"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

terça-feira, junho 12, 2012

Deus somente

Sathya Sai Baba


“Conhecer Deus é o empreendimento mais importante da vida. O homem deve conhecer Deus, falar com Deus. Isto é realização. Isto é religião. De nada vale conhecer todas as outras coisas quando se desconhece Deus.

Todo ser humano é uma manifestação de Deus. Todo objeto manifesta o Divino. Nada há no mundo que não seja uma manifestação de Deus. Não tenham nenhuma dúvida de que o Cosmos é permeado por Deus e de que tudo está contido n’Ele. Não há sequer um átomo no Universo que não seja permeado pelo Divino.

Tentamos descobrir Deus buscando-O por todo Universo, mas deixamos de investigar Sua existência em nosso interior, como a própria essência e princípio básico de nosso ser. Com a descoberta de nós mesmos, de nosso Ser, toda a lamentação cessa e atingimos a felicidade suprema. Este é o verdadeiro autoconhecimento.

A mente é a espada de dois gumes: pode salvar, mas, igualmente, escravizar. A meditação, de fato, é o primeiro passo para a autorrealização. A razão por que tenho chamado este o primeiro passo de seu treinamento é que hoje há um considerável número de pessoas que não podem tolerar dificuldades e inconvenientes e, ainda assim, desejam coisas maiores, mais subjetivas. Esta disciplina, a qual a si mesmos vocês impõem, os conduzirá à felicidade e à glória.

Mediante dhyana (meditação) você mergulha na ideia da Universalidade e Onipotência de Deus. Não é para você uma diária constatação que uma preocupação maior domina uma outra menor e o leva a esquecer-se desta? Quando você plenifica sua mente com a de Deus, quando por Ele você anseia e a Ele levanta seu clamor, todos os demais anseios, todos seus desapontamentos e mesmo todas as realizações desmaiam, sumindo na própria insignificância. Você esquece tudo. Desejos, frustrações e realizações jazem submersas na inundação do divino anseio e, logo depois, no próprio Oceano da Bem-aventurança.

Você contempla as estrelas no espaço, mas conserva inexplorado o céu interior. Vasculha a vida alheia assinalando erros e falando mal das pessoas, mas não cuida de analisar seus próprios pensamentos, atos e emoções para julgar se são bons ou maus. Os erros que nos outros você vê não passam de projeções dos seus próprios; o bem que nos outros observa é o reflexo de sua própria bondade. Só mediante a meditação (dhyana) você poderá cultivar o bem-ver, o bem-ouvir, o bem-pensar e o bem-agir.

A meditação verdadeira é ficar absorvido em Deus como único pensamento, a única meta.
Deus somente, apenas Deus.
Pense em Deus, respire Deus, ame a Deus, viva Deus.”


5 comentários:

Anônimo disse...

Tudo muito legal, Masaharu Taniguchi, Dárcio Dezolt, Sai Baba... leio e concordo com tudo, é isso ai, no entanto, e para conseguir esse estado de consciência, esse despertar? Parece tão simples, Masaharu Taniguchi fala "basta que...".

Todos dizem: "Façamos, nos libertemos, despertemos, basta isso!", como se fosse fácil, mas não é, de fato não é. Talvez esta seja a impressão de quem já o fez.

A impressão é que todos sugerem fazer algo, mas ninguém diz como fazer.

O Dárcio mesmo, de quem adoro as postagens, fala para partir do referencial da Luz. Mas como se parte de um "lugar" que não se conhece? Se eu pudesse partir do referencial da Luz, não ia para lugar algum, ficava exatamente onde estava, na Luz.

Depois de anos, eu estou chegando à conclusão que nem meditar de verdade eu consigo. Meditar de verdade, conseguir esse estado meditativo que sugerem já seria uma benção, a Luz.

Abraços,

Rick

Gugu disse...

Rick,

Que comentário sincero, consciente, belo e profundo!

As suas palavras mostram que você se dedica, acredita, e que você busca e se importa com a Verdade Eterna - Deus ou Luz.

