"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

segunda-feira, setembro 26, 2011

Deus - 1/2

Joel S. Goldsmith


Quando dizemos "Eu sou Deus" ou "Eu guio o meu Universo", não estamos dizendo que um ser humano é Deus ou que um mortal é espiritual. Nunca se esqueça que é um absurdo tentar espiritualizar um homem mortal ou criar Deus num ser humano. Este foi um dos erros da religião, em todos os tempos - destacar algum indivíduo e fazer dele um Deus: escolher alguma pessoa, algum ser humano e fazer dele um Deus. A verdade é que só Deus é Deus; mas Deus é a individualidade, a identidade e a realidade de cada um de nós, quando vencemos os nosso sentido de humanidade. Frequentemente, quando você vê pessoas que trabalham a partir do ponto de vista de que "eu sou", você as achará confusas, perambulando e dizendo: "eu sou Deus". Essas pessoas tendem a perambular com a carteira vazia, com um corpo doente, a usar óculos e, no entanto continuam a dizer: "eu sou Deus". Você pode ver como isso é ridículo, porque isto não é Deus de forma alguma. Eu sou Deus.

Este Eu é um ser universal, infinito, onipresente, e Ele é a realidade do seu ser e do meu ser, quando superamos o sentido humano do eu. Você não eleva o sentido humano e o torna imortal ou espiritual. Eis a razão pela qual os tratamentos que dizem: "Você é espiritual" ou "Você é perfeito" ou "Você é rico" têm pouco valor. Tais afirmações não são, de forma alguma, verdadeiras. Se elas fossem verdadeiras, você não acharia necessário repetílas. Você pode imaginar um Rockfeller ou um Carnegie, ou qualquer homem de fortuna reconhecida, perambulando e dizendo: "Eu sou rico"? Você quase nunca ouve uma pessoa saudável dizer: "Eu sou saudável". Quando você faz estas afirmações, é porque acredita que é o oposto. Você está tentando se enganar, ao acreditar que é algo que realmente não é. Quando você simplesmente repete as palavras: "eu sou Deus", isso não é verdade, mas quando OUVE essa palavras DENTRO de você, esta é a Verdade. Isto é Deus Se anunciando como a realidade. Quando você ouve uma voz dizendo: "Não sabeis que eu sou Deus?", você ouviu a Verdade e, ao ouvir esta Verdade, tudo que é mortal desaparece. Pelo menos, desaparece num certo grau; e como, mais e mais, você ouve a pequena voz silenciosa, haverá cada vez menos do humano, ou do aspecto humano, a ser dissipado. Isto é confirmado na afirmativa do Mestre: "Eu venci o mundo". Ele não disse "Eu me aperfeiçoei nas coisas do mundo" ou "Eu melhorei a saúde deste mundo ou a riqueza deste mundo". O Mestre saiu do mundo. Ele disse: "Eu venci o mundo". E novamente, você encontrará esta mesma idéia em sua afirmativa: "Meu reino não é deste mundo". "Meu reino" - o reino de Cristo, o reino espiritual - não é o do mundo humano. Você não pode trazer o Cristo para o mundo humano, mas pode vencer o mundo humano e encontrar este reino interior, onde o Cristo é rei.

Em nossa passagem favorita de Lucas, você encontra: "Porque os pagãos de todo o mundo é que buscam tudo isso" (Lucas 12:30) - coisas para comer, coisas para vestir e coisas para possuir. O que são os "pagãos de todo o mundo"? Quem são as pessoas do mundo? Não são aquelas cuja consciência está concentrada nas coisas, as pessoas que habitam um ambiente de coisas, adquirindo coisas ou precisando de coisas - COISAS, COISAS, sempre COISAS. Os pagãos de todo o mundo estão buscando coisas, mas não vocês - não "vós, meus discípulos"; vós, de consciência espiritual. Vocês não estão buscando coisas; vocês estão buscando a percepção consciente de Deus como a realidade do seu ser. Isso é tudo o que você pode buscar neste trabalho, e esta atitude atinge seu resultado na declaração de Paulo: "Eu vivo, mas já não sou eu, é Cristo que vive em mim". Quando você diz: "Cristo vive em mim", esta não é uma fala mortal. O mortal, o ser humano, aquele que planeja, deixou de existir e se tornou uma testemunha da atividade do Cristo - da vida do Cristo. Agora, você está observando o Cristo trabalhar EM você, ATRAVÉS DE você e COMO você.

