, é quando assumimos a mente de Cristo e contemplamos as coisas como realmente elas são.

A partir disso, a nossa suposta ação visível deixará de ser vista como ação de um ser humano voltado a si mesmo ou ao próximo! Desaparecem as intenções de agirmos para o bem ou para o mal, e a frase “o Pai em MIM faz as obras”, dita por Jesus, fica plenamente entendida!

O paraíso, sendo percebido como sendo aqui mesmo, nos deixa a todos alinhados com a Verdade e sendo esta Verdade! Este discernimento nos leva à chamada “vida pela Graça”, isto é, a vida que flui espontaneamente em tudo e todos é discernida como sendo ação única de Deus, ou sendo Oniação.

A noção de vida humana pessoal é falsa e geradora de conflitos na aparência!

Por isso é fundamental mantermos esta visão iluminada dos fatos reais ou verdadeiros, em que nos vemos agindo em unidade com Deus e discernindo o mesmo Deus em todas as ações que estivermos percebendo além da nossa!

A visão da Unidade é a visão correta; é esta percepção de que o “paraíso” é aqui, não por fazermos algo de bom ou por deixarmos de fazer, mas, por reconhecermos nossa ação e a de todos como unicamente sendo Deus agindo! Isso nos elimina preocupações, inquietações e tensões, por estarmos ocupados unicamente em contemplar o Universo Oniativo de Deus.


Imagem relacionada

4 comentários:

Anônimo disse...

Boa noite!
Não consigo entender...Deus está agindo até nas pessoas que praticam más ações? Como Deus estava agindo ontem a noite em frente a minha casa quando um segurança e um assaltante trocavam tiros? Me sinto confuso em relação a isso. No texto entendi que ELE prática todas as ações através de nós e devemos apenas observar que somos apenas um canal.
Me ajudem por favor!
Grato

Gustavo disse...

Olá,

É o seguinte: este mundo pode ser percebido apenas de duas formas: 1) visão que nos faz perceber separação; 2) visão que nos faz perceber a unidade.

Na visão que nos faz perceber a separação, o mundo se nos apresenta como um lugar de dor, sofrimento e morte. Há violência, guerras, conflitos, escassez, doenças, aprisionamento, culpa, medo, punição. Para os que percebem o mundo com essa visão, todas as cenas que surgem possuem estes conteúdos. Quem vive a vida com essa percepção trilha o caminho certo para a morte.

Na visão que nos faz perceber a unidade, o mundo se nos apresenta como um lugar felicidade. As coisas ruins lá fora continuam existindo, mas para os que estão refugiados nesta percepção, a vida transcorre tranquila, alegre e em paz. É como se a pessoa tivesse uma espécie de "campo de proteção" em volta dela, e ela é atraída para situações boas e seguras. Quem vive a vida com essa percepção transcende aquilo que, neste mundo, é conhecido como "morte".

A triste notícia é que, mesmo nos dias de hoje, as pessoas que atingiram a percepção de unidade são pouquíssimas em relação às que estão presas na percepção de separação. A percepção de separação, em si, é uma prisão. É necessário um grande empenho para sair dela e entrar no estado de unidade.

É por isso que o mundo é muito mais violento do que pacífico: a maioria vive em seus egos, em um estado de separação. O ego é separação. Se todos os egos do mundo pudessem desaparecer neste instante, o planeta inteiro seria um lugar harmônico e pacífico. Mas a realidade neste mundo não é assim.

Por isso, a cena que você descreveu, de um segurança trocando tiros com um assaltante, não é um cenário expressando Deus, mas sim a AUSÊNCIA DE DEUS. O mundo físico/material que se apresenta aos nossos olhos é um lugar neutro. Ele não é bom, nem é mau. Ele é uma espécie de "vazio" à espera de ser preenchido. Estando em unidade, as imagens que se formam expressam a unidade, beleza, vida. Estando em separação, as imagens que se formam expressam separação, feiura, morte.

Quando o texto diz que Deus está agindo em todos, ele afirma isso apenas do ponto de vista da percepção da unidade.

A visão da Unidade é a visão correta; é esta percepção de que o “paraíso” é aqui, não por fazermos algo de bom ou por deixarmos de fazer, mas, por reconhecermos nossa ação e a de todos como unicamente sendo Deus agindo!

Portanto, buscar o estado de unidade é o que deve ser feito antes de tudo. Sem ter em mente a visão da unidade, os textos apresentados neste blog não farão o menor sentido.

Grande abraço!

Anônimo disse...

Gratidão por responder! Devo acrescentar que estou nessa estrada de auto conhecimento, de estudos como o CURSO EM MILAGRES que aliás fala exatamente de curar a ilusão da separação, filosofia, budismo, metafísica, física quântica, há uns 20 anos e confesso que tudo isso ressoa fortemente em mim como verdade mas existe um bloqueio gigantesco que não consigo transpor e que me impede de verdadeiramente sentir tudo isso com o coração. Sigo tentando.
Gratidão!

Gustavo disse...

Exatamente!

A ilusão de separação é a única coisa que precisa ser curada/corrigida.

Já que você é um estudante do "Um Curso em Milagres", lembre-se da primeira lição do livro de exercícios, que diz: "Nada do que eu vejo possui significado algum". Há, ainda, uma outra lição que diz: "o mundo que eu vejo é neutro". Isso significa que as coisas que vemos (e que existem neste mundo) são como "embalagens" vazias à espera de um conteúdo/significado que as preencha. E apenas dois conteúdos são possíveis: 1) separação; 2)unicidade. O mesmo mundo pode ser visto de duas formas diferentes, dependendo da visão/lente que utilizamos. Não ter significado intrínseco em si mesmo é o que faz com que o mundo seja mutável, inconstante, passível de variação e, por isso, incapaz de se definir permanentemente. Como pode algo real assumir ora uma feição, ora outra feição? É por isso que este mundo é ilusório, irreal, um sonho. Ele é como um quadro em branco: um quadro branco aceita que nele seja escrito 2+2 = 4 (verdade), mas também aceita que nele seja escrito 2+2=5 (erro). Na Matemática, a única possibilidade é que 2+2 é sempre igual a 4. Mas se você escrever 2+2 = 5, o quadro irá aceitar isso como se fosse possível.

Da mesma forma, este mundo aceita que nele seja desenhado imagens que não condizem com a Verdade, assim como também aceita imagens condizentes com a Verdade. Nem tudo o que se apresenta aqui vem de Deus. Se olharmos para o mundo com a visão que vê separação, as imagens que veremos serão representações de uma vida apartada de Deus (ausência de Deus).

Todo bloqueio pode ser transposto. É necessário dedicação e força de vontade, pois a ilusão, a matrix, o ego possuem mecanismos de defesas para nos manter aprisionados.

Grato por seu comentário.

Namastê!