Se fosse possível dizer com as palavras "como fazer", todos os mestres e autores do mundo inteiro já o teriam feito, não tenha dúvida disso.

Realmente, todos eles sugerem que algo seja feito, mas não nos dizem como fazer, apenas pelo fato de que não há como. Mas, em compensação, eles também dizem sempre que a Verdade já está em andamento, ou seja, aquilo que precisamos fazer JÁ ESTÁ SENDO FEITO NESTE EXATO INSTANTE, porque não somos nós quem fazemos. Mesmo eles, que estão conscientes da Verdade, dizem: "Não somos nós quem fazemos. É Deus quem faz. Não precisamos fazer nada". Então, a nós tudo o que sobra é uma atitude de aceitação de nossa parte. Isso é tudo o que nos é requerido - a nossa aceitação sincera, com coração de criança.

Nenhum humano pode conscientizar ou alcançar Deus. Se esse estado já não estiver feito, se Deus não o tiver feito alcançado, então jamais o homem conseguirá. "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam". Se o referencial da Luz já não estiver brilhando - e em andamento -, e se nós não já estivermos conscientes dele, então é tudo inútil. Será impossível para sempre, pois o homem jamais poderá fazer nada. Precisamos ter a consciência de Quem faz. Não somos nós quem fazemos. "Eu de mim mesmo nada posso, nada faço; o Pai em mim é quem faz as obras", disse Jesus.

Se tudo já está feito, então basta tão somente uma aceitação incondicional de nossa parte - a coisa já é. Descansemos, então, nessa informação, nessa revelação! Confiemos nela, e deixemos que a Consciência se revele a nós em nossas meditações. Não há nada a fazer. Deus se encarrega de tudo.

Há na Bíblia uma passagem que diz assim: "A peleja não é vossa, mas de Deus. Ficai parado, e vede o salvamento que o Senhor vos dará." (2 Cr 20:17)

Se pudermos ficar receptivos, em silêncio, a Consciência, que é a "pequenina voz suave" poderá ser ouvida. Realmente, não há nada a fazer. Apenas isso: "Aquieta-te, e sabe: Eu sou Deus".

Realmente, não foi a toa que Osho disse: "Não há nenhum caminho, nenhum lugar para se ir, nenhum conselheiro, nenhum professor, nenhum mestre. Parece difícil, parece áspero, mas estou fazendo isso porque amo vocês."

Por isso, eu entendo muito bem o seu comentário. E você também escreveu: "depois de anos, estou chegando à conclusão que nem meditar eu consigo. Meditar de verdade, conseguir esse estado meditativo já seria uma bênção, a Luz". Essas palavras mostram o quão consciente você está, e o quão sedento está por Deus. Os seus reconhecimentos, em minha opinião, demonstram de que você está no caminho certo - andando em cima da navalha; a coisa é por aí mesmo.

Então, se você já descobriu que não consegue meditar de verdade (pois a meditação verdadeira é o próprio estado da Luz), então procure começar a confiar nas revelações: "não há nada a fazer, já está feito", "aquiete-se e saiba: Eu sou Deus", "a peleja não é vossa; ficai parado e vede o salvamento que o Senhor vos dará". A peleja para encontrar/atingir esse estado de consciência não é sua. Jesus revelou que "é do agrado do Pai dar-vos o Reino", então ele já é seu pela graça. Confie nisso com coração de menino, e descanse. Você consegue imaginar ou conceber um filho de Deus tendo que fazer força extraordinária e desesperada para conscientizar e viver no Reino de Deus? Nós não temos a mente do mundo que só vê e conhece as coisas do mundo, temos a Mente de Cristo. É com essa mente que reconhecemos o referencial da Luz e discernirmos o Reino de Deus.

Gugu disse...

Rick,

Fazendo uma complementação final, eu gostaria de dizer:

A conscientização e experiência de Deus dependem do nosso envolvimento com as revelações. Precisamos compreender a relação que temos com as revelações, porque teremos de lidar com elas. Uma revelação é algo que vem do Alto, de um lugar o qual não temos como conhecer ou saber por nós mesmos. Se a informação do plano da revelação não vier até nós, jamais nos seria possível saber daquela informação. E, quando uma revelação nos chega, não há realmente como termos certeza dela a partir de nossa condição humana.

