"MAIOR É O QUE ESTÁ EM VÓS DO QUE O QUE ESTÁ NO MUNDO." (I JOÃO 4:4)

segunda-feira, maio 19, 2008

Amor: O Caminho, a Verdade e a Vida



Aprender a amar e a perdoar é o mais importante ensinamento espiritual. Pode parecer que “amar” e “perdoar” sejam coisas diferentes, mas não são; esses dois ensinamentos, assim como outros, são manifestações naturais decorrentes do homem que conscientiza sua verdadeira natureza. O amor, o perdão, o sentimento de gratidão, a prática do bem – tudo isso passa a se manifestar naturalmente quando a pessoa descobre quem ela é realmente. Porque a verdadeira condição do ser humano é Amor.

Somos felizes quando sabemos quem somos! Porque, quando descobrimos quem somos, descobrimos que somos amor. E aqui encontramos um ponto muito delicado, é preciso compreender o que significa “amor”, é muito importante ter a compreensão desta palavra porque conhecê-la nos levará para um ponto mais próximo de conhecermos a nós mesmos.

O amor é doação de si mesmo. Doa não porque ele tenha interesse em doar, mas porque isso é inevitável, essa é a sua natureza. O que é amor não necessita fazer mais nada para si mesmo – tudo já foi feito. Não precisa mais existir com finalidade para si mesmo, porque tudo por ele já foi alcançado. O Amor sempre foi Amor: nunca teve um começo e nunca terá um fim, porque ele É. O Amor é Deus: “Aquele que É”.

Mas, apenas para fins de proporcionar uma melhor compreensão do que é o amor, vamos trabalhar com a proposição – uma história ou parábola -- de que o amor nem sempre foi amor, de que houve um tempo no qual ele existia como alguma outra coisa e que, mais tarde, ele viria a ser o que ele é hoje: amor.

“O amor, antes de ser amor, buscava viver somente para si mesmo. Naquele tempo, o amor era um vazio, um vazio miserável; havia algo que faltava nele e ele não se sentia completo, preenchido, realizado. Por isso ele buscava preencher o seu ser através de tudo; ele passou por todas as experiências existentes possíveis e, depois de vivenciar tudo o que havia para ser vivenciado, ele chegou a um ponto onde não havia mais nada a fazer, nenhum lugar aonde ir. Depois disso, depois de atingir tudo quanto havia para ser atingido, não houve mais nada o que restasse. O amor viu-se vazio novamente. Mas desta vez, esse vazio não era um vazio miserável, a qualidade dele era totalmente diferente do vazio que um dia ele fora. O amor havia chegado a um vazio novamente, mas desta vez ele estava completamente cheio. Encheu-se todo, até que o seu ser começou a transbordar. Foi a partir desse instante que o amor mudou completamente a sua natureza, transformando-se, assim, no amor que ele é hoje.”

Esse conto, na verdade, não é a história da vida de Deus (Deus não possui uma história – Deus É!), esta é a história de cada ser humano nascido nesta vida. Após ler esta história, olhe agora em volta de você e veja do que toda essa existência que está a sua volta é feita. Se a vida existe, é porque há algo sendo doado para fazer surgir e manter tudo isto que existe. Quem está doando? Deus está doando. Esta vida que existe é Deus transbordando, é Deus tornado visível, é o Verbo que se fez carne. O amor é a essência de tudo, é a verdade sobre a vida e a natureza de cada ser humano.

Uma pessoa que ainda não conscientizou sua perfeição ainda está se movendo, ainda está tentando ir a algum lugar, tentando viver alguma experiência, buscando atingir alguma coisa -- ela está vivendo para si, e está tentando se preencher. Mas a pessoa que conscientiza a sua verdadeira natureza não está preocupada em viver para si; ela entrega a sua vida de volta a Deus.

Somos felizes quando compreendemos que somos amor! Descobrimos que não existimos, que somos vazios, nada. Ou também poderíamos dizer que já somos tudo. Já chegamos a todos os lugares, já passamos por todas as experiências e, assim, descobrimos que não precisamos de mais nada. O que nos sobra, então? O que é que nos deixa tão felizes, quando descobrimos quem somos, já que não há mais nada para ser feito, nenhum lugar a mais aonde se ir? É aqui que está o segredo do porquê a felicidade surge quando descobrimos quem realmente somos. É porque, já que não sobrou nada para nós, nossa natureza se transforma e somos forçados a mudar de direção. O nosso ser transborda e a nossa vida deixa de ser vivida para nós mesmos, e passamos a viver a nossa vida para o outro. Esse transbordamento faz com que o nosso ser seja um presente para tudo aquilo que não somos nós – pessoas, coisas, fatos, a existência inteira! E aí está a felicidade.