Você está rejeitando o aspecto humano e vivendo sua Cristandade, quando não está pensando, planejando, se preocupando, temendo, duvidando; em outras palavras, quando a mente humana está menos ativa como um aparelho que pensa e mais ativa como um estado de percepção. Quando seu pensamento é o testemunho de Deus em ação, observando Deus se manifestar, então você está vivendo mais a vida de Cristo e menos a vida humana. Quanto mais você achar necessário planejar seus dias, semanas, meses e anos, mais você terá de se preocupar com sua vida; quanto mais o aspecto humano é evidente, menos evidente é o aspecto espiritual. Por outro lado, você está vivendo o seu estado de Cristo na medida em que você encontra o seu trabalho de todo dia, a sua provisão e toda sua atividade se desenvolvendo de uma forma espontânea, normal e natural - quando isso acontece, você pode dizer: "O Eu, Deus, é a realidade do meu ser". Você atingiu um lugar na consciência onde entende o significado do Eu sou Deus. Este Eu, que se torna a lei para o seu ser, não é o pensar consciente de você ou do Eu. É a Consciência divina do nosso ser, revelada no grau, no qual o pensar consciente, no sentido de planejar e de lutar, deixa de existir.


DEUS É A INDIVIDUALIDADE INFINITA

Não anulamos a nós mesmos, nem destruímos nossa individualidade, neste caminho - nós a ampliamos. Mas, neste ponto, devemos entender que Deus é infinito em Sua individualidade e que, portanto, Deus está expressando essa individualidade como você ou eu. Essa individualidade ainda é Deus, mas é Deus se manifestando como você ou como eu. Sendo isto verdade, você pode dizer: "Eu venci o mundo", ou "Eu e o Pai somos um", ou "Eu vivo, mas já não sou eu quem vive, é Cristo que vive em mim", ou "Eu sou o Caminho"; qualquer coisa que dê a você este sentido do Eu e que, ao mesmo tempo, subordine a individualidade humana e não a glorifique:


"Glorifica-me... concedendo-me a glória que tive contigo" (João 17:5) Glorifica-me com toda Tua glória. Deixa que tudo o que eu sou ou faço seja Deus em manifestação - não a glorificação do meu conhecimento, de minha percepção ou realização pessoais.


Ser glorificado pela Glória de Deus não deixa espaço para glorificarmos o aspecto humano e chamarmos este aspecto de Deus, ou mesmo para chamá-lo espiritual. O aspecto humano não deve ser espiritualizado; o aspecto humano deve ser vencido. Nunca será necessário vencer algo que tenha uma natureza espiritual. Mas você deve vencer este mundo; deve vencer a individualidade pessoal. Deve entender o Mestre quando ele diz: "Eu nada posso fazer por mim mesmo" (João 5:30). Ele estava rejeitando seus próprios poderes pessoais, ou o pensar consciente, e reconhecendo: "O Pai que habita em mim é quem realiza as obras" (João 14:10). Esse Pai interior é o Eu, ou o Eu sou, ou a Realidade do ser.

Só Deus é Deus. Este é o ensinamento do Caminho Infinito: só Deus é Deus, o homem não é Deus. O Caminho Infinito nunca ensina que o homem é Deus. Mas Deus, sendo infinito, se manifesta como individualidade infinita - Deus se manifesta como a totalidade de você e de mim quando vencemos o mundo. Quando vencemos a tentação de nos interessarmos pelo pequeno 'eu', quando não mais nos preocupamos com essa individualidade pequena, então podemos dizer: "Eu sou Deus", porque isso realmente é verdade.

Até agora, nossa atenção no mundo esteve focalizada nas pessoas e nas coisas. Não fazia diferença a forma pela qual as coisas apareciam. A ênfase sempre esteve na saúde, na riqueza, na harmonia, no lar, ou no companheirismo. A transformação que se faz necessária, agora, é uma reviravolta completa, para onde o pensamento esteja focalizado em nossa consciência, e a habilidade de deixar essa consciência fluir de qualquer forma necessária para o nosso desenvolvimento.

Não nos preocupemos com coisas nenhuma, com pessoa alguma ou com qualquer demonstração. Nada que aparece no mundo dos efeitos é de nosso interesse. Isto não significa que estamos eliminando as pessoas ou as coisas da nossa experiência. Pelo contrário, como o interesse pelas pessoas e coisas deste mundo diminui, geralmente nós as temos com mais abundância, só que, agora, as utilizamos no sentido correto. Por exemplo, se um anel chega até mim, eu o uso e gosto dele, mas não há nenhum apego, nenhum sentido de posse, nenhum sentido de desejo. Ele apenas vem para mim, eu o uso e gosto dele - e isso é tudo. Agora, a mesma coisa pode ser verdade quanto a roupas, amigos ou parentes. Pode ser verdade quanto ao casamento. O que quer que a consciência traga para mim, eu uso e gosto. Mas não há nenhum sentido de posse, nenhum sentido de necessidade, de pedido ou de desejo. Há só a percepção de que Deus, como minha consciência, está aparecendo para mim todo o tempo, em toda forma necessária para a minha experiência, observando como ela se manifesta no dia a dia. Deste modo, todo poder está colocado mais na consciência do que nas coisas.