No exemplo que vou dar, a revelação seria algo assim: você está no meio do deserto, sem comunicação com o mundo, completamente longe da civilização, e principalmente de casa. Então, de longe você vê um camelo andando em sua direção com uma pessoa montada em cima dele. O camelo se aproxima, e você percebe que é um amigo seu que está andando em cima do camelo. O camelo para na sua frente e o seu amigo diz: "Rick, procurei por você em todo lugar, ainda bem que te encontrei. Tinha que fazer essa carta chegar nas suas mãos, porque você precisa saber dela". Você toma a carta na mão e a abre, nela está escrito: "sua mãe está muito doente, pode morrer a qualquer instante". Ao terminar de ler a carta, você percebe que seu amigo já não estava mais lá, tinha ido embora. Então, devido à mensagem da carta, você começa a ficar triste, angustiado, preocupado. Esse é seu estado, o resultado provocado em você. Então, no dia seguinte, o seu amigo volta com outra carta em mãos, dizendo: "me desculpe a informação que lhe dei ontem estava errada, a sua mãe está bem, saudável e feliz - essa é a carta que você deve considerar". Novamente, você não tem absolutamente condição alguma de ir averiguar se o que a carta diz é correto, mas a informação que ela lhe fornece é capaz de te fazer mudar repentinamente da tristeza para o estado da alegria, alívio e gratidão. Pronto, essa é a situação. Fim do exemplo.

Continua...

Gugu disse...

A situação do Rick, no exemplo dado, é a situação de cada homem e mulher quando o assunto é a busca espiritual e a conscientização de uma Verdade acima "deste mundo".

Este exemplo contém exatamente a circunstância que lhe permite entender o que é uma revelação, qual a sua relação com ela, e o resultado que ela pode ocasionar em você, dependendo das suas escolhas e do seu estado de aceitação.

Perceba a situação: você está longe de tudo, é impossível para você naquele momento ir até a sua casa para verificar se a mensagem da carta é verdadeira. A informação veio até você. Você tem de confiar nela! A você, tudo o que lhe cabe é aceitar. É claro, você pode optar por acreditar ou não naquilo que lhe está sendo revelado. No caso das revelações, a mensagem do Alto que nos chega é: "nós somos filhos de Deus", "Temos a mente de Cristo", "o Reino de Deus já nos está dado", "Já vivemos no Reino de Deus", "Deus é o nosso ser", "Já somos completos, perfeitos, e plenos". É isso o que está escrito nas cartas que nos chegam às mãos. O que devemos estar conscientes é de que temos algo a fazer com isso! Não são meras palavras vazias! Temos de fazer algo com elas. Temos uma escolha a fazer, a partir do que nos está sendo revelado. E perceba: aquilo que escolhermos acreditar tem de alterar imediatamente o nosso estado de espírito! A revelação vem para mexer com a gente, com o nosso ser, senão não adianta de nada. Como você reagiria se descobrisse verdadeiramente que é, nesse exato instante, o filho amado de Deus? A palavra de Deus dirigida a cada homem é: "Este é o meu filho amado, em quem me comprazo". Aceite! Tome isso como a verdade sobre você, e relaxe e descanse, e vá viver com ânimo e alegria de filho de Deus. A partir desse estado de espírito, as coisas que desejamos conhecer serão nos mostradas.

É isso! Trabalhe com as revelações. Não temos nada a fazer. Deus já fez. É Ele Quem faz. A nós, basta desfrutar e aproveitar. A nossa receptividade e aceitação é requerida.

Namastê!

Grande Abraço!

Anônimo disse...

Obrigado pelo presente em forma de sua valiosa resposta, Gugu!

Seja lá como for, admiro muito e valorizo sua seriedade nesse assnto tão importante!

Abs,

Rick