"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Percepções conscienciais essenciais

- Núcleo -


Jesus compartilhou duas “percepções conscienciais” essenciais: A primeira: “O reino de Deus está dentro de vós”; e a segunda: “Eu Sou a porta”. É preciso notar que estando o “reino de Deus” dentro de nós, a “porta” que dá acesso a este reino também está!

Ao compartilhar estas percepções, Jesus não estava fazendo uma apologia de si mesmo, mas sim, revelando a realidade de que há em nós tanto o “reino” quanto a “porta”; assim sendo, há em nós tanto a “realidade divina” quanto a “percepção” desta realidade.

Esta percepção compartilhada por Jesus, esta percepção crística é a percepção consciencial, que é uma percepção unitária, pela qual tudo se revela como sendo o Ser Único. Enquanto a mente cinde a realidade e concebe a realidade aparente, a Consciência concebe a realidade única, na qual apenas o próprio Ser é Real.

Para expressar a realidade unitária, fruto da percepção unitária, Jesus usa expressões como: “Eu e o Pai somos Um” e ora assim: “Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam Um, como nós o somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na Unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, com também amaste a mim.”

Com esta percepção unitária ele revela que é o Ser Real dizendo: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”, e revela que este “Eu” é também a Porta, e diz: “Ninguém vai ao Pai senão por Mim”, “Eu sou a Porta”.

É preciso notar que ao compartilhar as percepções conscienciais sobre sua real identidade, Jesus não se refere ao “personagem” o qual “está sendo”, mas está se referindo ao Ser, a Quem É. Assim, quando Jesus revela: “Eu sou o pão que desce do céu”, é mal interpretado pela percepção das mentes daqueles que dizem: “Não é este Jesus, o filho de José? Acaso, não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: 'Desci do céu?'" [Jo 6. 41-42]

Outra revelação de Jesus causa ainda maior mal interpretação e confusão às mentes dos personagens e evidencia que percepções conscienciais só podem ser discernidas pela própria consciência, ou seja, só podem ser discernidas consciencialmente. [Na Bíblia é dito que as coisas espirituais só se discernem espiritualmente.]

A revelação de Jesus que causou escândalo entre os discípulos foi esta: “Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a Vida em vós mesmos. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a Vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia. Pois, a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele. Assim como o Pai, que Vive, me enviou, e igualmente Eu vivo pelo Pai, também quem de mim se alimenta por mim viverá. Este é o pão que desceu do céu, em nada semelhante àquele que vossos pais comeram e, contudo, morreram; quem comer este pão viverá eternamente.” [Jo 6:53-58] Estas coisas disse Jesus quando estava na sinagoga da Cafarnaum. [Jo 6:59]

A fim de evitar a mal interpretação às mentes dos personagens é que está sendo compartilhada uma percepção atemporal, de que há algo em nós capaz de discernir a realidade de Quem Somos. Esta percepção atemporal está sendo compartilhada pelo Núcleo através de muitos personagens que estão se despertando para o fato de que Deus é realmente onipresente e que Vive EM nós!

Na “superfície do Oceano” ele Se manifesta como incontáveis ondas, porém, permanece sendo Oceano. Da mesma forma, na “visão superficial” [que corresponde à visão mental] o Ser Real se manifesta como “personas” [máscaras que velam o divino]. Contudo, nas profundezas de Si mesmo o Oceano Se contempla como o infinito. Essa percepção aprofundada de Quem Somos é a percepção da Consciência, chamada “percepção consciencial”.

A palavra Núcleo é uma referência direta à palavra “âmago”, "fonte", "essência". Assim, se quer entender profundamente a sua própria religião é preciso “ir ao núcleo”, ir ao "âmago" ou "essência" de sua própria religião e transcender a visão superficial e conceitos mentais a fim de poder e perceber a profundidade da “mensagem divina” revelada por Deus, que aparece como o Mestre de sua religião.



9 comentários:

SERgio disse...

Beleza "transcendente" à "visão" mental comum, apontando para o subjacente Espírito Universal!

QUEM escreveu este texto, lembra-Me a frase que Eu disse:"Este é Meu Filho amado em Quem Me comprazo!"

Jesus representa na Bíblia,um personagem consciente de sua verdadeira Identidade:o Eu Sou Universal(Filho unigênito).
Outros personagens bíblicos, também "se deram conta".
Mas, com Jesus, se deu de uma forma bem marcante,com ele afirmando categoricamente "Eu Sou Filho de Deus",no sentido,claro,não humano!

Esse "Unigênito",é -bem entendido- o Espirito que é "tudo em todos",como percebeu,também, outro personagem desperto,Paulo, como consta ,também,na própria Biblia, por exemplo:"Cristo(Eu Sou) é tudo em todos" [Col.3;11],ou,"Estou crucificado! Não vivo mais eu,o Cristo vive em mim"[Gal.2;20].Etc.

É comum ouvir-se hoje, por aí, muitos dizerem: Ô,só vitória! Em nome de Jesus! Tá,mas...vitória de quem? Do eu personal?
E Jesus não dissera "abra mão de si","negue-se a si mesmo", "tome sua cruz,e venha após mim", "vinde a Mim"(ao Eu Verdadeiro)?

