"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

quinta-feira, novembro 28, 2013

Alcançando Deus, Alcançando o Nirvana


 Thich Nhat Hanh

Tanto na prática cristã quanto na prática budista, se você não for capaz de alcançar com suficiente profundidade o mundo fenomenal, será muito difícil, ou talvez impossível, alcançar o mundo numenal – a origem de ser. Se você tem consciência de que o ar fresco está lá e se consegue alcançar e usufruir profundamente o ar fresco, você tem a chance de tocar a base do ar fresco. É como a onda alcançando a água. A prática de tocar profundamente as coisas no nível horizontal nos dá a capacidade de alcançar Deus – de tocar o nível numenal ou a dimensão vertical.
Sabemos que a onda é a água e também que a água é a base da onda. A onda sobre porque esquece este fato fundamental. Ao se comparar com outras ondas, ela sofre. Sente raiva, inveja e medo porque não consegue tocar a base do ser, que é a água. Se a onda conseguir tocar profundamente a água, sua base de ser, ela transcenderá seu medo, inveja e todos os tipos de sofrimento.
Alcançar esta suprema dimensão proporciona-nos um imenso alívio. Temos que praticar na vida cotidiana para que nos tornemos capazes de alcançar a suprema perfeição. Você pode alcançar a suprema perfeição quando bebe uma xícara de chá ou quando pratica meditação enquanto simplesmente caminha. Podemos atingir o mundo numenal entrando profundamente em contato com o mundo fenomenal.
No budismo, falamos de nirvana. Não julgamos possível falar sobre nirvana porque se trata do nível numenal, onde todas as noções, conceitos e palavras são inadequados para descrevê-lo. O máximo que podemos falar sobre nirvana é que ele transcende todas as noções e conceitos.
No mundo fenomenal, vemos que existem nascimento e morte. Há chegadas e partidas. Ser e não ser. No entanto, no nirvana, a base da equivalência a Deus, não existem nascimento, morte, chegada, partida, nem ser ou não ser. Todos estes conceitos precisam ser transcendidos.
É possível alcançar o nirvana? O fato é que vocês são o nirvana. O nirvana está à disposição de vocês vinte e quatro horas por dia. É como a onda e a água. Vocês não precisam procurar o nirvana em outro lugar ou no futuro. Porque já são ele. O nirvana é o princípio do seu ser.
Uma das maneiras de alcançar o mundo do não-nascimento e da não-morte é alcançar o mundo do nascimento e da morte. Seus próprios corpos contêm nirvana. Se se aprofundarem bastante nele, alcançarão o princípio dos seus seres. Se pensam que só conseguirão alcançar Deus abandonando tudo no mundo, duvido que conseguirão alcançá-lo. Se estiverem buscando o nirvana rejeitando tudo que existe em vocês e à sua volta, ou seja, forma, sentimentos, percepção, concepções mentais e consciência, não conseguirão atingir o nirvana de maneira alguma. Se eliminarem todas as ondas, não haverá água para tocar.

2 comentários:

Gugu disse...

POR TRÁS E ALÉM DA REPRESENTAÇÃO

Pensamento comentado de Sathya Sai Baba para o Dia 29/11/2013

Os comentários estão entre chaves {…}

“Muitas vezes, você está ciente de que há algo por trás e além de toda a fantasia fugaz, algo que persiste através de todos os sucessos e derrotas, lágrimas e sorrisos, alegria e lamento { Muitas vezes, você está ciente de que há o Ser Real por trás e além de toda a representação } - mas você { enquanto se identifica com quem está sendo, com o personagem que está representando} é incapaz de compreendê-lo e perceber que é a mesma Entidade {que é o mesmo Ser Real} que sustenta todo o Universo. Você {Quem você é, ou seja, Aquele que você é…} é realmente uno com a estrela mais distante e com a menor folha de grama – você {Quem você é} brilha como o orvalho na pétala da rosa, você {O Ser que você é…} é parte integrante de toda essa manifestação! As escrituras ensinam essa verdade através de muitas parábolas, e até mesmo diretamente, pela experiência dos santos e místicos {pela experiência compartilhada dos personagens despertos}. Por meio da meditação e da prática da disciplina espiritual, você pode estar ciente de si mesmo como tudo isso {pode estar ciente de Quem você é}. Hanuman {um personagem védico desperto}. pode ter a forma de um macaco, mas não se deixe levar pelo envoltório exterior (Upadhi) {não se deixe levar pela aparência de Hanuman}. O Senhor era Sua própria respiração; cada fio do cabelo de Hanuman ecoava com o Nome do Senhor Rama.”

Claudio Elias Do Nascimento disse...

Muito bom lindo texto