Tomamos o primeiro mandamento e percebemos que todo o poder está em Deus - a Consciência do meu ser - e porque a natureza de Deus ou da Consciência é a inteligência infinita e o amor divino, Ele não só sabe de nossa necessidade antes de nós, como Ele tem o amor necessário para suprir o que quer que seja preciso para a nossa manifestação. Portanto, quando estamos centrados na verdade que "Eu e o Pai somos um" (João 10:30), o Pai é revelado como a consciência infinita, divina e espiritual do ser individual. Sua natureza é a sabedoria infinita, o amor divino; portanto, Ele está sempre Se emanando como a minha experiência harmônica e diária. Deus, minha consciência, está aparecendo para mim, cada dia, na forma necessária para a realização daquele dia.


DEUS É A PLENITUDE

A palavra "plenitude" - totalmente pleno - é uma palavra importante para nós. Nós estamos sempre plenificados, estamos sempre num estado de plenitude, já que Deus está Se plenificando como o nosso ser individual. Deus está plenificando a Sua glória, a Sua graça, o Seu poder e a Sua soberania como nossa experiência individual. Devemos chegar àquele lugar onde Deus se emana como nós, através de nós, em nós e para nós, e Deus deve se tornar uma realidade viva.

Há um ensinamento que afirma que Deus é a mente divina, uma substância disforme, e que imprimimos nossos desejos sobre essa mente e, então, nossos desejos aparecem como forma. Esse ensinamento faz de Deus um veículo através do qual podemos conseguir o que queremos. A abordagem do Caminho Infinito é o inverso disso. Em nosso trabalho, não temos nenhum anseio, nenhuma necessidade, nenhum desejo; não temos nada para "imprimir" sobre a mente divina. Não estamos nos preocupando com o que precisamos, porque não sabemos o que precisamos. Não sabemos onde estaremos amanhã. Não temos nenhuma idéia, além do mais, do lugar que estamos destinados a preencher no esquema espiritual da existência. Portanto, nossa atitude é o inverso de qualquer ensinamento que faria uso de Deus. A Inteligência divina ou a Consciência, sendo a sabedoria infinita e o amor divino, conhece a nossa necessidade e, porque a natureza de Deus é plenificar-se como a nossa manifestação individual, Ele faz todas as coisas necessárias, sem mesmo estarmos cientes do que precisamos, do que queremos ou desejamos, ou de onde deveríamos estar.

Esta não é uma atitude de "deixe Deus agir", já que isso envolveria um sentido de separação de Deus. É, antes, o entendimento de que já que Deus é a minha verdadeira inteligência, eu sou sempre governado inteligentemente. Já que Deus guia o meu ser de forma divina, então minha experiência está sempre expressando o amor, a perfeição, a harmonia ou o bem divinos. Já que Deus é o bem infinito e tudo o que o Pai tem é meu, esta infinitude está se expressando como a minha experiência.

Esse ensinamento não é fatalista, não é uma aceitação resignada de que: "O que quer que aconteça, foi Deus quem quis" ou "Eu aceitarei o que Deus me mandar". Tal atitude é a dualidade ou duplicidade. Este caminho é a afirmação e a reafiamação das grandes verdades:


"Eu e o Pai somos um." (João 10:30);
"Todos os meus bens são teus." (Lucas 15:31);
"O lugar onde estás é solo sagrado." (Êxodo 3:5).



Deus está sempre Se plenificando como a nossa experiência individual. Então, nessa consciência, podemos dizer: "Deixe a Verdade se manifestar, como Ela faz, já que a Sua vontade está só na natureza da sabedoria infinita e do amor divino". Você vê a diferença? Existe um Deus. Deus é. A harmonia é. Não podemos criar essa harmonia com o nosso pensamento; mas, através do pensamento, podemos nos tornar cientes do fato de que Deus é a lei infinita, de que Deus é o princípio infinito e divino, sempre Se expressando como a harmonia, a sabedoria, a inteligência e o amor de nossa experiência.

Isto é conhecer a verdade e a verdade nos torna livres. Conheça a Verdade. Não se interesse pelas coisa do mundo - quer elas sejam uma casa, dinheiro, um emprego ou uma oportunidade. Interesse-se apenas pela percepção de que Deus está se plenificando como sua experiência individual, de que Deus, a consciência do seu ser, está sempre aparecendo como a forma necessária para sua manifestação. Mantenha firmemente o pensamento em Deus, mantenha continuamente o pensamento na Fonte e na Essência e não no efeito no qual ou forma em que Deus está para aparecer.
Cont...



2 comentários:

Edmilson disse...

Apesar de estudar a Verdade durante vários anos, eu ainda estou aprendendo e compreendendo o que Joel S. Goldsmith disse, conforme descrito neste artigo. Obrigado por divulgar a Verdade.

Gugu disse...

Obrigado, Edmilson! Também lhe agradeço por entender o valor da Verdade, apreciá-la e divulgá-la ao mundo.

Às vezes eu gostaria de falar com você, mas não possuo o seu contato.

Por favor, poderia informar o seu e-mail?

Grande Abraço!