E visível que muitos ficam esperando um salvador,fora,para salvar seus eus não reais,personais,identidades falsas,com base na "visão" mental,que é visão "deste mundo",para leva-los
para o Céu.

Porém...a porta é estreita:não entra sua personalidade!
É preciso "renascer no Espírito","nascer de novo", no sentido de, pela Consciência do Ser, perceber sua Verdadeira Natureza.
Daí é percebido a "Unidade", a que se refere o Núcleo.

Assisti, a dias,um vídeo do Eckhart Tolle (outro em que a Consciência floreceu,por assim dizer),no qual este Homem citou que ,dentre os que entenderam Jesus ,estão "alguns budistas",ha ha...parece um absurdo,né? Mas talvez não seja...

A única maneira de a personalidade não morrer,seria ela não morrer,ou seja,ficar viva neste mundo, sendo um mutante,e unificada...sendo Deus vivo "aqui fora",claro,se for do critério do Divino...
Pro Céu,só vai(na verdade não vai,pois nunca saiu, pois o Céu é Aqui...)"Aque que desceu do Céu": o Eu Sou.

Peço desculpas,ao Administrador de blog,e ao Autor deste texto, do qual fiz este comentário, se me excedi.

Gratidão!

Namastê!


Anônimo disse...

Divino Amigo SERgio, que elucidativo comentário! Nuclear! Namaste. Silvano

Gustavo disse...

Realmente, SERgio, não há o que se desculpar.
Suas palavras foram muito conscientes.
Obrigado por compartilhar conosco sua percepção.
Sinta-se sempre à vontade para expressar suas ideias/insights/percepções aqui.

Muito obrigado!
Grande Abraço!

SERgio disse...

Caros Amigos,

Sou grato!

Namastê!

Gustavo disse...

SERgio,

Sobre a questão mencionada por você, de que a porta é estreita e nela não entra a personalidade, compartilho essas palavras de Adyashanti e AmmaBhagavan:

"Quando o despertar para a nossa verdadeira natureza ocorre, nossas mentes não estão mais olhando para o vazio, porque não existe um alguém separado para olhar para ele. Nós percebemos que a única coisa que está olhando para o vazio é ele mesmo.
Essa é outra razão pela qual eu não sou o primeiro a dizer que não existem indivíduos iluminados, existe apenas a iluminação. É a iluminação que desperta. Não eu ou você. Eu e você somos vistos como insignificantes e inexistentes. A iluminação desperta.
É por isso que se diz que todo mundo é inerentemente iluminado.
Mas essa afirmação é enganadora porque implica que todo mundo é um pequeno, especial, único e separado alguém que é inerentemente iluminado, e isso falha o objectivo. Uma ilusão não pode ser iluminada."
(~ Adyashanti)

"Sendo uma ilusão, o 'eu' não pode ser iluminado. O 'eu' é apenas um conceito. 'Você' não Desperta, 'você' não alcança a Iluminação, 'você' não consegue a liberação. O Despertar lhe ocorre, a Iluminação acontece com você. É um presente de seu Divino!. Dizer 'eu estou Desperto' é uma mentira. A consciência ou a divindade Despertou em você. É o destino natural de cada ser humano." (~ Sri AmmaBhagavan)

Namastê!

SERgio disse...

Gustavo,
Quando citei que a "persona não entra", referi-me ao ponto de vista daqueles que vendo-se como pensam que são, acreditam que vão para a Glória, Céu, Nirvana...

Sim, o "eu" conceitual não se Ilumina. Iluminação é o aparente
sumiço dessa ficção. E mesmo do ponto de vista da Consciência, nem o conceito de "Iluminação" , siquer tem sentido.

O conceito de "Exclarecimento e ignorância", só aparenta existir do ângulo, também aparente, da relatividade.

Espero não ter "chovido no molhado". Principalmente, para você. Rs...

Namastê,

Gustavo disse...

Perfeita explanação!

Namastê! _/\_

Silvano disse...

Muito bons textos e comentários!

É por isso que no Núcleo se diz que a experiência de iluminação ocorre apenas na Representação Divina e que o personagem não se ilumina. Isto porque a "mente do personagem" é da mesma natureza da Representação. É o que Masaharu Taniguchi chama de "mente em ilusão". Por isso, diz ele, ela não evolui e não alcança a iluminação por meio do despertar. Isso foi o que ele percebeu, certamente desfrutou e abertamente compartilhou sobre sua experiência do despertar.

Por ser centrado na percepção [da Consciência do Ator, que subjaz ao personagem] o ensinamento do Núcleo não é centrado em um personagem específico, pois, sendo a percepção do Ator, os que a revelaram e compartilharam declararam ser essa percepção de Deus, e não deles.

Por isso, todos os que percebem... desfrutam e compartilham!

Devemos seguir esse exemplo divino, pois não há percepção sem ação!

Namaste.




SERgio disse...

Namastê!