De graça recebemos do Universo o nosso ser, o Universo nos deu a nossa vida de presente e, quando retribuímos isso a ele, o fluxo faz o movimento contrário, o amor flui de um lado para o outro, o ciclo se completa. O homem passa a corresponder a relação: ele doa de volta o seu ser para tudo aquilo que não é ele mesmo: o universo inteiro. Toda a vida do homem transforma-se em doação. Cada gesto, ato, palavra, pensamento que vêm ao mundo por meio dele é para corresponder à Vida de Deus -- é dedicado a Deus, à Grande Vida, ao Universo. E desse processo surge a verdadeira felicidade e a paz que todo ser humano está buscando.

Basta descobrir isso: o nosso ser é Amor. Tudo que é necessário para sermos felizes é "conhecermos a nós mesmos". O nosso ser já é perfeito aqui e agora. Nenhum de nós necessita que nosso ser viva para si mesmo. Nós já temos tudo, de modo que não precisamos de mais nada. Temos alegria, felicidade, tranqüilidade, paz, sucesso, harmonia em todas as coisas da nossa vida. É a graça de Deus – a Graça inerente à natureza do Amor – que nos proporciona todas essas coisas. Que mais nos resta, então, a não ser viver para o outro? Este é o critério pelo qual se pode avaliar o quão evoluído espiritualmente uma pessoa é. Você poderá ter a certeza de estar diante de alguém inteiramente desperto apenas observando se ele ama e doa sua vida à humanidade.

O amor e o perdão são a culminância de todos os ensinamentos espirituais. Não há nenhum que seja mais elevado, porque o homem que desperta para a sua iluminação espiritual vive conforme as leis do amor e do perdão. Não há nada que seja capaz de afetar o homem que compreendeu a Verdade, porque ele possui a compreensão de que nada lhe pode ser retirado ou acrescentado – a Graça de Deus faz com que ele já possua todas as coisas dentro de si. Quem compreende isso verdadeiramente não pode jamais ser prejudicado por qualquer coisa. Mesmo se a pessoa for traída, enganada, fraudada, maltratada, etc... ela não dará importância devido ao conhecimento da Verdade que possui. Mesmo que ela perca todos os seus bens, sua casa, seus amigos – ela pode perdoar, porque compreende que nada lhe foi subtraído. Ela pode perdoar! Ela não vive segundo a vida deste mundo, pois “o Meu reino não é deste mundo”. Ela vive a vida pela Graça. Vivendo a vida pela Graça, o homem é capaz de amar, perdoar, agradecer a todas as coisas do céu e da terra, praticar sempre o bem, fazer o outro alegre, proferir palavras de elogios -- ele vivifica a todas as pessoas, coisas e fatos, a todas as coisas do céu e da terra.

A vida do homem filho de Deus (que é o homem verdadeiro) é uma doação inteira de si mesma. Ele não se preocupa com a sua vida, ele preocupa-se com os outros. Sua preocupação é zelar pela Vida com sentimento de amor e gratidão, porque essa mesma Vida zela por ele. É um relacionamento mútuo de amor, uma relação ‘do homem com Deus’ e ‘de Deus com o homem’.

- Lao-Tsé diz: “O sábio não se preocupa com a sua salvação e por isso a encontra.”

- Jesus diz: “Aquele que quiser ganhar a vida, perdê-la-á; mas aquele que quiser perdê-la, ganhá-la-á.”

A Verdade é um paradoxo. O homem que vive pela Verdade parece desperdiçar a sua vida, mas ele é quem mais é aproveitado com a vida que tem. Ele parece apenas doar, mas ele é o que mais recebe. Ele não cuida de sua própria felicidade, mas ele é o mais feliz dentre todos. Porque sua felicidade provém de Deus, ela é sustentada pelo Cristo; ela não é obtida por meio de esforços humanos. Jesus e Lao-Tsé estão dizendo: "amem! doem-se!". Tudo na vida daquele que vive pela Verdade é provido pelo Cristo, e o Cristo provê tudo com abundância! Assim, não há necessidade de se preocupar. A única necessidade que existe é a de amar, de manifestar sempre cada vez mais o amor. O amor é o Caminho, a Verdade e a Vida, é a justiça de Deus e, quando ele é buscado em primeiro lugar, as outras coisas nos são dadas por acréscimo. Essa é a promessa de Deus para nossas vidas.



_____________________________________________

*Este post é dedicado especialmente ao meu amigo Thiago ("Mizi")

2 comentários:

Cris disse...

Oi, Gugu!
Cara, tu escreve muito bem!
Olha, eu precisava ler algo assim hoje...obrigada!
beijos

Gugu disse...

Oi Cris! =)
Obrigado por aparecer.
E fico feliz pelo seu recadinho!
Obrigado!

Bjosss.